Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Jogos: Stranger of Paradise: Final Fantasy Origin – Análise

Stranger of Paradise: Final Fantasy Origin é uma nova visão de uma das séries de RPG mais famosas de sempre. Será que a sua ousadia compensa?

 STRANGER OF PARADISE: FINAL FANTASY ORIGIN

Devo confessar ao leitor que a primeira vez que vi o trailer de Stranger of Paradise fiquei um pouco de pé atrás. Era uma versão mais negra do universo de Final Fantasy mas que, ao mesmo tempo, mostrava-se demasiado o sentimento de querer ser “fixe” perante todos os outros jogos da série. Uma espécie de irmão adolescente na sua maior fase de rebeldia. Porém, após as primeiras horas de jogo reparei que estava um pouco enganado.

Atenção, não quero com isto dizer que a descrição que fiz acima não continuou a existir, porque ela existe, mas parece que foi um pouco “remodelada” e construída de uma forma que não vai incomodar os fãs da série. Penso que tal tenha acontecido por causa dos sucessivos lançamentos de demonstrações em que pediam aos fãs para dar a sua opinião e, assim, verificarem se o caminho que seguiam era o mais correto para o jogo.

STRANGER OF PARADISE: FINAL FANTASY ORIGIN

A história que nos contam é a de Jed, Ash e Jack que partem numa demanda para derrotar o grande mal que atinge o mundo do jogo todo, Chaos (sim, preparem-se, vão ouvir o nome Chaos demasiadas vezes durante todo o jogo). Para isso, existem várias missões que o jogador terá que completar, a maioria delas envolvendo combate ou resolução de quebra-cabeças. Enquanto lutamos também vamos ganhando níveis de “Trabalhos” que, na minha opinião, acaba por ser uma das melhores características deste jogo. Como Jack, podemos escolher de entre vários “Trabalhos” e ir evoluindo a nossa personagem, adaptando-a ao nosso estilo de jogo e mudando entre eles consoante a nossa necessidade. Porém, devo dizer que senti que as áreas de combate eram um pouco fracas e a certo ponto, repetitivas.

Graficamente é um jogo bonito, mesmo quando está a ser jogado numa resolução mais baixa. Aliás, o mais engraçado é que a quantidade de polígonos das personagens é quase o dobro do que era aplicado na geração de consolas anterior, o que pode levar as consolas a descerem o seu framerate um pouco durante os momentos de jogabilidade. A verdade é que, na PlayStation 5 pouco notei essas ocorrências, mas, ao mesmo tempo, sabendo que existiam acabei por me manter mais atento e por breve segundos eram capazes de serem notadas. Além disso, a banda sonora continua a ser algo de fantástico dentro da série e as dobragens das personagens, sejam em inglês ou em japonês são soberbas.

STRANGER OF PARADISE: FINAL FANTASY ORIGIN

Resta concluir que, Stranger of Paradise: Final Fantasy Origin tenta ser ousado até um ponto que parece um exagero, mas, no fundo, é um jogo sólido de uma série já consolidada e os fãs irão divertir-se a explorar esta aventura mais negra no mundo de Final Fantasy.

 

Nota Final: 7/10

Stranger of Paradise: Final Fantasy Origin está disponível para PC, PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One e Xbox Series

 

Editora: Square Enix
Desenvolvedora: Team Ninja, Koei Tecmo, Square Enix

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.