Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Fantasporto: forte presença asiática na programação deste ano

O FantasPorto anunciou a programação da sua 42ª Edição. Com data de realização marcada de 1 a 10 de Abril, o FantasPorto regressa, em 2022, ao Teatro Rivoli, após o ano passado a pandemia ter obrigado a que o mesmo se tenha realizado no Mercado Ferreira Borges, outro ex-líbris da cidade do Porto.

A Ásia tem grande predominância na seleção deste ano.
A 41ª Edição consagrou o japonês “Suicide Forest Village“, de Takashi Shimizu, como o Melhor Filme da Competição de Cinema Fantástico e, em 2022, espera-se que outros filmes do território asiático brilhem de igual modo na principal competição do evento. Ao todo são sete as obras originárias deste continente que fazem parte da seleção de longas-metragens da competição de cinema fantástico, entre as quais se destaca “The Mole Song“, o mais recente projeto do icónico cineasta nipónico Takashi Miike, uma presença regular no FantasPorto.


 

Tal como referimos no início, Shimizu levou para casa o prémio de Melhor Filme na edição de 2021 e tentará repetir o feito este ano, já que regressará ao FantasPorto para apresentar “Ox-Head Village” que se espera que seja mais um belo exemplo do estilo J-Horror.


Também Hideki Takeuchi, nome sonante do cinema nipónico, estará presente no Fantas com “Ms Lupin“, a sua mais recente longa metragem que tem como base uma série também criada pelo próprio e que foi buscar inspiração à mítica personagem francesa Arsène Lupin.


Não é só o Japão que representará a Ásia no Fantas, também Taiwan e a China marcarão presença na competição de longas-metragem de cinema fantástico, sendo de destacar “Annular Eclipse, um thriller sci-fi que demonstra força que o cinema chinês tem vindo a conquistar em produções mais arrojadas. 

Também a América do Sul terá forte presença na competição central do Fantas, como aliás já vem sendo hábito, mas é de dois países francófonos que poderão surgir as duas grandes surpresas desta edição do Fantas. À cabeça destacamos o belga “Duyster“, de Thomas Vanbrabant e Jordi Ostir, um found footage que promete dar um toque de diferença ao terror. Já de França chega “Vortex, Dawn of the Sovereignty“, de Michel Rousseau , filme sci-fi já muito aclamado em vários festivais de cinema que promete ser uma das grandes surpresas do Fantas.

É claro que os Estados Unidos também tem forte presença nesta secção do Fantas, onde se destaca o regresso de Erik Bloomquist com Night at the Eagle Inn ao certame. 

Da Argentina, de onde têm chegado boas surpresas ao festival, os destaques vão para o novo filme de Alejandro Hidalgo, The Exorcism of God, um realizador já com prémios no Fantas e para o já muito falado “TheUnburied / El Cadáver Insepulto de Alejandro Cohen Arazi.

Passamos para a Semana dos Realizadores – Prémio Manuel Oliveira que, nas longas-metragens, é composta por uma seleção ecléctica de oito filmes oriundos da Europa, Ásia e Médio Oriente.  E esta seleção inclui obras diferenciadoras como o espanhol “Jacinto” ou o húngaro “Eviction“. O grande destaque pertence, contudo, a “Escape from Mogadishu“, obra sul-coreana muito aclamada no seu país de origemque nos entrega uma premissa que, de uma forma invulgar mas original, promove uma aproximação entre a Coreia do Sul e do Norte. O extravagante blockbuster nipónico “Baby Assassins” também será, certamente, um dos filmes de destaque neste Fantas. 

A secção Cinema Fantástico é também composta por uma forte variedade de curtas metragens que prometem conferir aquele toque de irreverência a uma seleção já de si dinâmica.
As longas-metragens oriundas da Ásia presentes nas duas secções também competirão pelo prémio de Melhor Filme da Orient Express. Uma das outras grandes secções do FantasPorto é o Prémio do Cinema Português que, este ano, tem em competição uma longa metragem e sete curta-metragens, sendo de realçar que a longa metragem é “Amelinda“, novo filme de Miguel Gomes que terá a sua estreia nacional neste certame. À margem da competição, o Fantas exibirá “A Praga“, filme de 1980 da autoria de José Mojica Marins, mestre do cinema brasileiro de terror. Falecido em 2020 esta sessão irá homenagear a grande carreira de Mojica e o seu contributo para a sétima arte. 



O programa do FantasPorto 2022 pode ser consultado aqui e aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.