Jogos: Analíse – Let’s Sing 2020

Não existe melhor noite do que a do Halloween para  juntar alguns amigos à volta da PlayStation 4 e cantar algumas das novas músicas de Let’s Play 2020. Foi isso que fiz há dias, querem saber qual foi a minha experiência?

Primeiro, é importante notar que este grupo é fã de jogos de karaoke (e de dança, já agora), jogando quase todos os meses na nossa reunião mensal SingStar. A competitividade é alta e, tendo em conta a faixa etária e hábito de ouvir rádio, percebemos que metade da lista de músicas nesta nova edição, passaram completamente ao lado. Mas vamos por partes.

A primeira experiência após iniciar o jogo, as coisas não correm bem. O menu principal pendura e somos forçados a reiniciar o jogo. Vamos esquecer isto e recomeçar. Passando os menus iniciais, chegamos à escolha da música. Somos imediatamente confrontados com uma mistura de músicas modernas e alguns clássicos e pseudo-clássicos. Naturalmente, as escolhas inclinam para estes últimos, começando com “Angels” de Robbie Williams, “You Give Love a Bad Name” de Bon Jovi e “The Show Must Go On”, dos Queen.

Tentou-se depois, com muito esforço, fingir ser uma Spice Girl Boy ao cantar “Wannabe”, mas a letra é demasiado rápida para acompanhar, ainda no tom certo, é mais complicado que alguma vez poderiam imaginar. Uma coisa é cantar o clássico de pop britânico numa viagem de carro, outra é sermos reis do karaoke, numa tarefa impossível.

Ao fim de algum tempo, foi possível notar um atraso ao começar a cantar o inicio dos versos, tanto utilizando os microfones de SingStar, como através da aplicação do jogo no smartphone. No entanto, cantar com este último é uma experiência melhor que esperada, pelo menos utilizando um iPhone, podendo ser diferente entre cada jogador. No geral, o sistema de registo é diferente e exige alguma adaptação na forma que se canta, de modo a ganhar todos os pontos e sair com boas classificações.

  'World of Horror' ganha acesso antecipado!

Os carregamentos entre menus são passados de uma forma bizarra, com alguns problemas de som, acabando com alguma frequência ficarem pendurados, bloqueando o jogo. É um bug que acontece aleatoriamente, ao que esperamos que se resolva nalgum patch futuro.

A noite prosseguiu a aprender e a cantar algumas das músicas mais recentes, destancado “That’s What I Like” de Bruno Mars e “Someone You Loved” de Lewis Capaldi, enquanto que o clássico de nu-metal “Numb” dos Linkin Park meteu-nos a chorar, relembrando a morte do vocalista Chester Bennington, em 2017.

Com isto tudo, existe uma divisão no factor divertimento, ao que consideramos que os jogos SingStar providenciam uma experiência superior. No entanto, com o fecho da SingStore e a falta de lançamentos de músicas novas no original da PlayStation, teremos que nos fiar nos jogos Let’s Sing para termos a nossa dose de músicas recentes, como também os inúmeros pacotes de temas que são lançados nos próximos tempo. Infelizmente, é um jogo que necessita de algum trabalho por parte dos produtores, como também habituação do jogador. Let’s Sing tem tudo para ser a nova grande referência do micro-género, e jogando com as cartas certas, certamente o será. Apenas hoje, não estamos totalmente convencidos.

Nota Final: 5/10

Let’s Sing 2020 já está disponível para PlayStation 4 (versão testada) e Nintendo Switch.

[A Central Comics agradece à EcoPlay]

Ricardo Du Toit

Fã irrepreensível de cinema de todos os géneros, mas sobretudo terror. Também adora queimar borracha em jogos de carros.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *