BD: Lançamento – Super-Homem e Batman: A Rapariga de Krypton (Colecção Super-Heróis DC Comics)

Nesta Quinta-feira – 21 de Novembro de 2013 – sai o vigésimo e último volume da Série I da colecção Super-Heróis DC Comics, com o jornal Público. O Central Comics apresenta aqui a sinopse e as primeiras 6 páginas, capa e contra-capa.[fbshare]

O Super-Homem é o Último Filho de Krypton, mas quando aparece uma misteriosa rapariga com superpoderes a falar a língua do seu planeta morto, essa alcunha é subitamente posta em causa. A rapariga afirma ser Kara Zor-El, prima do Super-Homem, mas esta reunião de família deixa Batman desconfiado, e lançará o Homem de Aço e o Cavaleiro das Trevas numa aventura inesperada e espectacular.

Capa e contra-capa
(clica nas imagens para ampliar)

A RAPARIGA DE KRYPTON capa

Nesta história ilustrada pelo célebre Michael Turner, Jeph Loeb continua o seu tremendamente bem-sucedido trajecto como argumentista ao leme de Super-Homem/Batman, a série que juntou os dois nomes maiores do panteão dos super-heróis e que reintroduziu no Universo DC uma das suas personagens mais queridas.

As primeiras 6 páginas
(clica nas imagens para ampliar)

A RAPARIGA DE KRYPTON Página 1 A RAPARIGA DE KRYPTON Página 2 e 3 A RAPARIGA DE KRYPTON Página 3 A RAPARIGA DE KRYPTON Página 5 A RAPARIGA DE KRYPTON Página 6

Super-Homem: Legião dos Super-Heróis
Colecção Super-Heróis DC Comics vol. 20

cor, capa dura
Levoir/Público
PVP: 8.90€ + Público
Nas bancas a partir de 21 de Novembro 2013

Superman/Batman # 8 a 13 e 19
Jeff Loeb e Michael Turner

  'O Pacto da Letargia', marca o regresso de Miguelanxo Prado!

Hugo Jesus

Co-criador e administrador do Central Comics desde 2001. É também legendador e paginador de banda desenhada, e ocasionalmente argumentista.

You may also like...

5 Responses

  1. banzé diz:

    Eu acho a palavra “rapariga”, algo grosseiro, e talvez vocês achem a palavra “moça” ruim também.

  2. Reignfire diz:

    Em Portugal “rapariga” é um termo comum para designar qualquer pessoa do género feminino jovem. Enquanto português não considero o título grosseiro, porém acho que não soa bem. Eu acho que um título mais bonito seria “A menina que veio de Kripton”.

  3. Rui Pereira diz:

    Se fosse “A menina que veio de Kripton” ia parecer que ela tinha para aí 9 anos…

  4. Diogo Campos diz:

    Banzé, em Portugal rapariga não tem a conotação que tem no Brasil. O livro é para consumo português por isso quando escolheram o título, não se preocuparam com duplos sentidos brasileiros.

    “Se fosse “A menina que veio de Kripton” ia parecer que ela tinha para aí 9 anos…”

    Isso ou iria parecer uma “menina” (de rua entenda-se).

  5. Manuel diz:

    Tanta confusão com uma tradução bem feita coisa rara.Os Corpos/força aceleratix ou coisa parecida etc e outras traduçoes toscas varrem para debaixo do tapete e assobiam para o lado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *