Cinema: Crítica – Ghostland – A Casa do Terror (2018)

Uma família é brutalmente atacada na chegada à sua nova casa. Será Ghostland – A Casa do Terror uma boa aposta para este mês de Halloween? Estreia dia 27 de setembro nos cinemas.

Ghostland – A Casa do Terror (Incident in a Ghostland), realizado por Pascal Laugier, apresenta a clássica história de terror. Uma família constituída pela mãe, Collen, e as suas duas filhas, Beth (Emilia Jones) e Vera (Taylor Hickson), herdam a casa de uma tia numa pequena vila, precisamente no local onde existem relatos de assassinos à solta que matam os parentes e prendem os mais novos. O que se segue é o esperado, a família é atacada por estes assassinos e a mãe e as filhas têm de lutar pela sobrevivência.

Anos mais tarde, as personalidades previamente demonstradas das jovens evolui, a mais velha, Beth (Crystal Reed), inspirada pelo célebre Lovecraft, torna-se numa famosa autora de livros de terror em Los Angeles enquanto que a mais nova, Vera (Anastasia Phillips), continua a viver na mesma casa e a enlouquecer progressivamente. Dezasseis anos após a tragédia, mãe e filhas voltam-se a reunir e estranhos acontecimentos começam a ocorrer.

Ghostland – A Casa do Terror é um filme que apesar de demonstrar fortes influências de clássicos de terror, como Halloween ou Anabelle, consegue desenvolver a sua própria história. O ambiente sinistro e misterioso torna o enredo emocionante, seja pelo uso de uma iluminação cuidada e sombria ou a decoração recheada de espelhos e bonecas que as tias das personagens tanto adorava. O olhar destes objetos auxilia no fator assustador do filme, mas torna-se quase como uma metáfora ao trabalho profissional da protagonista como autora. De modo a criar um bom livro é necessária uma enorme atenção aos detalhes, uma espécie de visão pormenorizada pelas palavras, tal como as bonecas fazem perante estas personagens.

  Scooby Doo regressa no próximo ano

No entanto, esta analogia não foi ponderada casualmente, pois o filme está em constante colisão com a realidade. Será que a história principal que observamos sucedeu verdadeiramente? Será isto tudo uma história do livro da protagonista Beth? Será que o terceiro ato teve outra conclusão para além da observada? As interpretações são infinitas devido à última frase proclamada por Beth – “Sou uma escritora”. Teria sido melhor se o filme tivesse seguidos rumos diferentes em certos momentos em que nos aprisionamos às personagens e atores que vão transitando entre jovem e adulto.

Por fim, o nível de terror do filme aproxima-se do género slasher, contendo cenas brutalmente violentas e horrendas realizadas pelos dois cruéis e desprezíveis assassinos. Ghostland – A Casa do Terror não é completamente inovador, mas é efetivamente uma boa entrada no mês de Halloween.

  • Ghostland – A Casa do Terror estreia a 27 setembro 2018 nos cinemas

6/10

Tiago Ferreira

Tiago Ferreira

Estudante de Cinema e Teatro, Crítico de Cinema, Fotógrafo novato e Cosplayer.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *