Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Análise: Cinco jogos a ter em conta em Dezembro

Todas as semanas saem jogos novos e alguns podem escapar aos jogadores. Hoje trazemos cinco jogos quem podem fazer o próximo mês dos leitores.

 

Sociable Soccer 24 – Já Disponível – PC (versão jogada)

 Sociable Soccer 24        

Sociable Soccer 24 chega como uma alternativa aos jogos de futebol a que estamos habituados. Será que é assim tão linear o funcionamento?

Na realidade, o jogo é um sucessor espiritual da série Sensible Soccer, criada por Jon Hare, que também está envolvido no desenvolvimento deste Sociable Soccer 24.

Sociable Soccer 24

Estamos presentes um jogo de futebol no estilo arcade que se concentra na ação rápida e jogabilidade exagerada. O jogo apresenta controlos simples que são fáceis de aprender, mas difíceis de dominar. O jogo inclui uma variedade de modos de jogo, incluindo partidas rápidas, torneios e multiplayer online. Além disso, pode tornar-se bastante divertido e um pouco viciante, tendo em conta que grande parte do tempo temos de melhorar os nossos jogadores e decidir aqueles que são melhores para estar em campo. Não se trata só de saber controlar, também é necessário saber jogar mesmo.

Sociable Soccer 24 é um jogo de futebol de arcade divertido e viciante que certamente agradará aos fãs do gênero. O jogo é fácil de pegar e jogar, mas tem profundidade suficiente para mantê-lo entretido por horas a fio. A ação rápida do jogo, controlos simples e variedade de modos de jogo tornam-no uma ótima escolha para jogadores casuais e hardcore.

 

Nota: 7/10

Flashback 2 – Já Disponível – PlayStation 5 (versão jogada), PlayStation 4, Xbox One,  Xbox Series e PC

Flashback 2

Flashback 2 regressa como para mostrar que é possível fazer sequelas de jogos 30 anos depois do original ter sido lançado, mas que poderá não ser a solução.

Mesmo sabendo que o Flashback original já sofreu vários remakes e remasterizações, a verdade é que ver que recebe uma sequela passado tanto tempo pode deixar os jogadores com dois tipos de reações: nostalgia e medo.

O jogo convida os jogadores a viver novamente na pele de Conrad B. Hart, o jovem agente do GBI (Galactic Bureau of Investigation), num vibrante universo de ficção científica/cyberpunk. E é aqui que as boas coisas acabam.

Flashback 2

Tanto os gráficos, como os controlos são horrendos. Os gráficos passam a vida a congelar, enquanto os controlos do jogo são demasiado sensíveis, levando a uma sensação de lutar com o jogo em vez de aproveitá-lo. Os movimentos do jogador são flutuantes e insensíveis, com o botão de salto reagindo apenas quando estamos parados no local.

Em conclusão, embora Flashback 2 tenha algumas boas ideias e demonstre paixão pela ficção científica, parece ser prejudicado por um design desajeitado e numerosos bugs. Pode valer a pena conferir se o leitor é fã do jogo original.

 

Nota: 4/10

What The Duck – Já Disponível – PC, Nintendo Switch (versão jogada)

What the Duck

What the Duck é capaz de ser um dos jogos mais fora da caixa desta lista. À primeira vista parece ser um RPG genérico, até percebemos que a verdadeira história está em todos ao seu redor podem invocar e controlar seu próprio poderoso animal espiritual, o seu acabou sendo… um pato!

O jogo é principalmente bom nas áreas de exploração, criação, combate e jogos de ritmo. O jogo também apresenta vários biomas únicos repletos de missões, inimigos, quebra-cabeças, segredos, minijogos e outros personagens para encontrar. Os jogadores podem fazer amigos ou inimigos com outros lutadores e os seus animais espirituais, saquear recursos e aprimorar as armas e poderes da personagem.

What the Duck

Apesar de ser um pato, o animal espiritual é a verdadeira estrela do jogo e possui o seu próprio conjunto de habilidades únicas. Podemos assumir o controle dele para voar, nadar, resolver quebra-cabeças específicos, aceder a áreas inacessíveis e desvendar vários segredos. Isso adiciona uma reviravolta única à jogabilidade e torna a experiência interessante e envolvente.

Resta concluir que, “What The Duck” é um RPG de ação e aventura divertido e envolvente que oferece uma reviravolta única com o animal espiritual pato. É um jogo que não se leva muito a sério, mas ainda consegue entregar uma experiência de jogo atraente e agradável.

 

Nota: 8/10

Uzzuzzu My Pet- Golf Dash – Já Disponível – Nintendo Switch (versão jogada)

Golf Dash

Uzzuzzu My Pet- Golf Dash transporta-nos para um mundo em que jogamos golf com o que consideramos normalmente animais de estimação.

No entanto, devo admitir que se trata de um jogo aborrecido e demasiado complicado de se jogar para aquilo que tem a oferecer. Temos de ir “chutando” a bola de golf até ela cair no buraco, como se de um jogo de plataformas se tratasse. Aliás, a certas alturas, existiam tantos bugs no ecrã que podíamos controlar a bola livremente.

Golf Dash

Além disso, graficamente não existe muito que ofereça. As personagens podem ser fofinhas e atraentes para crianças, mas, mesmo assim torna-se difícil justificar um jogo destes no momento.

Resta concluir que, Uzzuzzu My Pet- Golf Dash é um jogo para aqueles que procuram algo barato para se divertir por uns minutos. Fora isso, não se aconselha.

 

Nota: 2/10

Crashy Laps –  Já disponível –  PlayStation 5, PlayStation 4,Nintendo Switch (versão jogada), Xbox One,  Xbox Series e PC

Crashy Roads

Crashy Laps foi um jogo que acabou por me surpreender um pouco. Trata-se de um daqueles jogos que tenta emular o clássico jogo de corrida visto de cima da pista.

Para o jogo que é, na realidade tem mais pistas do que esperava, tendo cerca de 20 pistas. Além disso, no modo para um jogador é possível fazer várias corridas para tentar chegar ao melhor tempo possível, além de também existir o modo Grand Prix, em que corremos desde corridas de qualificação até à corrida mesmo.

Em termos de jogo para vários jogadores, é possível fazer corridas apenas localmente, o que acaba por colocar um pouco em causa o jogo, já que nesta altura do campeonato poderia ter um sistema online.

Crashy Roads

Porém, o pior ponto foi mesmo os controlos. É complicado conduzir aqueles carros e é preciso ter muito, mas muito cuidado quando viramos, por conta de os controlos serem demasiado sensíveis.

Resta concluir que, Crashy Laps é uma boa experiência para aqueles que procuram um budget-game, mas não esperem o melhor jogo de corridas possível. Porém, aqueles que gostem dos clássicos jogos de corrida irão gostar bastante deste.

 

Nota: 7/10

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Verified by MonsterInsights