Curtas de Vila do Conde

Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

O Incontornável Regresso de Alien

Lançado o primeiro filme «Alien» no ano de 1979 e que ficaria conhecido entre o público português como «Alien, o Oitavo Passageiro» é difícil ignorar o impacto de uma das realizações mais marcantes da história do cinema.

Esta visão singular e fantástica, que combina com elegância e o melhor sentido de mistério e suspense proporcionados pela aliança do Terror e a Ficção Científica, muito se deve à criatividade de Dan O’Bannon (1946 – 2009), que então se havia baseado numa história que teria escrito juntamente com Ronald Shusett.

O realizador

Ridley Scott
© Mike Marsland—WireImage/Getty Images

Foi Ridley Scott quem dirigiu o filme que se tornaria uma obra de culto, mas nada é tão distinto quanto foi a elaborada arte de Hans Ruedi Giger (1940 – 2014), um artista surrealista que desenhou a criatura alienígena de aparência monstruosa, baseada nos seus conceitos «biomecânicos» e de cabeça alongada que muitos ficaram simplesmente a conhecer por «Xenomorfo» ou, de uma forma geral, «Alien.»

Alien – O 8º Passageiro

 Alien - O 8º Passageiro

O filme Alien é dotado de um teor sinistro, tenebroso, desconfortável e angustiante, nada utópico, inspirado nos conceitos do Cosmicismo estabelecido pela mente criativa do escritor H. P. Lovecraft (1890 – 1937), apostando na insignificância da vida humana num Universo habitado por seres estranhos, potencialmente predatórios ou motivados por algo que está para além da sua compreensão.

Necronom
Arte de Hans Ruedi Giger

Em suma, explora o medo do Ser Humano pelo Desconhecido. Essa ideia está patente na própria arte de Giger, retendo os detalhes da sua criatura (e outros tantos que serviram para o filme) num ser estranho com a sua cabeça de aparência fálica nas ilustrações da sua própria visão do Necronomicon, o grimório imaginado por Lovecraft descrito em vários dos seus contos.

Mais do que apenas ficção científica

Alien - O 8º Passageiro
@20th century studios

Alien demarcou-se em absoluto de outros grandes filmes de ficção científica lançados anteriormente como 2001: Odisseia no Espaço (1968) baseado no livro de Arthur C. Clarke, Star Wars (1977) de George Lucas e Encontros Imediatos de Terceiro Grau (1977) da autoria de Steven Spielberg, rompendo com as visões mais utópicas das jornadas espaciais ou no encontro com alienígenas, repisando com outra intensidade o tema dos perigos provindos das profundezas do espaço outrora composto por H.G. Wells (1866 – 1946) através do seu clássico romance Guerra dos Mundos (1897) evocando a existência de algo extremamente agressivo que é um assassino muito eficiente através de um slogan que acompanhou desde o início o primeiro trailer do filme: No Espaço Ninguém consegue Ouvir-te Gritar («In Space No One Can Hear You Scream.»)

O enredo

Alien - O 8º Passageiro
@20th century studios

A história de Alien decorre em grande parte numa nave espacial, a Nostromo, com apenas sete tripulantes, que interrompe o seu percurso após receber uma transmissão de pedido de socorro (ou alerta?) de origem desconhecida num planeta inexplorado identificado como LV-426.

Após aterrarem nesse planeta, a equipa de exploração depara-se com uma gigantesca nave alienígena abandonada (naturalmente desenhada por Giger), onde não só encontram o que parece ser um enorme ser gigante fossilizado com sinais de ter sofrido uma morte violenta (o Space Jockey) como uma câmara com um conjunto de ovos intactos.

A surpresa maior ocorre quanto eclode de um desses ovos uma criatura que se agarra ao rosto de um dos tripulantes e a equipa decide fugir para regressar à sua nave, quebrando todos os protocolos de segurança e exigência de quarentena, desafiando a vontade da subtenente Ripley, interpretada pela atriz Sigourney Weaver. Esse erro conduzirá a um trágico conjunto de eventos fatais com os quais a equipa não está preparada para lidar.

É a partir do momento em que todos se julgam em segurança, longe de LV-426, que assistimos ao controverso e bizarro nascimento do ser que rasga abruptamente o peito do tripulante que teve uma outra criatura agarrada ao seu rosto, apanhando os restantes membros da equipa desprevenidos, e que esta foge através dos corredores da nave.

Após este evento traumático, desconcertante, a ação principal de Alien foca-se no jogo do gato e do rato (a presença do gato Jones, mascote da tripulação, serve em parte de alegoria a este jogo) cujas regras acabam por ser invertidas por um ser que cresce e se desenvolve muito rapidamente e começa a matar impiedosamente todos os tripulantes.

Ellen Ripley

Ellen Ripley
Tenente Ellen Ripley (Sigourney Weaver) e Newt (Rebecca Jordan) @20th century studios

Ripley é a principal antagonista do alienígena que acaba por ser descrita como «a máquina perfeita de matar» numa curiosa variação da história da Bela e do Monstro, procurando jogar todas as suas hipóteses, escassas, para se tentar ver livre do ser que conduz todos a um estado de pânico e sobreviver.

Esta personagem tornou-se tão icónica quanto a criatura a ponto de ser desafiante imaginar um filme de Alien sem a sua presença, que se tornará assídua noutros filmes que lhe procuram dar continuidade, sobretudo no notável filme realizado por James Cameron, «Aliens» (1986) mais conhecido em Portugal por Aliens: O Reencontro Final, opondo uma equipa de militares não contra um mas antes contra um elevado número de seres que conduz ao colapso de uma colónia estabelecida precisamente em LV-426.

O sucesso

aliens
@20th century studios

Todo o sucesso de Alien obedece à premissa do confronto com um ser que evoca o desconcertante elemento irracional que serve de alegoria aos nossos maiores medos, isto é, o monstro, a mesma entidade não-humana (mas com alguns traços de semelhança) que detém a capacidade de se esconder ou tirar partido de um território profundo e inexplorado, fazendo eco do mito da luta no Labirinto entre Teseu e o Minotauro.

É a força do mito que alimenta a consistência e a apreciação por este embate que se torna clássico e eleva o suspense quando o Labirinto, símbolo eterno do território desconhecido, nos sujeita à desorientação espacial e descreve a sensação de que a fuga é quase impossível. Os corredores estreitos e escuros da nave Nostromo e o extenso complexo da Colónia de LV-426 repisam o tema do labirinto, ainda que de forma inconsciente.

Curiosamente, é uma mulher que se torna a verdadeira heroína, fundindo os traços de Teseu e Ariadne, a sua guia, dotada de um instinto notável para enfrentar a criatura e sobreviver. Ripley tornou-se a mulher de ação mais apreciada da história do cinema e é difícil encontrar quem a substitua. É uma heroína mais credível e o género feminino enquadra-se com elegância no papel de opositora do monstro – talvez porque, tal como o Minotauro, o Xenomorfo é gerado através de uma forma que não nos é natural, os detalhes da sua natureza aproximam-se de uma hibridez grotesca e represente o lado mais violento e destrutivo do homem (para todos os efeitos, a sua cabeça continua a parecer um falo…)

O que aí vem?

Alien obedece estruturalmente a um mito e é por isso que se tornou um clássico da ficção científica, revelando-se incontornável a ponto de serem muitos os autores que se sentem tentados a pegar no mesmo tema, estendendo-se a sua presença no mundo da Banda Desenhada, a ponto de ter feito vários crossovers com personagens nossas conhecidas além do Predador (que deu origem a dois filmes não tão apreciados) como Super-Homem, Batman, Juiz Dredd, Vampirella e outros.

ALIENS VS. AVENGERS (2024) #1
ALIENS VS. AVENGERS (@marvel)

A editora Marvel também irá opor o grupo dos Vingadores ao monstro provindo do espaço (num universo que aparentemente serviram de inspiração às criaturas alienígenas da Ninhada) através da série Aliens VS Avengers com o primeiro número pronto a sair no mês de Julho deste ano. Esta decisão não é fruto do acaso, tanto mais que após a última realização cinematográfica que é sucessora de Prometheus (2012) e revela as origens da criatura que conhecemos pela primeira vez em 1979, o intrigante Alien: Covenant (2017) da autoria de Ridley Scott, está para sair mais um filme relacionado com a saga: Alien: Romulus realizado por Fede Alvarez com data de lançamento prevista para Agosto de 2024.

Alien: Romulus
Alien: Romulus. @20th century studios

E, como não há duas sem três, está previsto também para meados de 2025 o lançamento de uma nova série Alien produzida por Noah Hawley.

Podemos reafirmar que um mito jamais desaparece

Alien está longe de morrer por mais vezes que seja liquidado em confrontos de todo o género e continuará a fazer aparições ao longo dos próximos anos, seja através do cinema, na televisão, na banda desenhada, em livros e em videojogos. A questão que a exploração dessa criatura nos coloca é se alguma vez voltará a ter o mesmo impacto quanto teve a primeira história que hoje nos leva a encarar o filme de 1979 como um dos melhores, senão até mesmo o melhor, da ficção científica.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Verified by MonsterInsights