‘O Pacto da Letargia’, marca o regresso de Miguelanxo Prado!

O autor galego, Miguelanxo Prado, está de regresso com o novo álbum de BD, ‘O Pacto da Letargia’, cujo lançamento em Portugal sai simultaneamente com a edição Francesa.

Um jovem assistente universitário encontra por acaso algumas notas de um professor aposentado que parecem remeter para uma antiga ordem de anjos e demónios e para um tríscelo envolto em mistério.
É este o ponto de partida para que Miguelanxo Prado construa uma história que nos faz questionar o frágil equilíbrio entre o homem e a natureza: uma fragilidade exagerada para o insaciável apetite da humanidade pelo poder e pela auto-satisfação.
Uma viagem por um mundo de mistério e magia, enquanto antigos poderes ocultos procuram recuperar a harmonia na Terra. Mas, como em todos os equilíbrios de forças, existem factores que os podem alterar – especialmente quando a própria humanidade é vista como uma ameaça.
Através da sua reconhecida e premiada arte, Miguelanxo Prado apresenta-nos uma visão própria da natureza do ser humano e do seu impacto sobre o nosso planeta.

O PACTO DA LETARGIA
Argumento e Desenho: Miguelanxo Prado
Ala dos Livros
104 páginas. Cor
Cartonado. 235 x 310 mm
Janeiro de 2020.
ISBN: 978-989-54171-8-6
PVP: 24,90 Euros
Compra Aqui com 10% Desconto

 

Miguelanxo Prado, nasceu em La Coruña (Espanha), em 1958. Enquanto estudante de arquitectura, publicou o seu primeiro trabalho de banda desenhada no fanzine ‘Xofre’. Colaborou na década de 80 com diversas publicações e revistas espanholas como ‘Creepy’, ‘Comix Internacional’, ‘Zona 84’, ‘El Jueves’, ‘Cairo’ e ‘Cimoc’. Estes trabalhos viriam posteriormente a ser compilados em álbum.
Tendo por base um herói radiofónico, constrói com Fernando Luna o detective privado Manuel Montano. Publicada pela primeira vez na revista Cairo, e posteriormente em álbum com o título “O Manancial da Noite”, seria com esta comédia policial que Prado viria a obter o seu primeiro ‘Alph’Art para Melhor Álbum Estrangeiro’ no Festival Internacional de Angoulême, em 1991. Mas foi com “Traço de Giz” (1992), uma experiência de uma realidade impossível, com narrativa intimista e coloração magnífica, que Prado alcançou o maior reconhecimento pelo seu trabalho, obtendo um segundo ‘Alph’Art’ (1994) e inúmeros prémios a nível internacional.
Das suas inúmeras obras, espalhadas entre outras, pela ilustração, pintura ou cinema de animação, destacamos “Carta de Lisboa” (obra de 1995, que em Portugal conheceu 3 versões bilingues), a qual resulta de uma viagem a Portugal com o escritor Éric Sarner, a adaptação a BD de “Pedro e o Lobo” de Prokofiev (1996), ou, em 1996, a ilustração do livro “A Lei do Amor” de Laura Esquível. Refira-se ainda, em 1998, uma participação na série animada ‘Men in Black’, para a qual desenhou os personagens.
Em 2003, colaborou com Neil Gaiman em “The Sandman: Endless Nights – Dream: The Heart of a Star”. O seu filme de animação ‘De Profundis’, no qual trabalhou durante quatro anos, estreou em 2007 e foi seleccionado para os prémios Goya.
Prado é desde 1998 director do Salão de BD “Viñetas desde el Atlântico” (A Coruña) e em 2009, ingressa na Real Academia Galega de Belas Artes.
A sua novela gráfica ‘Ardalén’, publicada em 2012, volta a granjear-lhe vários prémios. Ardalén é, até à data, a sua obra mais extensa e, segundo o próprio, “é uma história sobre a memória pessoal. A memória como essência da nossa existência, da percepção da nossa própria vida.”

  Gideon Falls vol. 3: Via Sacra

Hugo Jesus

Co-criador e administrador do Central Comics desde 2001. É também legendador e paginador de banda desenhada, e ocasionalmente argumentista.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!