Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Marjane Satrapi visita o norte do país, no FEST!

A autora iraniana de Persépolis, Marjane Satrapi, está de visita à cidade de Espinho pelo FEST, Festival Novos Realizadores, Novo Cinema.

[ad#artigo]

Está fechado o programa de indústria do FEST, Festival Novos Realizadores, Novo Cinema. A ter lugar entre 24 de Junho e 1 de Julho em Espinho o evento aposta, este ano, na criação de uma nova secção dedicada a pensar e debater o lugar da realização. De nome Director’s Hub, este novo espaço incluirá debates, mesas redondas e estudos de caso que olham as especificidades do cinema em Portugal e a sua inclusão no mundo.

Na secção formativa e de networking, Training Ground, o FEST confirma, este ano, a presença do realizador Ritesh Batra, cujo mais recente filme Photograph, estreado em Sundance. Com as actuações de Nawazuddin Siddiqui e Sanya Malhotra, o film relata a história de um fotógrafo de rua que, na tentativa de fugir a um casamento de encomenda, convence uma reclusa que mal conhece a fazer-se passar por sua noiva. O filme terá estreia comercial nos cinemas nacionais em Agosto.

Foi uma das primeiras confirmações para o festival, a vinda a Portugal de Marjane Satrapi. Icónica artista gráfica, cartoonista, ilustradora, autora de livros infantis e realizadora Iraniana, nomeada para um Óscar por “Persépolis”. Nasceu em 1969 no Irão, para daí se tornar numa das mais relevantes vozes a trabalhar sobre os pontos de contacto e cisão entre o Oriente e o Ocidente. Viveu, desde nova, entre a o Teerão mais livre (estudou no liceu francês e cresceu no seio de uma família europeia) e as capitais do velho Continente (foi forçada a emigrar para a Áustria na sequência da revolução iraniana).

Actualmente Marjane Satrapi vive em Paris com o marido Mattias Ripa, e encontra-se a trabalhar num filme biográfico de Marie Curie, Radioactive, que está previsto ser lançado em 2020.

Persépolis, é uma obra que ganhou alguns dos mais prestigiados prémios de banda desenhada, nomeadamente o prémio para autor-revelação e o prémio para melhor guião de Angoulême, e o prémio Eisner para melhor novela gráfica e melhor obra estrangeira. Este livro foi transformado num filme de animação em 2007, que estreou no Festival de Cannes e foi premiado com um Óscar.

Em 2007 Persépolis foi adaptado ao cinema e das muitas nomeações para prémios que teve destaca-se a do Óscar para melhor filme de animação.

O seu álbum “Frango com ameixas”, irá sair neste Verão em Portugal, na colecção Novelas Gráficas 2019, da Levoir. Certamente, a não perder!

[ad#adapt]

Argumentista premiado, Tony Grisoni tem vindo a trabalhar, de forma regular, com Terry Gilliam, desde a primeira colaboração, em 1998, com Fear and Loathing in Las Vegas até ao mais recente trabalho,The Man Who Killed Don Quixote. O filme estreado em 2018 na cerimónia de encerramento do Festival de Cannes, cumpriu o desejo antigo de ambos adaptarem para cinema a obra maior de Cervantes.

Manuel Alberto Claro é um diretor de fotografia chileno-dinamarquês e um nome indiscutível da indústria. Manuel Alberto Claro é conhecido pela sua colaboração de longo prazo com o realizador Lars Von Trier, e por ser cinematográfico de eleição do realizador. Tem trabalhado com Von Trier em quase todos os seus filmes desde o drama psicológico de2011, Melancholia a colaboração do par resiste até hoje, com Claro a ter trabalhado em Ninfomaníaca – Parte 1 (2013) e Ninfomaníaca – Parte 2 (2013) e, mais recentemente, em The House That Jack Built (2018). Os seus créditos na carreira incluem 10 prémios e mais de 30 nomeações, durante um período de onze anos.

O programa completo para o Training Ground e Director’s Hub do Fest pode ser consultado no site do evento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.