Cinema: Crítica – Destroyer: Ajuste de Contas (2019)

 

Karyn Kusama é um nome ressoante por Hollywood. A realizadora foi considerada durante anos como alguém incapaz de fazer um bom filme que tivesse sucesso, com a adaptação live-action de Aeon Flux em 2006 ou o eterno sobvalorizado O Corpo de Jennifer, este último que tem recebido algum carinho tanto pelo público, como por alguns críticos, uma década depois. Foi só em 2015 que a sua abordagem no terror criou um filme de culto, com The Invitation, pondo-a novamente no mapa. Agora, regressa aos grandes ecrãs com um thriller noir em Destroyer: Ajuste de Contas.

DestroyerAjusteDeContas_01

Nicole Kidman é Erin Bell, uma detective de Los Angeles que investiga a morte de um homem, encontrando algo que lhe remete para um roubo dum banco há muitos anos, enquanto esteve sob-disfarce. Esta investigação leva Erin a procurar velhos conhecidos que poderão encontrar o verdadeiro assassino, arriscando a própria vida pelo seu passado.

Este género de thriller noir introduz-se como bastante genérico. Temos o crime, no qual a detective com um passado obscuro tem um problema por resolver. No entanto, as coisas revelam-se ser mais complicadas quando a pessoa que está a investigar é uma personagem defeituosa, que carrega um enorme fardo sobre os seus ombros e uma atitude desleixada e negligente perante a lei. O melhor disso é que Kidman encarna uma personagem com um espírito quebrado numa transformação única com o cabelo escangalhado e olhos pesados.

  Um sério caso de sucesso nos Cinemas

DestroyerAjusteDeContas_03

Tudo toma proporções pessoais e sérias quando investimos em conhecer o mundo destas personagens e como é que elas estão interligadas com a missão de Erin, algo que vamos acompanhando pelas várias cenas de flashback, onde conhecemos Chris (Sebastian Stan), alguém muito próximo dela que nos ajuda a compreender a narrativa.

Kusama cria uma relação hipnotizante com o espectador, com uma realização onde tudo parece ser delicado, numa cidade com muita beleza suja escondida, podendo fazer a comparação com a forma que Michael Mann mostrou Los Angeles em Heat – Cidade Sob Pressão, em 1995. Por consequência, a realizadora utiliza novamente o poder do suspense, deixando-nos constantemente atentos ao seguimento da narrativa, que passo a passo mostra uma realidade dura e fria que se sente na pele.

DestroyerAjusteDeContas_04

Destroyer: Ajuste de Contas põe-nos no lugar do passageiro enquanto o mundo cruel vai passando ao lado e as peças se juntam para uma conclusão que certamente irá deixar muitos de boca aberta. No fim, ficamos com duas coisas em mente: Nicole Kidman é brilhante e Karyn Kusama tem um lugar muito especial no cinema moderno.

  • Destroyer: Ajuste de Contas estreia a 31 de janeiro 2019 nos cinemas

Nota Final: 8/10

Ricardo du Toit

Ricardo Du Toit

Fã irrepreensível de cinema de todos os géneros, mas sobretudo terror. Também adora queimar borracha em jogos de carros.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *