Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Cinema: Crítica – Golpe Final (2018)

Continuam a ser muitos os filmes de acção que exploram continuamente todos os elementos clássicos do género, com tiros, explosões e one-liners, tal como eram os anos ’80 e ’90.

Golpe Final é um desses, mas não é mais um no meio de muitos.

GolpeFinal_02

Quando Michael Knox (Dave Bautista), um ex-soldado visita a família do seu falecido amigo militar, este leva a filha dele para o último jogo a decorrer no Boleyn Ground, o famoso estádio britânico do West Ham United. As coisas dão uma reviravolta quando se vê numa missão para proteger os 35,000 fãs a frequentar o evento, pois existem terroristas em busca dum homem que presumiam como morto.

[ad#artigo]

Primeiro, é importante referir que este filme existe porque o estádio estava previsto ser demolido e o realizador, Scott Mann, viu uma oportunidade incrível para aproveitar a deixa e incluir cenas alucinantes.

Dito isto, todas as comparações com com o clássico Assalto ao Aranha-Céus, com Bruce Willis, são completamente válidas, mas não que isso lhe impeça de brilhar com todas as suas cenas de acção irreverente e as suas personagens bi-dimensionais.

GolpeFinal_01

Apesar de tudo, o grande destaque vai para Bautista, que entre as suas aparições em filmes de orçamentos em ambos lados do espectro, vai conseguindo deixar para trás a ideia de wrestler-tornado-actor, tal como The Rock tem feito há quase década de meia. Da mesma forma que os veterano Ray Stevenson e Pierce Brosnan já sabem bem aquilo em que estão envolvidos, naturalmente representando com toda a fidelidade as personagens-tipo que vestem a pele.

Atrás estão uns tantos outros ditos capangas estereotipados até mais não, sem esquecer um homem maior que Bautista e tatuado dos pés à cabeça, que claro, envolvem-se numa luta mano-a-mano, desta vez numa cozinha, onde o uso de utensílios é bastante criativo.

GolpeFinal_03

São várias as cenas de acção, todas elas bastante entusiasmantes, enquanto vibramos com um jogo de futebol a decorrer como pano de fundo, onde acabamos por poder simplesmente apreciar todos os aspectos deste Golpe Final. Sejam os tiroteios, as teias da conspiração ou os diálogos à macho, há aqui um pouco de tudo para que possa ser apreciado, incluído uma fabulosa cena de mota! E explosões, muitas explosões.

No fim, só há um grande vencedor no meio disto tudo e é o Boleyn Ground, que terminou a sua vida antes de ser demolido e que agora o terreno irá dar lugar a um condomínio fechado…

  • Golpe Final estreia a 20 setembro 2018 nos cinemas.

Nota Final: 7/10

Ricardo Du Toit

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *