Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Trezes: “O Sítio da Mulher Morta”

Sexta-feira é dia de estreia na RTP 1 de telefilme do projecto Trezes, onde literatura portuguesa é objecto de adaptação cinematográfica. Esta semana estreia O Sítio da Mulher Morta, a adaptação cinematográfica do conto homónimo escrito por Manuel Teixeira Gomes.

O Proprietário tem tudo o que o destino quis e que ele tem sabido expandir: terras férteis a perder de vista, imenso gado, vinhos de exceção e charutos maturados nas longas viagens dos barcos vindos diretamente do Caribe, mais precisamente de Cuba. De tudo isto ele desfruta no seu rico solar rural, preenchido pela mulher e dois filhos, de quem muito gosta, mas que por vezes lhe interrompem o desfrutar destes prazeres que lhe cabem por direito. Mas o desencanto da rotina passional remete-o sempre para as memórias efabuladas de um momento no passado em que, inesperadamente, descobriu numa meretriz a elevação surpreendente da paixão ao plano do afeto. Até que a meretriz lhe aparece na Herdade, intocada pelos quinze anos passados, mais pura que antes e, até aos seus olhos, rejuvenescida. Mas casada, com um homem perigoso.

O Sítio da Mulher Morta foi realizado por José Carlos Oliveira, que acumula a função de produtor de todos os telefilmes do projecto Trezes.
O cineasta relaciona a escolha da realização do O Sítio da Mulher Morta com a atração emotiva que a escrita de Manuel Teixeira Gomes exerce sobre o seu imaginário, nomeadamente no que toca às Novelas Eróticas. No seu entender, as artes devem ser provocatórias; considerando assim que este conto teria de ser filmado por si.

 “Foi um grande desafio e uma enorme responsabilidade realizar uma adaptação de um tão excelente escritor. Queremos conseguir transportar os espectadores para dentro da narrativa, transpondo-os para os comportamentos das personagens principais e fazendo-os sentir o que estas estão a sentir.”, acrescenta José Carlos Oliveira.

O telefilme conta com as interpretações de José Fidalgo, Beatriz Godinho, Helder Agapito, Patrícia André, Pedro Lacerda e José Neto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *