Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Crítica: The Undoing (HBO)

O verdadeiro mistério do mundo é o visível. Não o invisível”. A frase de Oscar Wilde poderia servir de mote a este The Undoing que acaba de estrear na plataforma de streaming HBO e que nos leva a mergulhar no mundo da alta sociedade nova-iorquina.

Nicole Kidman and Hugh Grant

Grace Fraser (Nicole Kidman) é uma terapeuta de renome cujo casamento com Jonathan (Hugh Grant) parece ser o reflexo de tudo aquilo que tenta vender nas suas sessões de aconselhamento: como ter uma vida de sonho, um casamento feliz, nada beliscado pelas profissões exigentes de cada um (Jonathan é médico e trabalha na ala pediátrica de oncologia) e um filho equilibrado, Henry, interpretado por Noah Jupe, a frequentar um dos melhores colégios da cidade. A par da profissão, Grace não descura a vida social, fazendo parte de um grupo de mães que se reúnem para organizar eventos na comunidade escolar. É precisamente numa dessas reuniões que surge Elena (Matilda de Angelis) e a sua figura, que tem tanto de misteriosa como de sensual. Vinda de um bairro pobre em Harlem, Elena conseguiu uma bolsa para o seu filho mais velho e tenta integrar-se num meio ultra privilegiado onde, desde logo, é olhada com suspeição.

Num desses eventos escolares, onde a trama junta várias personagens centrais, sente-se o clima de mistério e uma tensão sexual crescente entre Grace e Elena, que surge perturbada e confessa à terapeuta o quão exausta se sente antes de desaparecer do evento.
Horas depois, a cidade que nunca dorme acorda com a notícia da morte de Elena e a vida aparentemente pacata e superficial da elite é engolida por uma espécie de tsunami. De repente, a terapeuta com uma vida e dinâmica familiares intocáveis, não só percebe que o marido lhe mentia como o vê tornar-se no principal suspeito da morte de Elena.

Nicole Kidman, que se volta a juntar a David E. Kelley após o sucesso de “Big Little Lies”, não deixa os créditos por mãos alheias e brinda-nos com uma interpretação intensa e perturbadora. Já Hugh Grant, nestes dois primeiros episódios a que a Central Comics teve acesso, com ar sedutor e laivos de comentários cómicos, faz-nos lembrar as suas típicas personagens de filmes românticos.
Resta saber o que nos espera nos quatro episódios que se seguem e que levam Jonathan à barra dos tribunais. Estará inocente?

Inspirado no livro “You Should Have Known”, da escritora americana Jean Hanff Korelitz, neste The Undoing, a realizadora dinamarquesa Susanne Bier leva-nos ainda a percorrer as ruas de Nova Iorque, transmitindo na perfeição a agitação e o sombrio da cidade, e deixando uma vontade de nós próprios percorrermos aquelas ruas em busca da verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.