O Dia Mais Curto

Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Cinema: Crítica – Ela Disse (2022)

O mundo mudou quando em 2017 o jornal New York Times publicou um artigo altamente detalhado sobre as alegações de conduta sexual de Harvey Weinstein em Hollywood. As celebradas jornalistas Jodi Kantor e Megan Twohey publicaram mais tarde o livro que detalha a sua investigação no caso, agora adaptada para cinema em Ela Disse, num filme realizado por Maria Schrader.

Acompanhando a vida das duas jornalistas em busca da verdade, o filme aborda de forma sucinta e cativante toda a história por detrás das mulheres que derrubaram um dos gigantes da industria do cinema. Este é um processo apresentado como uma abordagem natural no jornalismo de grande calibre, onde a noção das consequências da investigação obriga a fazer a devida diligência e obterem o máximo número de provas concertas daquilo que aconteceu nas últimas décadas, com uma multitude de pessoas.

Considerando a sua duração de pouco mais de duas horas, Ela Disse é um filme muito focado no aspecto jornalístico e nas pessoas que estão por detrás do artigo, deixando muito pouco espaço e tempo para qualquer tipo de dramatização. Afinal, há tanto a acontecer com tantas pessoas diferentes, cada uma contribuindo cada vez mais para a construção de um caso que tem repercussões numa das pessoas mais reconhecidas em Hollywood. O facto dela ser a pessoa horrível que hoje sabemos que é, torna o filme num visionamento que nos dá gozo em ver, como o seu castelo de cartas simplesmente caiu, pela mão de duas incríveis mulheres.

Com algo sempre a vir ao de cima, o filme faz tudo para que nós o espectador sintamos que fazemos parte deste processo, ao mesmo tempo que se recusa a ser uma recriação banal que poderia ser um documentário. Tanto a realização de Schrader, que mantém em bom tom a abordagem indie do filme, como as actuações de Carey Mulligan e Zoe Kazan, como Twohey e Kantor, respectivamente, fazem com que estejamos sempre cativados a ver o que acontece a seguir. Mesmo para quem acompanhou tudo na altura da publicação do artigo em 2017, tem aqui um filme perfeitamente capaz de oferecer toda uma outra perspectiva do que aconteceu.

Em alguns momentos, Ela Disse é um filme difícil de assimilar. Tentar compreender como se deixou passar tanto tempo com este monstro à solta, é algo que a obra também não deixa impune, criticando justamente o sistema que o protegeu e permitiu as acções asquerosas do mesmo. Isto faz com que absolutamente nada escape ao contar em tão pouco tempo o incrível trabalho de cinco meses, que prosseguiu na criação de um dos movimentos mais importantes da nossa geração.

Nota Final: 8/10

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *