O Dia Mais Curto

Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Um Conto de Natal, com nova abordagem

Natal não é Natal sem o clássico de Charles Dickens “Um Conto de Natal”, que tem agora uma nova adaptação em banda desenhada, com uma nova abordagem, numa edição portuguesa da Arte de Autor.

Um Conto de Natal

A tradição ainda é o que era?

Vivemos na era do reinício, onde regularmente os nossos heróis favoritos são reimaginados e recebem um novo começo. E quem conhece melhor os novos começos do que Scrooge? Todos sabemos qual foi a sua postura no Natal, mas Munuera pergunta-se se as coisas teriam sido diferentes se ele tivesse sido mulher.

Um Conto de Natal

Um Conto de Natal

Londres, 1843.

Todos os habitantes, tanto os mais ricos como os mais pobres, estão a preparar-se para celebrar o Natal.

Todos excepto Elizabeth Scrooge, uma mulher de negócios, rica e insensível à desgraça dos outros, bem como à atmosfera de júbilo que banha a cidade, só o trabalho e o dinheiro são importantes.

Um Conto de Natal

Diz-se que ela é egoísta e mesquinha. Ela prefere pensar em si própria como prática. E enquanto as festividades iluminam a cidade e os corações dos seus habitantes, Scrooge geme sobre a sua misantropia…

Um Conto de Natal

Uma noite, os espíritos vêm visitá-la. Levam-na com eles, para conhecer a jovem rapariga que era, alguns anos antes, quando a ganância ainda não lhe tinha comido o coração. Mas também à descoberta do que ela poderia ter-se tornado se tivesse escolhido o caminho do bem…

José-Luis Munuera nasceu em 1972 na Espanha. Depois de estudar artes plásticas na Universidade de Granada, tornou-se cartunista.  Mas a indústria de banda desenhada atravessou um período difícil nos anos 90, e José Luis Munuera fez uma viagem a Angoulême. Lá conheceu Joann Sfar que lhe escreveu as três histórias dos “Potamoks” (Delcourt). O sucesso foi lento, e os dois autores propuseram o seu trabalho a outra editora: Dargaud. Assim surgiram as aventuras de Merlin, o famoso mágico, acompanhado por Tartine, o ogre, e Jambon, o porco.

Um Conto de Natal

A série encontrou o seu público, e quando Sfar já não tinha tempo para escrever os guiões, Jean-David Morvan assumiu o seu lugar. Munuera e Morvan embarcaram então no delirante “Sir Pyle S.” (Soleil), depois no “Sir Pyle S.”. Culape (Soleil), então, juntamente com Philippe Buchet, imaginaram “Nävis” (Delcourt), uma série de fantasia para crianças. Seguiram-se em 2004, com Dupuis, as novas aventuras de Spirou com “Paris-sous-Seine”. Desde então, Munuera tem tido um sucesso atrás do outro com, entre outros, “Sortilèges” (Dargaud) (cenário por Jean Dufaux) e “Fraternidade” (cenário de Juan Díaz Canales), e, em Dupuis, “Les Campbell” e “Zorglub”, duas séries que assinou sozinho. Um virtuoso tanto na criação como no renascimento, em 2020 colaborou com BeKa e desenhou “L’Envoyé spécial”, o sexagésimo quinto volume da série emblemática de Raoul Cauvin, Salvérius e Lambil: “Les Tuniques bleues”.

Em 2021, estará de volta a Dargaud com “Bartleby le scribe”, uma adaptação do conto epónimo de Herman Melville.

Um Conto de Natal

Um Conto de Natal
Argumento e desenho:
José-Luis Munuera
Arte de Autor
Edição: Cartonada
Número de páginas: 80
Impressão:  cores
Formato: 210 x 285
ISBN:  978-989-9094-19-2
PVP: 19,95€

One thought on “Um Conto de Natal, com nova abordagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *