“O Estranho Mundo de Jack” com continuação anunciada

O clássico filme de Halloween, ou de Natal, O Estranho Mundo de Jack (The Nightmare Before Christmas) vai ter continuação. Mas não será no formato mais desejado pelos espectadores!

A Disney anunciou um novo livro escrito por Shea Ernshaw e pensado para leitores jovens e adultos, cuja história é desenvolvida a partir do ponto de vista de Sally.
A autora revelou que a narrativa acontece imediatamente após o final do filme, sendo esta a história de amor ainda não contada de Sally e Jack. Mas também revela o desenvolvimento de Sally, agora com o seu novo título real como a Rainha Abóbora de Halloween Town.

A autora adianta que o livro introduzirá novas personagens e locais.
Shea Ernshaw disse:

“Esperamos que ofereça aos fãs a tão aguardada segunda dose de Sally, Jack e todos os residentes familiares de Halloween Town, enquanto apresenta um novo elenco de personagens estranhos e sombrios, que espero que os leitores amem.”


O enredo mostra Sally e Jack casados ​​e felizes tendo suas vidas momentaneamente alteradas quando Sally acidentalmente solta um vilão misterioso em Halloween Town. Com Jack e todos os outros habitantes em perigo, Sally procura ajuda em outros mundos de datas festivas – incluindo um até então inexplorado – como a Rainha Abóbora, descobrindo segredos sobre como salvar o mundo e lutar com novas descobertas sobre sua vida passada.
É desconhecida a data de lançamento do novo livro de O Estranho Mundo de Jack, assim como o título.

  Annie: Conhecidos os nomeados para os prémios do cinema de animação

O Estranho Mundo de Jack foi realizado por Henry Selick com argumento e produção de Tim Burton. O musical stop-motion foi lançado em 1993 e recebeu reconhecimento da crítica e dos espectadores, com muitos elogios aos efeitos visuais, banda sonora e sobretudo à história. Recebeu a nomeação ao Oscar para Melhores Efeitos Visuais e a nomeação ao Globo de Ouro para Melhor Banda Sonora Original (de Danny Elfman).
A Disney tem discutido a continuação desde (pelo menos) 2001, considerando usar o stop-motion ou animação digital. No entanto, Tim Burton e Henry Selick opuseram-se publicamente às intenções de sequela, na esperança de manter a pureza do filme original.

Ricardo Lopes

Começou a caminhar nos alicerces de uma sala de cinema, cresceu entre cartazes de filmes e película. E o trabalho no meio audiovisual aconteceu naturalmente, estando presente desde a pré-produção até à exibição.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *