New York Cannibals

New York Cannibals é a mais recente aposta da editora Ala dos Livros. Escrito por Jerome Charyn e desenhado por François Boucq, este é um livro auto-conclusivo que já está disponível em todo o país.

New York Cannibals

Lançada em Portugal ao mesmo tempo que, em França, surge nas livrarias a edição francesa, e na linha de A Mulher do Mágico ou Boca do Diabo, NEW YORK CANNIBALS é a mais recente obra do desenhador François Boucq e do escritor Jerome Charyn.

New York Cannibals

Vinte anos após a conclusão sangrenta de Little Tulip, Azami tornou-se polícia. Ganhou corpo e tomou demasiados esteróides. Por isso, quando encontra numa ruela o bebé que a sua condição física a impede de ter, decide adoptá-lo, tal como Pavel outrora fizera com ela. Entretanto, o velho tatuador fora apanhado pelo seu passado. Os fantasmas do Gulag ameaçam engolir os seus, e ele terá de usar tudo o que aprendeu para os enfrentar: a força mística da sua arte… e essa violência surda, que permanece a mesma, da Sibéria a Nova Iorque.

New York Cannibals New York Cannibals New York CannibalsNew York Cannibals

NEW YORK CANNIBALS
Uma história de Jerome Charyn
Adaptada por François Boucq
Desenho: François Boucq
Cor: François Boucq,
Alexandre Boucq, Denis Béchu
156 páginas. Cor.
Cartonado. 235 x 310 mm
Setembro de 2020. Ala dos Livros
ISBN: 978-989-54726-3-5
PVP: 28,90 Euros
Compra Aqui com 10% de desconto e portes grátis

New York Cannibals

BIOGRAFIA DOS AUTORES:

Argumento: Jerome Charyn (1937 – )

A obra de Jerome Charyn, prolífica, impressionante e recompensada com numerosos prémios, é caracterizada por uma escrita única e por um universo fabulosamente pessoal. Impregnadas pela cidade de Nova Iorque, onde o autor nasceu em 1937, as suas obras põem em evidência uma cidade onde abundam ruas misteriosas, recantos secretos e bairros sombrios…

Originário do Bronx, Jerome Charyn conduz-nos, através de ruelas e travessas, entre desequilíbrio e caos, por zonas muitas vezes policiais e por vezes autobiográficas.

Mestre incontestado do romance policial (Blue Eyes, Marilyn the Wild, Citizen Sidel), Charyn parte em busca do “Sonho Americano” e de todos aqueles que lhe dão forma: traficantes, polícias, imigrados, políticos desonestos, almas solitárias…, contando a história dos condenados e dos proscritos da cidade que nunca dorme. Boca do Diabo, A Mulher do Mágico e Little Tulip, realizados em colaboração com François Boucq, não escapam a esta regra. Escritor humanista e talentoso, Jerome Charyn é também autor de numerosos romances (Darlin’ Bill, Metropolis, etc.), ensaios e novelas. Considerado por muitos como um dos escritores mais importantes da literatura americana contemporânea, surpreende-nos a cada obra.

  Airborne 44 - Geração Perdida | Sobre as nossas Ruínas

Desenho: François Boucq (1955 – )

Embora tenha iniciado a sua carreira na ilustração de imprensa, com caricaturas para revistas tão conceituadas como Le Point, L’Expansion ou Privé, é na banda desenhada que François Boucq virá a ganhar notoriedade.

Da sua experiência anterior, retém o gosto acentuado por rostos expressivos e o desenho minucioso, enaltecido por um sentido excepcional de enquadramento e de “mise en scène”. Conhecido pelas suas narrativas humorísticas, nas quais o absurdo rivaliza muitas vezes com a paródia, cria o personagem Jérôme Moucherot, um agente de seguros um pouco diferente dos outros, que percorre a selva da existência com um fato leopardo.

Dotado de uma capacidade de trabalho fora do comum (chegou a desenhar duas pranchas por dia, sem nunca abdicar da qualidade que é apanágio da sua reputação), François Boucq põe facilmente de lado o humor para se dedicar a narrativas mais realistas. Adapta assim o romancista americano Charyn (A Mulher do Mágico, Boca do Diabo, Little Tulip), explora o western com Jodorowsky nas páginas de Bouncer, ou os serviços secretos do Vaticano com Sente em O Guardião. Herdeiro directo de Giraud, Boucq abriu portas no desenho realista. Ao longo dos anos, esta síntese entre caricatura e rigor, clareza e precisão, deu origem a um estilo único, que permite a Boucq revisitar todos os géneros de narrativa com a mesma vivacidade.

Hugo Jesus

Co-criador e administrador do Central Comics desde 2001. É também legendador e paginador de banda desenhada, e ocasionalmente argumentista.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *