Cinema: Crítica – Mulher que Segue à Frente (2018)

Catherine dirige-se para um local em guerra com a intenção de desenhar o rosto do Touro Sentando. Conhece a história verídica em Mulher que Segue à Frente, a 6 de setembro nos cinemas.

Mulher que Segue à Frente estreia a 6 setembro 2018Mulher que Segue à Frente foi lançado em 2017 no Festival Internacional de Cinema de Toronto onde foi selecionado para ser distribuído pela A24 e DirecTV. É baseado nos acontecimentos verídicos da vida de Caroline Wheldon (Catherine no filme) que decidiu viajar de Nova Iorque para Dakota com o intuito de desenhar o retrato do Touro Sentado. Catherine irá conviver com a população nativa e observar a guerra política existente entre estes e a população vizinha, forçando-a a tomar decisões que desafiam as normas sociais do seu tempo.

O filme apresenta-nos uma protagonista viúva, firme e independente, interpretada por Jessica Chastain (Interstellar, A Hora Negra, A Árvore da Vida) que se dirige sozinha para um local perigoso e desconhecido. Na sua chegada, as forças policiais locais referem-lhe que os índios não são seguros, chegando a cuspir-lhe na cara devido à sua adoração pelos índios, mas Catherine decide que irá concluir o seu objetivo e desenhar o rosto do chefe da aldeia. Porém, é proibida de o fazer pelo desprezível e arrogante guarda Silas (Sam Rockwell) e o presidente local, James (Ciarán Hinds), que curiosamente é casado com uma índia. Com a ajuda do índio Charka (Chaske Spencer), Catherine vai finalmente conhecer a aldeia dos índios e o seu chefe, Touro Sentado (Michael Greyeyes).

  IndieLisboa 2020 já tem nova data!

Mulher que Segue à Frente estreia a 6 setembro 2018

No seu decorrer, vamos observando o imenso contraste entre as tradições urbanas de Catherine e as dos índios, onde vamos compreendendo, em conjunto com a protagonista, as normais sociais locais, tais como nunca andar à frente de um chefe (irónico ao título do filme), nunca ordenar o chefe ou a importância dos cavalos. O que torna este choque de culturas cativante é o modo como o chefe aumenta a confiança em Catherine, uma figura feminina da época de 1890, e a deixa interferir nestas pequenas tradições, trazendo-nos uma protagonista bastante segura e pronta a desafiar qualquer Homem.

Aliados a esta narrativa agradável, temos uma fotografia recheada de uma paisagem lindíssima e brilhante música nativa. O filme consegue produzir cenas emocionantes e por vezes românticas, mas também extremamente violentas que demonstram o modo como as figuras femininas eram vistas na época.

Mulher que Segue à Frente estreia a 6 setembro 2018

Por fim, o seu único problema é a sensação de que finaliza demasiado rápido e não nos dá tempo para absorver o terceiro ato. A premissa, atores e detalhes técnicos mencionados são efetivamente bons, mas a lentidão da primeira metade não se mistura bem com a conclusão. No entanto, os fãs do género irão certamente ficar satisfeitos, dando-lhes a conhecer a história verídica desta mulher e índios.

  • Mulher que Segue à Frente estreia a 6 setembro 2018 nos cinemas

6/10

Tiago Ferreira

Tiago Ferreira

Estudante de Cinema e Teatro, Crítico de Cinema, Fotógrafo novato e Cosplayer.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *