Lançamento: O Círculo de Júpiter

O Círculo de Júpiter

Solitários. Alcoólicos. Infiéis. Dissimulados. Ciumentos. Perfeitos.
Mesmo os nossos pais foram jovens em tempo.

O Círculo de Júpiter

Na América da era dourada dos anos 50, os maiores super-heróis do mundo triunfam sobre ameaças cósmicas em batalhas épicas, mas são diariamente testados nas suas lutas privadas. Os acontecimentos sociais e políticos daqueles anos vão ter um custo pessoal pesado, à medida que as desconfianças e a traição ensombram relacionamentos que pareciam eternos.

O Círculo de Júpiter O Círculo de Júpiter O Círculo de Júpiter O Círculo de Júpiter

Mark Millar é o escritor de muitas séries de comics aclamadas, muitas das quais já foram adaptadas ao grande ecrã, estando muitas outras em adaptação para o cinema, e, depois da recente aquisição da Millarworld pela Netflix, para a televisão. A G. Floy tem vindo a editar uma parte importante da sua obra de BD independente, com inúmeros títulos já publicados, como O Legado de Júpiter, Kick-Ass, Huck, Kingsman, Némesis, etc…

O Círculo de Júpiter O Círculo de Júpiter O Círculo de Júpiter O Círculo de Júpiter

O Círculo de Júpiter é a prequela  de O Legado de Júpiter, e faz os leitores voltarem à era dourada dos comics, de Hollywood e dos super-heróis, uma era idealizada, mais pura e ingénua e mais… negra, cínica, terrível? Com O Círculo de Júpiter, Millar conta a história da primeira geração de seres humanos com super-poderes, e explica a origem dos conflitos, ressentimentos, e rivalidades entre eles, que pudemos observar em O Legado de Júpiter. Mais mais do que mostrar uma era ideal, Millar confronta os leitores com o facto de que a era dourada não foi de ouro, que preconceitos de raça, de género, de ideais políticas, moldaram e desfiguraram as acções das suas personagens, pelo meio de cenas de sexo, bebedeiras e drogas, enganos e traições.

“Todas as gerações falam das que as precederam como sendo maiores, a melhores, como gerações que devem ser idealizadas e veneradas”, diz Millar. “Mas elas eram tão estúpidas como a nossa. E fiquei fascinado com esta ideia de mostrar os pais dos protagonistas como os jovens.” O resultado é uma história de super-heróis a comportarem-se como tudo menos supers, numa saga ao mesmo tempo épica e melancólica, terrível e negra. No mundo de O Círculo de Júpiter não existe super-poder capaz de combater o racismo, o sexismo, o ciúme e a inveja, e a homofobia.

  O Castelo dos Animais 1 - Miss Bengalore

O Círculo de Júpiter O Círculo de Júpiter O Círculo de Júpiter O Círculo de Júpiter

A arte de O Círculo de Júpiter está a cargo de uma mão-cheia de desenhadores que procuraram recriar um estilo limpo, directo, que evoca a Silver Age dos comics, com os seus toques de pop-art, “cujos heróis parecem que saíram do cérebro do Roy Lichtenstein” (Alex Abad-Santos, Vox). Wilfredo Torres é um dos principais desenhadores da série, com uma carreira já longa por várias editoras americanas (Dynamite, DC, Dark Horse, Marvel, etc…); tal como ele, os outros desenhadores da série colaboram pela primeira vez com Mark Millar neste livro. David Gianfelice é um artista italiano com carreira nos fumetti, mas com trabalhos assinados também na Marvel, e na Vertigo (Northlanders). E Chris Sprouse é bem conhecido dos fãs de comics pelo seu trabalho em inúmeros títulos e séries, mas sobretudo em Tom Strong, com Alan Moore, uma personagem que evoca de certa maneira o mundo aparentemente inocente e brilhante de O Círculo de Júpiter.

“O Círculo de Júpiter é o Mad Men da banda desenhada.”

– Vox

O Círculo de Júpiter O Círculo de Júpiter O Círculo de Júpiter O Círculo de Júpiter

O CÍRCULO DE JÚPITER
Argumento de MARK MILLAR e arte de WILFREDO TORRES, DAVID GIANFELICE, CHRIS SPROUSE et. al.
Reúne a série completa de JUPITER’S CIRCLE #1-12.
Formato deluxe, capa dura, 296 pgs. a cores.
PVP: 28€
ISBN: 978-83-65938-85-5
Compra aqui com 10% Desconto

As melhores 7 séries da G.Floy

Ricardo Lopes

Começou a caminhar nos alicerces de uma sala de cinema, cresceu entre cartazes de filmes e película. E o trabalho no meio audiovisual aconteceu naturalmente, estando presente desde a pré-produção até à exibição.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *