Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Jogos: Speed Limit – Análise

Speed Limit

Speed Limit chega a correr às principais consolas e ao PC mas, será que vai continuar a correr ou vai ser parado à força?

Tenho de admitir que este Speed Limit me deixou um pouco sem ter noção do que se passava. É um jogo rápido, sempre a abrir fogo, a correr, a tentar ultrapassar obstáculos e, principalmente, sempre a morrer. Sim, é um jogo em que vamos morrer muitas vezes e às vezes, mesmo que já tenhamos decorado aquela parte do nível isso vai acontecer novamente.

Speed Limit

Curiosamente, é um jogo sem história. Aliás, pelo menos eu não encontrei nenhum motivo para andarmos a ser perseguidos pelos nossos inimigos. Apenas vemos no início do jogo uma cena em que um homem cai em cima de nós e larga uma arma. A partir daí, começa a nossa corrida e disparo como se estivéssemos em Metal Slug. Sim, porque este jogo é uma verdadeira ode a tudo o que é jogo das árcades mais antigas, aquelas que encontrávamos nos cafés e nos salões de jogos preparadas a receber a nossa moedinha para jogarmos uma partida ou outra, quando os nossos pais assim o deixavam. E sabemos que é uma grande homenagem, quando, a dificuldade é tão grande como naqueles jogos, parecendo que os criadores e desenvolvedores também nos estão a tentar tirar a nossa rica moeda, só que desta vez, através da consola.

A curva de progressão deste jogo também é um pouco esquisita. Parece que não podemos habituarmo-nos muito aos controlos do jogo porque, a qualquer momento, podemos estar a mudar de estilo de jogo. Para terem uma noção, peço já desculpa aos mais puristas, por este micro-spoiler: a certa altura podemos estar a correr no tejadilho de um comboio enorme (quase similar aos nossos Alfa-Pendular) e a certa altura, quando pensamos que estamos uns craques naquilo, o jogo trocar as voltas e estamos a pilotar um carro ou uma mota enquanto continuamos uma secção. O mais incrível, no entanto, no meio disto tudo é mesmo o facto de estarmos a jogar sem cortes nenhuns. Sim, existem pequenas cenas que acabam por explicar porque agora estamos a conduzir aquele veículo, mas, ao mesmo tempo, não existe nenhum momento de carregamento de fase, nem nada. É realmente algo especial que os desenvolvedores conseguiram aqui. Também gostava, e aproveito agora, para referir que os gráficos em pixelart são fantásticos. Especialmente quando vamos alta velocidade, que podiam poupar um pouco nessa área, continuamos a ter visões soberbas e de aproveitar.

Speed Limit

Resta concluir que, Speed Limit é uma grande homenagem aos jogos de outrora, especialmente aqueles que nos deixavam ficar colados ao ecrã por ser tão difícil e complexo. Vai agradar aos da velha guarda por transmitir sensações antigas e aos da nova guarda por trazer um desafio diferente do habitual.

Nota Final: 8/10

Speed Limit chega a 18 de Fevereiro à PlayStation 4, Nintendo Switch, Xbox One, Xbox Series e PC

 

Desenvolvedor: Gamechuck

Editor: Chorus Worldwide Games

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *