Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Jogos: Análise – Wartales (early access)

Wartales é o novo RPG lançado este mês pela Shiro Games (empresa que criou o Northgard) e, embora esteja ainda em Early Access, promete ser um dos melhores RPG de 2022, ano em que a empresa espera lançar a versão final.

O jogo é um RPG tático, com um modo de combate por turnos, semelhante a outras entradas populares do género, tais como Divinity. Simultaneamente, é um RPG em mundo aberto que convida o jogador, com o seu grupo de mercenários, a explorar e aventurar-se, com alguns elementos de sobrevivência para apimentar a jogabilidade. Como pano de fundo, o contexto medieval e violento acaba por ser muito bem executado pelos criadores do jogo.

Single-Player, Multiplayer, Co-Op?

Neste momento, Wartales é um jogo apenas de Single-Player, o que pode ser uma lufada de ar fresco para quem prefira jogar a solo. A indústria do Gaming está, nos dias de hoje, inclinada para jogos multiplayer, e o aspecto social dos jogos entre gamers tem sido alvo de cada vez mais atenção pelas maiores empresas e investidores, existindo já um mercado específico de sites de encontros para gamers. Não é, portanto, surpresa que os criadores do Wartales tenham sido já bombardeados com pedidos para incluir um modo co-op. Para já a resposta foi de que esse modo poderá ser incluído, desde que consigam “descobrir a melhor forma de o implementar e se a procura foi suficiente”.

Colocar o jogo nas mãos do jogador

Wartales pertence a uma espécie de jogos em via de extinção, mas que galopavam em abundância nos tempos longínquos da década de 90. Trata-se de um jogo em que o jogador pode fazer o que quiser, quando quiser e da maneira que quiser. Há pouca explicação sobre o que resulta, ou não, dentro do mundo de Wartales e a única forma de descobrir é tentar. Não é pouco provável que se tropece num boss demasiado difícil para a fase do jogo em que se está; nada indicava que seria melhor manter uma certa distância saudável daquela personagem, até se chegar, tardiamente, à conclusão que a equipa de mercenários está morta.

Este nível de liberdade, por vezes implacável e impiedosa, é raro nos RPG que são lançados nos dias de hoje, em que o jogador é empurrado ao longo de uma história específica, com checkpoints pré-determinados. Wartales é um jogo moderno, mas que leva o jogador mais nostálgico a lembrar-se de obras de arte de outrora, como Ultima Online.

A esmagadora maioria dos RPG estão construídos de uma forma muito semelhante: contém uma história principal que o jogador deve seguir, com diferentes variedades de missões secundárias pelo caminho. Wartales é um RPG em que existem apenas as missões secundárias, prontas para serem descobertas pelo jogador, desde que esteja disposto a explorar e sair da sua zona de conforto. O jogador pode optar ser benevolente ou completamente sanguinário, com as respectivas consequências de ambas as decisões.

O modo de combate por turnos não é revolucionário, mas está bem construído, com o tipo de estratégias e planeamento que qualquer RPG tático requer. Para aceitar contratos mais desafiantes, será, provavelmente, necessária uma equipa maior, com mais níveis e melhor equipamento. Digo “provavelmente” uma vez que o mais certo é existirem várias formas de fazer a mesma coisa neste jogo, com cada jogador a forjar o seu próprio percurso.

Conforme aumenta o número de mercenários, sobe também os salários que precisa de pagar regularmente. Para sobreviver é preciso algum planeamento prévio, nada excessivo, antes de lançar os mercenários numa nova missão, mas trata-se de mais uma camada de complexidade que requer consideração. No final, Wartales é já bastante complexo e bem executado, mesmo nesta fase inicial de desenvolvimento.

O caminho em frente

Os planos da Shiro Games para este jogo estão bem definidos. De acordo com a empresa, o modo de Early Access deve durar 12 meses, ao fim dos quais espera, com a ajuda e feedback da comunidade, ter a versão final pronta. Em relação ao Early Access, o jogo final terá mais regiões para explorar (neste momento tem 3, cada uma com um mínimo de 15 horas de jogabilidade), mais inimigos e mais diversificados, novos modos de combate e, em geral, mais conteúdo para todos os outros aspectos do jogo.       

Prever o futuro de um jogo é sempre arriscado, mas uma coisa é certa em relação ao Wartales: se o desenvolvimento ao longo dos próximos 12 meses tiver o mesmo nível de dedicação e atenção por parte dos criadores, este poderá ser, sem dúvida, um forte candidato a um dos melhores RPG lançados em 2022.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.