Cinema: MOTELx 2018 – Curtas Internacionais (Parte I)

Foram 20 as curtas internacionais seleccionadas para exibição no MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa. Eis as primeiras 5 da lista!

BFF Girls, de Brian Lonano

MOTELX2018_BFFGirls

É engraçado ver como o impacto da cultura-pop japonesa está presente no ocidente, sobretudo quando toca a inspirações de Sailor Moon e Super Sentai.

É o caso neste filme realizado por Brian Lonano sobre três melhores amigas que vão combater um monstro tampão, liderado por uma personagem maléfica com cabelo branco.

O divertimento impera nos 13 minutos da curta, contando o episódio de uma das raparigas começar a ter o período.

Repleto de trocadilhos apropriados para a situação, mas ao mesmo tempo sendo mais educativo que muitas séries de animação no ar, BFF Girls substitui as dores menstruais por risos e gelado.

Mal posso esperar pelo próximo episódio!

Nota Final: 8/10

Catcalls, de Kate Dolan

MOTELx18_Catcalls_KateDolan

A irlandesa Kate Dolan tem feito algum furor dentro do cinema LGBT com a sua curta de 2014 Little Doll.

Agora, num muito aguardado regresso, Catcalls é uma curta relevante dos dias de hoje, aonde o tema de assédio na rua é muito falado.

  Cinema: Mas afinal... que ano é este? (Parte 2)

É exactamente isso que acontece a uma rapariga que é assediada por um homem.

O título inicial “Baseado numa história verídica” é rapidamente perceptível, pois percebermos que isto acontece numa base diária. Mas a história não fica por aqui: ela e a amiga vingam-se, indo pessoalmente à casa do ofensor, mostrando as consequências das acções inapropriadas.

Kate Dolan tem muitas e boas ideias, e esperemos que um dia as possamo ver numa longa-metragem igualmente intrigante.

Nota Final: 8/10

Centrifugado, de Mireia Noguera

MOTELX2018_Centrifugado

A escritora e realizadora espanhola Mireia Noguera apresenta uma curta sobre um rapaz que vai ajudar uma senhora idosa ao levar-lhe o cesto de roupa da lavandaria para sua casa.

Este acto de bondade torna-se obscuro quando de repente o rapaz se encontra encurralado dentro da casa da senhora.

É impossível não ficar curioso pelos acontecimentos a que estamos perante, enquanto percebemos que nem tudo é o que parece. Abordando o tema de saúde, o filme assenta que nem uma luva dentro do género de terror.

Nota Final: 7/10

Conductor, de Alex Noyer

MOTELX2018_Conductor

A expressão “drop that beat” tem todo um novo significado nesta curta escrita e realizada por Alex Noyer.

  Cinema: Crítica - Feliz Dia para Morrer 2 (2019)

Enquanto um músico concorre num passatempo dum centro comercial, é abordado por uma rapariga disposta a ajudar a criar o beat vencedor. Pouco sabia ele que esse beat iria ditar a vida duma pessoa.

Este enredo é simples e bastante directo ao assunto, causando assim o máximo impacto na revelação final, que é bastante sangrenta.

Depois ainda se admiram da falta de confiança da bondade dos outros…

Nota Final: 7.5/10

Coyote, de Lorenz Wunderle

MOTELX2018_Coyote

É raro ver animação e terror de mão dada, mas quando se criam obras dignas do género, vale a pena ver.

É o caso de Coyote por Lorenz Wunderle, sobre um animal que vê a sua família assassinada por lobos. Mas tomando um rumo mais surreal, este coiote é dada a oportunidade de se vingar.

Coyote é uma animação que tem tanto de colorida quanto de estranha, e ao ficarmos sensibilizados pelas suas motivações, só temos que apoiar este amigo na sua jornada que por fim explica porque os coiotes uivam na noite.

Nota Final: 8/10

Ricardo Du Toit

Fã irrepreensível de cinema de todos os géneros, mas sobretudo terror. Também adora queimar borracha em jogos de carros.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *