Vai começar o IndieLisboa 2018 Festival Internacional de Cinema!

Na passada terça-feira, decorreu a sessão de apresentação da programação do IndieLisboa 2018 Festival Internacional de Cinema. O Central Comics esteve presente na Biblioteca Palácio Galveias para saber de antemão o que irá acontecer neste grande festival nos dias 26 de abril a 6 de maio.

IndieLisboa 2018 Festival Internacional de Cinema

IndieLisboa 2018 Festival Internacional de Cinema

Neste dia foi possível ouvir representantes deste grande festival que tornam possível a continuação deste enorme acontecimento cultural na cidade de Lisboa. A presença de membros da Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, Culturgest, Cinema Ideal e Cinema São Jorge na Biblioteca Palácio Galveias foi fulcral para compreender a dimensão e importância que o IndieLisboa tem vindo a ter.

Já vai na sua 15ª edição e serão mais de duas centenas de filmes que, entre 26 de abril e 6 de maio, farão parte de mais um IndieLisboa Festival Internacional de Cinema. Dos heróis Independentes, Jacques Rozier e Lucrecia Martel, às competições principais, aos olhares singulares compilados na secção Silvestre, passando pelo cinema sobre o cinema do Director’s Cut, as propostas extremas da Boca do Inferno ou o cinema infanto-juvenil do IndieJúnior, a escolha nesta 15ª edição do IndieLisboa volta a ser diversa, plural e atual.

Sessão de Apresentação do IndieLisboa 2018

Sessão de Apresentação do IndieLisboa 2018

A nível nacional, serão 21 as obras de curta e longa-metragem que concorrerão aos principais prémios da Competição Nacional. A oferta será variada com o intuito de dar ao conhecer ou relembrar nomes marcantes no cinema português. Indo desde o Bostofrio, où le ciel rejoint la terre, de Paulo Carneiro, que nos traz uma viagem documental onde o próprio realizador procura saber quem era, e como era, o seu avô. A terceira longa-metragem de Susana Nobre, Tempo Comum, retrata intimamente um momento marcante na vida de um casal, oscilando entre ficção e realidade. Em Our Madness, João Viana, prossegue o trabalho da sua primeira longa-metragem, nomeadamente A Batalha de Tabatô (IndieLisboa 2013). Sandro Aguilar volta também ao IndieLisboa com Mariphasa. André Gil Mata estreia-se na longa-metragem com A Árvore, depois de 4 curtas suas terem passado pelo festival.

O IndieLisboa também apostará fortemente nas curtas-metragens portuguesas, com nomes que acreditam que marcarão o Cinema nacional e internacional nos próximos anos. Indo desde visões experimentais com Num País Estrangeiro, de Miguel Seabra Lopes e Karen Akerman, à voz única de Rita Figueiredo com The Great Attractor, às experiências ficcionais de Carlos Pereira com Histórias de Fantasmas e Fortuna de Miguel Tavares, aos relatos documentais de Gonçalo Robalo com Os Mortos, e Jorge Vaz Gomes com Mapa-esquisito. A ficção também estará presente com Self Destructive Boys, de André Santos e Marco Leão, Anjo, de Miguel Nunes, Amor, Avenidas Novas, de Duarte Coimbra, Russa, de João Salaviza e Ricardo Alves Jr, Sleepwalk, de Filipe Melo, A Barriga de Mariana, de Frederico Mesquita e por fim, Instruções Para uma Revolução, de Tiago Rosa-Rosso. Filmes de animação também marcarão presença, salientando duas surpresas em tom experimental, como Via, de Maria Ferreira e War of The Worlds de Manuel Brito.

A Árvore, de André Gil Mata

A Árvore, de André Gil Mata irá fazer a abertura do IndieLisboa 2018

Face às dificuldades de se fazer e distribuir cinema português pelo país, o IndieLisboa tem como função principal apoiar e dar a conhecer a arte nacional. Deste modo, o festival vai abrir e encerrar com obras portuguesas, nomeadamente a abertura com A Árvore, de André Gil Mata e o encerramento com Raiva, de Sérgio Tréfaut. No decorrer do festival estarão presentes quase cinco dezenas de novos filmes portugueses. Em destaque o olhar sobre o trabalho de Rino Lupo, no documentário homónimo de Pedro Lino, e a família do cineasta Tonino de Bernardi, em O Termómetro de Galileu, de Teresa Villaverde. Nas sessões especiais, Quantas Vezes Tem Sonhado Comigo?, de Júlia Buisel, O Passageiro, de Luís Alves de Matos, a par de O Homem Pikante, de Edgar Pêra, ou A Pedra Não Espera, de Graça Castanheira.

O Central Comics estará presente nestas várias sessões e poderão acompanhar toda a programação antecipadamente no nosso site. Além disto, poderão consultar o www.indielisboa.com para mais informações.

Aqui fica o nosso pequeno vídeo da Sessão de Apresentação do IndieLisboa 2018 Festival Internacional de Cinema!

  Cinema: Crítica - Mutant Blast (2019)

Tiago Ferreira

Estudante de Cinema e Teatro, Crítico de Cinema, Fotógrafo novato e Cosplayer.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *