Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Jogos: Sherlock Holmes Chapter One – Análise

Sherlock holmes chapter one

O detetive mais famoso da literatura inglesa está de volta num novo jogo. No entanto, não mostra a sua melhor faceta.

Sherlock Holmes é, definitivamente, uma das personagens que vive no imaginário de toda a gente. A verdade é que a personagem criada por Sir. Arthur Conan Doyle já foi vista nos mais variados tipos de media, desde livros (onde, além dos livros que o fizerem famoso, teve um confronto com um dos ladrões europeus mais famosos do mundo, Lupin) ao cinema e, claro está, passando pelos videojogos. Quando a Frogwares anunciou uma nova iteração do detetive, com uma história passada antes dos seus tempos de glória, fiquei entusiasmado, mas, ao mesmo tempo reticente com o que poderia vir a sair dali.  Deveria ter ouvido as minhas preocupações.

Sherlock holmes chapter one

Sherlock Holmes Chapter One é o início de uma nova história em que visitamos a vida de Holmes nos tempos em que ainda entrava na vida adulta. Sabemos que a sua mãe morreu em circunstâncias misteriosas e devemos explorar uma cidade costeira no Mediterrâneo para entendermos o que aconteceu. É uma história cheia de mistérios que nunca levam a lado nenhum, sendo apenas um pretexto para termos uma nova versão de Sherlock que não vê meios para atingir os seus fins. Aliás, uma das personagens mais famosas do seu imaginário, Watson, nem está presente no jogo. No seu lugar, temos Jon que tenta inserir mais mistério na trama, mas, ao mesmo tempo, acaba por ser demasiado óbvio e sem razão para estar ali presente.

Em termos de jogabilidade também acaba por deixar um pouco a desejar. Sherlock Holmes é conhecido pela sua habilidade de dedução e pelos seus breves momentos de ação que podem ocorrer a qualquer momento durante as suas investigações. Aqui temos ambas as vertentes, especialmente porque passamos bastante tempo a completar quebra-cabeças para conseguir progredir ao longo do jogo. No entanto, algo que me fez confusão foi o facto de usarmos as habilidades de dedução e combate ao mesmo tempo. Conseguiram fazer desta personagem um psicopata autêntico, que luta por razões que não existem e que pode ser mais cruel que os seus próprios inimigos. Isto quando é possível acertar nos botões. Os controlos em termos de resposta conseguem irritar qualquer um e, não há forma de conseguir resolver este problema por alguma razão. Nem o detetive mais famoso do mundo conseguiria decifrar o porquê de os botões não responderem às vezes!

Sherlock holmes chapter one

Por outro lado, a Frogwares apostou e bem nos gráficos. O jogo é bonito de se ver e os erros são mínimos nesse campo. Porém, acaba por ser um engana-me que eu gosto, para esconder os erros que vimos na história e na jogabilidade. Gostava, no entanto, de adicionar que mesmo a história sendo má, o jogo consegue ainda durar 16 horas, o que é bastante bom se aguentarem esse tempo todo.

Resta concluir que, Sherlock Holmes Chapter One é um jogo que acaba por ficar aquém das espectativas. Têm uma personagem tão boas em mão e tantas boas histórias para adaptar. Porquê andar a fazer coisas que não valem a pena?

Nota: 6/10

Sherlock Holmes Chapter One está disponível para Xbox One, Xbox Series, PlayStation 4, PlayStation 5 e Microsoft Windows

Deseenvolvedora e Editora: Frogwares

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.