Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Fantasporto: a festa do cinema regressa em Abril

De volta ao Rivoli, depois da realização em 2021 de um grande Fantasporto no fantástico e icónico Hard Club mesmo em frente ao Douro, este ano e, por ainda o Batalha não ter terminado a sua recuperação, o Fantasporto volta à sua sede desde 1998, a sala de visitas da cultura na cidade, o Teatro Rivoli.

Filmes fantásticos como os japoneses “Baby Assassins”, um êxito de bilheteira no Japão, “Ms Lupin”, emergente da conhecida manga japonesa com o mesmo nome, e que evoca o famoso ladrão Arsène Lupin, “xxxHolic”, outra Antestreia Mundial que sai de outra da mais conhecidas mangas, com a participação de actores e actrizes da primeira linha do cinema asiático (ler aqui notícia sobre esta antestreia mundial) ou até “The Mole Song” do nosso conhecido Takashi Miike, vão entrar em confronto por exemplo com “Ox-Head Village”, filme em antestreia Mundial, saído do trabalho exímio do vencedor do Fantasporto de 2021, Takashi Shimizu.

xxxHolic

Grande ano também para a ficção científica, não fosse o futuro uma das maiores preocupações do momento, com a China a apresentar “Annular Eclipse “ e Taiwan, “2049: Hedgehog Effect”, ou até a Alemanha com um outro dos filmes mais esperados desta edição, uma sofisticada “The House”, ficção científica que apresenta uma reflexão sobre o poder e a tecnologia e mostra como o futuro não será necessariamente mais livre.

The Mole Song

Vai voltar a secção ANIMA-TE que nos traz cinema de animação de enorme qualidade. Filmes que colocam à vista desarmada a sua versatilidade em obras de grande fôlego de ficção científica como “Vortex, Dawn of the Sovereignty” do francês Michel Rousseau ou o chinês “Chicken of the Mound”. A ver também a nova animé japonesa “The Laws of the Universe – The Age of Elohim” de Isamu Imakake.

The Laws of the Universe – The Age of Elohim

Um dos grandes temas é também o aproveitamento mediático do espaço digital. Um dos melhores exemplos disso é “Follow Her” de Sylvia Caminer, dos Estados Unidos, um prodigioso trabalho de argumento e realização. Ou obras que reflectem outros grandes temas de hoje como a alienação social (o já refrido “Baby Assassins,” o húngaro “Soul Park”), a transformação da paisagem com o húngaro “Eviction” e o britânico “ Barbarians” onde brilha gente que passou por “Game of Thrones, ou ”Jacinto”, uma história de segregação que faz lembrar “Easy Rider”, um filme galego vencedor do Prémio do Público em Sitges. O cinema filipina continua a estar presente no Fantas com um potente drama social.

Jacinto

Há ainda incursões no fantástico mais clássico como o extraordinário “Sometimes in the Dark” de Carmine Cristallo Scalzi que chega da Itália, “Entombed “de Kjell Hammerø da Noruega, “The Unburied” da Argentina , “Night at the Eagle Inn” do americano Erik Bloomquist, “Alchemy of the spirit” de Steve Balderson, ou ainda “The Exorcism of God” do nosso conhecido e premiado Alejandro Hidalgo. Ou até um filme que, falando da Inquisição numa perspectiva histórica, como é “Duyster” dos belgas Thomas Vanbrabant e Jordi Ostir, é exemplo do horror que acompanha determinadas épocas do nosso passado.

Duyster

Também há lugar para grandes histórias de amor e humanidade, por exemplo, com o candidato coreano aos Oscares , “Escape from Mogadishuuma super-produção sobre os massacres na Somália, ou com o filme russo “Vladivostok”, uma história de paixão com argumento do premiadíssimo Karen Shaknazarov, ou ainda o drama das crianças casadas pela família no extraordinário filme “Saralish”, uma co-produção entre o Afeganistão e o Irão, uma estreia mundial que muito honra o Fantasporto como montra do cinema Mundial.

Amelinda

Chegando ao cinema português surge-nos a antestreia mundial da longa-metragem “Amelinda”, de Miguel Gomes, num registo cheio de imaginação cinéfila, e curtas-metragens que vão desde o cinema experimental ao fantástico e ao drama, competem pelo Prémio de Cinema Português.

José Mojica Marins, o eterno Zé do Caixão

No que respeita aos clássicos, destaque para a exibição de “A Praga” de Mojica Marins, um restauro feito recentemente da obra perdida e recuperada do mestre brasileiro do horror, que já foi homenageado no Fantasporto. Mas também para as comemorações dos 70 anos de “Singin’ in the Rain,” de Gene Kelly e Stanley Donnen e os 80 anos de “Casablanca”, dois marcos da História do Cinema, a ver em écran grande.

Casablanca

E para rematar, dois dos filmes-charneira das décadas de 70 e 80 de George Lucas o seu fabuloso “THX1138” que prefaz 50 anos da sua estreia e um dos filmes iónicos do Fantasporto, “Blade Runner” de Ridley Scott, que celebra 40 anos da sua produção.

Blade Runner – Perigo Iminente

A partir de 15 de março (a confirmar) pode adquirir os seus bilhetes na Bilheteira do Rivoli, BOL.pt e Lojas Aderentes. O bilhete normal tem o custo de 5€, e o preço aplica-se para qualquer sessão. Nas bilheteiras do Rivoli encontra em exclusivo o Bilhete Duplo (para a mesma sessão) com o custo de 8€. Bilhete Estudante a 3,50€. Tem ainda possibilidade adquirir a caderneta de 5 bilhetes por 15€, ou a caderneta de 12 bilhetes por 30€. 

As cadernetas existem em 2 modalidades de 5 ou 12 vales que deverão ser trocados nas bilheteiras do Rivoli durante todo o período do Festival por bilhetes para as sessões que desejar. Estas cadernetas têm número limitado. Podem ser usados em qualquer número numa mesma sessão. Os vales não utilizados não podem ser devolvidos. 

As cadernetas são entregues no secretariado do festival, no Rivoli, a partir das 14 horas de 1 de Abril e durante o horário de funcionamento de secretariado. É fundamental levar o recibo que recebeu, entretanto, para fazer o seu levantamento.

Para os fãs do Fantasporto, existe o Livre Trânsito para assistir a todo o festival por apenas 60€ (significa 1,50€ por sessão)!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.