Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Indiana Jones: curiosidades da saga

Com a chegada aos cinemas de Indiana Jones e o Marcador do Destino, a nova aventura do arqueólogo mais famoso da 7ª arte, está na hora de recuperar algumas das curiosidades dos filmes da saga. 

No verão de 1977, Steven Spielberg e George Lucas estavam de férias no Havaí. Lucas fugia do medo da sua estreia recente ser um enorme desastre (Star Wars) e Spielberg tinha concluído  as filmagens de Encontros Imediatos do Terceiro Grau. Para próximo filme, Steven Spielberg estava interessado num filme de James Bond, mas Lucas revelou ter algo melhor que as aventuras do Agente de Sua Majestade, e contou-lhe  a ideia sobre um arqueólogo de chicote que viajava pelo mundo. 

George Lucas tinha pensado em Philip Kaufman para realizar a primeira aventura cinematográfica do arqueólogo, e da conversa entre ambos nasceu a ideia de utilizar na história a Arca da Aliança. Mas Kaufman estava com a agenda ocupada, no entanto o seu contributo foi decisivo e mereceu o crédito de ‘Story By’.

Harrison Ford, Steven Spielberg e George Lucas

Era necessário realizador, e a Paramount não queria Spielberg sentado na cadeira da realização , já que Tubarão e Encontros Imediatos do Terceiro Grau excederam o orçamento, mas George Lucas recusava avançar com o filme sem o amigo. 
Para evitar nova derrapagem orçamental, Spielberg planeou as cenas principais com antecedência recorrendo a modelos em escala. Quando Os Salteadores da Arca Perdida custou menos que o previsto e resultou num grande sucesso, nunca mais duvidaram das suas capacidades.
A cena inicial nasce de uma ideia da infância de Steven Spielberg, em que o logotipo da montanha dissolve-se numa montanha verdadeira. O produtor Frank Marshall andou horas pelo Havai até encontrar o Monte Shubet.

Inspirando-se em Nevada Smith, um filme com Steve McQueen, e no nome do seu cão, Indiana, George Lucas baptizou a sua nova personagem: Indiana Smith. Spielberg disse que eles precisavam de um apelido diferente, Lucas sugeriu ‘Jones’ e Spielberg concordou.
Lucas tinha uma ideia muito concreta para a aparência de Indy, então contratou o artista  Jim Steranko para desenhar a sua visão. Inspirando-se na personagem de Humphrey Bogart em O Tesouro de Sierra Madre, Steranko deu vida a Indy com a sua arte.

Jim Steranko

George Lucas tinha trabalhado com Harrison Ford em Star Wars, e agora pretendia outro actor. Entre as sugestões para Indiana Jones surgiram nomes como Jack Nicholson, Michael Biehn, Don Johnson e David Hasselhoff. Spielberg e Lucas escolheram o homem que queriam: Tom Selleck. Mas, devido a conflitos de agenda, Selleck teve que desistir. Na internet encontra-se o teste de imagem de Tom Selleck como Indy e Sean Young como Marion. 



A ideia inicial de George Lucas e de Steven Spielberg era de fazer uma trilogia de Indiana Jones. Com o avançar dos anos, Spielberg disse que queria fazer um terceiro filme para cumprir a intenção e assim aproveitar para responder às críticas que recebeu pelo segundo filme ser mais sombrio.  Existem ainda relatos que, em 1979, a LucasFilm e a Paramount combinaram fazer 5 filmes.



As cobras
Nas filmagens d’ Os Salteadores da Arca Perdida, Steven Spielberg reclamou que o número de cobras presentes no cenário – entre 2 a 3 mil repteis – era escassas, e não conseguia compor o quadro desejado para famosa cena em que Indy enfrenta um dos seus medos, cobras! Assim sendo, Robert Watts e Frank Marshall tiveram de encomendar mais 7 mil cobras para que a cena funcionasse. E se o leitor já se questiona como se consegue cobras verdadeiras para filmar, saiba que a produção recorreu a animais oriundos da Escandinávia, da Alemanha, de França e da India, onde conseguiram especificamente as cobras mortais.
Na cena, Indiana Jones não foi mordido por nenhuma cobra. Contudo, a equipa de produção foi mordida inúmeras vezes, incluindo os 4 manipuladores dos animais e alguns actores. As cobras píton perseguiam tudo e todos e levaram alguns elementos a questionarem porque estavam a fazer aquele filme, incluindo o assistente de realização David Tomlin que foi mordido no pulso.
Para a cena em que Indy fica frente-a-frente com uma cobra mortal, foi utilizado um vidro para filmar a parte em que ela cospe veneno.



Em Indiana Jones e a Grande Cruzada foram utilizadas centenas de cobras de várias espécies, incluindo jiboias, para a cena do comboio. Entre as quais, cobras de borracha para onde River Phoenix poderia cair. As cobras deslizavam das caixas, forçando a equipa a procurar após as filmagens para as localizarem e devolver.


Os insectos e as aranhas
Spielberg queria que as tarântulas no corpo de Alfred Molina em Os Salteadores da Arca Perdida se mexessem. Mas, elas não respeitavam o realizador. Um consultor de animais no cenário disse que as aranhas eram todas machos mas se houvesse uma fêmea, aquilo ficaria selvagens. Spielberg ordenou para soltarem a aranha fêmea e, quando o fizeram, os machos enlouqueceram. Spielberg bem pedia a Molina para reagir ao medo porque só haveria aquela oportunidade, e o actor apenas respondia que não precisava de interpretar, porque já sentia o medo  naturalmente.


Para a cena de Indiana Jones e o Templo Perdido em que Indy e Willie rastejam numa sala coberta por insectos vivos, a produção juntou cerca de 30 mil besouros e 50 mil baratas!
Dado o reduzido tamanho dos insectos, Steven Spielberg calculou serem necessários cerca de mil insectos por metro quadrado. Filmar com insectos reais que não aceitam indicações da realização foi bem complexo, pois o calor da iluminação no cenário levava a que os pequenos animais procurassem as zonas mais escuras e frescas para se esconderem. Assim sendo, algumas cenas foram filmadas quando – literalmente – despejavam os insectos no local.
A equipa de apoio à direcção artística e adereços derramou diversos baldes de insectos na cabeça da actriz Kate Capshaw, que interpreta Willie Scott. Para conseguir lidar com a situação, a actriz recorreu a calmantes para controlar os nervos e a ansiedade.
Já os “cérebros de macaco ” foram feitos de creme e molho de framboesa.



Os ratos
Em Indiana Jones e a Última Cruzada, todos os ratos com os quais Indy e Elsa se cruzam enquanto procuram as catacumbas cheias de água de Veneza eram reais. Na verdade, a produção encomendou 2 mil ratos especialmente criados para dar vida à cena assustadora.
A encomenda dos roedores livres de doenças foi feita à mesma empresa que anteriormente forneceu cobras e outras criaturas e, em seguida, os ratos foram substituídos por versões mecânicas durante a cena do incêndio.



Muitos dos uniformes nazis usados ​​no filme eram reais e autênticos. Durante a pesquisa, o figurinista Anthony Powell estudou atentamente as fotografias históricas dos uniformes, acabando por “passar a pente fino” o continente europeu para encontrar o maior número possível de indumentárias reais.  A produção conseguiu localizar um esconderijo de uniformes antigos na Alemanha.

As lesões de Harrison Ford
Harrison Ford é conhecido por protagonizar muitas das acrobacias de Indiana Jones, com a consequência directa de muitas lesões durante as filmagens dos filmes da saga.
Em Os Salteadores da Arca Perdida lesionou-se nas costelas ao ser arrastado por um camião, e rasgou o ligamento cruzado anterior de um dos joelhos na cena em que luta com o gigante mecânico alemão. O actor acabou por magoar o joelho ao ser atropelado pelo trem de aterragem do avião.

Uma das cenas divertidas do primeiro filme da saga nasce da débil condição de saúde de Harrison Ford. No Cairo, ao enfrentar o espadachim Indiana Jones simplesmente dispara. A cena não estava escrita assim, seria uma complexa luta. Mas Harrison Ford estava tão doente nesse dia que não aguentava mais que 10 minutos fora do seu camarim. O actor enfrentava uma disenteria que lhe causou uma diarreia terrível e que não lhe permitia ficar longe da sanita.



Nas filmagens na Tunísia boa parte da equipa enfrentou disenteria, incluindo a equipa de duplos. Com os duplos doentes, quando foram filmar a cena em Indy rouba o avião para fugir do Poço das Almas, o produtor Frank Marshall teve de ser o piloto que Marion enfrenta. A doença dos duplos também pode ter tido origem na altíssima temperatura dentro da cabine do avião. Spielberg foi dos poucos que não teve problemas de saúde. 



Em Indiana Jones e o Templo Perdido ganhou uma hérnia discal aparentemente devido ao longo período que andou de elefante. A dor sentiu-se na filmagem da invasão ao quarto de Indy. Harrison Ford mal se conseguia levantar, e apesar das dores intensas ele insistia para que as filmagens acontecessem. A produção foi suspensa para Ford recuperar de uma cirurgia à coluna de emergência. Grande parte do trabalho de Ford nas lutas e perseguições em o Templo Perdido é na verdade realizado pelo duplo Vic Armstrong.
Kate Capshaw ficou com um olho negro nas filmagens da fuga do carrinho da mina. No dia seguinte, quando ela chegou ao trabalho, todos usavam uma mancha preta sob os olhos.

 

Indiana Jones

 Em Indiana Jones e a Grande Cruzada, o duplo Vic Armstrong insistiu com Harrison Ford para que o deixasse trabalhar. O actor queria protagonizar todas as cenas de acção.
Quando a bolsa de Indiana fica presa na arma do tanque e é arrastada ao longo da parede, foi Harrison Ford que filmou a cena. A equipa de produção apenas continuou a atirar com pás de terra e argila sobre ele.




Para Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal, Harrison Ford foi inflexível quanto a utilizar o famoso chicote. Os executivos da Paramount queriam que fosse gerado por computador por causa das novas regras de segurança do cinema, mas a Ford classificou a regra como “ridícula”.
Harrison Ford manteve-se em tão boa forma ao longo dos anos que as medidas de guarda-roupa para este filme não mudaram em relação às do filme anterior. O actor voltou a realizar muitas de suas próprias acrobacias, sentido que até melhorou o desempenho.
Ao filmar a cena em que Indy embate um camião contra uma parede, as coisas não aconteceram como previsto. Explosivos cronometrados foram usados, mas um não foi detonado e acabou por cair no assento ao lado de Harrison Ford, assustando o actor.

Indiana Jones e o Marcador do Destino

Para ficar em forma para o filme que agora chega aos cinemas, Harrison Ford começou um treino diário de cerca de 65 kms combinando caminhada com  bicicleta.
Em 2021, nas filmagens de Indiana Jones e o Marcador do Destino, Harrison Ford lesionou-se num dos ombros implicando uma pausa nas filmagens. A lesão no ombro aconteceu nos ensaios para uma cena de luta.
Harrison Ford celebra 81 anos a 13 de julho de 2023. E o Professor Jones acaba de celebrar 124 anos de idade, tendo nascido a 1 de julho de 1899.
Indiana Jones e o Marcador do Destino está em exibição nos cinemas. Conheça aqui mais detalhes sobre o filme

.


 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Verified by MonsterInsights