Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Análises: Moto Roader MC, Agent Intercept e Slipstream

Hoje trazemos 3 breves análises a jogos com automóveis, mas todos bem distintos uns dos outros: Moto Roader MC, Agent Intercept e Slipstream.

Moto Roader MC

Moto Roader MC nasceu há 30 anos para o PC e agora está de volta para animar as consolas actuais: PlayStation 4, PlayStation 5, Microsoft Xbox One e Xbox Series X/S, e Nintendo Switch.

Era fã deste tipo de jogos aquando do meu tempo de Spectrum, como por exemplo os clássicos 3D Stock Cars ou Grand Prix Simulator, por isso estava com curiosidade em saber como era voltar a pegar num jogo deste estilo. Não conhecendo o jogo original e vendo apenas o trailer de apresentação, estava certo que as diferenças – tirando o facto que podemos disparar misseis e largar minas – não seriam muitas para com os jogos que referi e estava com vontade de me voltar a divertir.
Mas já se passaram 30 anos e isso sente-se. O jogo é idêntico ao que saiu na época tirando as opções técnicas neste tipo de emulações como escolher o tamanho do ecrã, ou poder recuar no tempo, entre outras .

São 25 as pistas divididas em 5 ambientes (campeonatos) diferentes que podemos escolher. Ou então optar para que seja um campeonato de pistas aleatórias, ou ainda 3 pré-selecções de pistas. E há 3 formas de jogar: Race, Time Attack e Omake, esta última numa arena onde temos de levar uma gigante bola de futebol à baliza do adversário. Sim, uma versão arcaica de Rocket League.

No entanto acho o jogo demasiado rápido e por isso de difícil controlo. Em cima disso temos o facto de os tiros para a frente, minas para trás, explosões, e ainda a poeira que o carro larga de x em x metros, causarem muita poluição visual para os nossos olhos. É com frequência que perdia a noção onde estava o meu veículo, e para que lado estava ele virado, porque sempre que levamos com um disparo, a viatura faz uns peões e muda de direcção.

Dá até 4 jogadores em simultâneo localmente, (5 na Switch), e issoque pode tornar o jogo mais interessante. Transformar um jogo de corridas em um “party game”, e passar uns bons momentos com os amigos. Pois jogar sozinho e jogar tudo o que há para jogar (e é rápido) nada mais há a fazer se não desinstalar o jogo e passar para o próximo. Mas é um jogo de 5,99€, o que queria mais?

6/10

Agent Intercept

Em Agent Intercept, estamos ao volante de um potente carro (que se pode transformar em barco ou jetski), para completar uma série de missões de forma a que os planos maquiavélicos do nosso vilão de serviço.

O jogo é uma adaptação para as consolas de um jogo mobile que acaba por ser bastante semelhante, e porquê? Trata-se de um jogo arcade de corrida onde termos de percorrer um certo percurso, fazer a missão, e avançar para a próxima. No entanto o nosso carro, não está mesmo de trás, mas meio de lado, e não temos acelerador nem travão, apenas um nitro, as direcções (esquerda e direita), e o disparo. Para um jogo mobile tem de ser assim, o mais simples possível, pois não temos um comando com botões e temos de fazer tudo no visor. Ora as consolas têm características que nos dão muito mais opções. Ora nesse aspecto podiam já colocar visto completamente de trás, e com acelerador e travão. Esses detalhes tornariam o jogo muito, mas muito mais interessante para se jogar numa consolada do que ele já é.

Ainda assim Agent Intercept, é um jogo repleto de acção, com bons graficos dentro do género cartoon, excelente banda sonora e um óptimo elenco de vozes. 

Ainda não cheguei ao fim da campanha, mas passar as missões parece ser relativamente fácil. No entanto completar com todas as 5 mini-missões feitas já parece mais difícil, e é aí que o jogo vai ganhar mais alguma longevidade.

Já está disponível para Nintendo Switch, PlayStation 5, Xbox Series X|S, PlayStation 4, e Xbox One por €19.99. 
 
7/10
 

Slipstream

 
Slipstream chegou a 7 de Abril para as Xbox, PlayStation 4|5 e Nintendo Switch. O jogo, apesar de simples, demorou 4 anos a ser produzido porque teve apenas um desenvolvedor (o brasileiro, Sandro Luiz de Paula). E não é nada mais nada menos, que um grande tributo aos jogos de corrida dos anos 80 e 90, onde o clássico Out Run é uma óbvia inspiração.
 
Para dar este ar retro, foi usado um motor de jogo criado de raiz, que recria as técnicas gráficas de sprite scaling usadas nos jogos de corrida de então, mas acaba por se aproveitar das capacidades das consolas actuais para dar algo mais ao jogados, como a experiência de poder jogar a 60 frames por segundo, e com vibrações no comando.
 
Temos então um jogo de corridas totalmente arcade, com 20 pistas para percorrer (mas que depois temos a hipótese de correr ao contrário), 6 modos de jogo, 5 carros diferentes e outras opções personalizáveis. Por isso há muita variedade para te satisfazer, num jogo de apenas 8,90€.
 
O jogo é muito divertido, óptimo para umas rápidas partidas, sozinho ou com até mais 3 amigos localmente em ecrã dividido. A velocidade e jogabilidade são incríveis, se fores um saudosista das antigas arcadas de jogos de corrida, este é um jogo que não poderás deixar de experimentar. 
 
A banda sonora é inspirada em synth pop e jazz fusion e é uma mais valia para o jogo. E como também no já referido Out Run, podemos escolher previamente qual a música que queremos ouvir durante a partida (de 9 à escolha).
 
7.5/10
 
Todos os jogos foram testados numa Playstation 4.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.