Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Mattéo Quarta Época (Agosto – Setembro de 1936)

A editora Ala dos Livros continua a apostar na obra de Jean-Pierre Gibrat, com o lançamento de Mattéo Quarta Época (Agosto – Setembro de 1936) neste mês de Julho.

Transportando as armas de que se tinham apoderado em Colliure, Mattéo e os seus companheiros chegam finalmente a Barcelona. Mas as armas, de fabrico italiano, acabam por levantar suspeitas entre os republicanos, causando a Amélie, Robert e Mattéo momentos de inquietação.

Com o mal-entendido ultrapassado, parece chegado o momento de se alistarem. Mas em que fileiras? Na dos socialistas? Na dos Anarquistas? Na dos Comunistas?

É aqui que as divergências entre Mattéo, anarquista, e Robert, comunista, começam comprometendo a sua amizade.

Quarto volume da série assinada por J. Pierre Gibrat, Mattéo – Quarta Época, narra-nos o destino singular de um homem que, da Guerra de 14 à Segunda Guerra Mundial, passando pela Revolução Russa, a Frente Popular e a Guerra de Espanha, atravessará as primeiras décadas do século XX, uma época marcada por conflitos tumultuosos…

Mattéo Quarta Época (Agosto – Setembro de 1936)
Argumento e Desenho: Jean-Pierre Gibrat
Ala dos Livros
64 páginas. Cores
Cartonado. 235 x 310 mm
Julho de 2021
PVP: 19,90 €
ISBN: 978-989-53039-3-9

Jean-Pierre Gibrat

Nasceu em Paris em Abril de 1954. Depois de ter estudado grafismo publicitário e artes plásticas, inicia-se na banda desenhada em 1977, desenhando várias histórias curtas para a revista Pilote, as quais, em 1980, seriam compiladas no álbum «Visions Futées» (que conta com argumento de Éric Simonet, Jackie Berroyer e J.P. Gibrat). Em 1978, edita «Le petit Goudard», uma série com argumento de Jackie Berroyer que mais tarde será compilada pela Dargaud em cinco álbuns. Paralelamente, Gibrat edita outros trabalhos em publicações como o «Le Nouvel Observateur», «L´Événement», «Science et Avenir» e as revistas infantis «Je Bouquine» e «Okapi». Para esta última, realiza «Médecins Sans Frontières», com argumento de Gui Vidal e Dominique Leguillier. A partir dos anos 90 a obra de Gibrat regista uma tendência mais adulta, incluindo-se nesta fase as obras «Pinocchia» (1995, com argumento de Francis Leroi) e «Maré Baixa» (1996, com argumento de Daniel Pecqueur).

Com a publicação de «Destino Adiado» (1997) e de «O Voo do Corvo» (2002), Jean-Pierre Gibrat passa a assinar o argumento das suas próprias histórias, o que volta a suceder na aclamada série Mattéo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *