Crítica: O Pacto da Letargia

Nunca sabemos muito bem o que esperar da arte de Miguelanxo Prado quando é anunciado um novo álbum. Uma coisa é (quase) garantida: a característica pintura à mão será a opção para as cores. Mas basta comparar este O Pacto da Letargia com A Mansão de Pimpão, O Traço de Giz, ou até mesmo com De Produndis, e podemos verificar as bastantes alterações de estilo deste artista galego. Neste novo álbum optou por um estilo cubista, mais colorido do que é seu costume, e com uns tons claros, o que muito me encantou.

A capa é também ela lindíssima, mas provavelmente um pouco enganadora. Não que me queixe desse facto, mas faz parecer que a história terá fortes elementos de fantasia, visualmente, mas na verdade trata-se muito mais de conspiração e mistério, do que propriamente da interação com seres sobrenaturais e mágicos.

Com influências na fantasia da cultura celta, esta é uma história cativante e cheia de reviravoltas. Brinda-nos com muito conteúdo para além da acção principal e coloca-nos a pensar em temas como a ecologia, a vida profissional, o valor e o respeito humano, e pelo futuro da humanidade em geral.

A balonagem de Prado carateriza-se pelos característicos balões rectangulares transparentes, com apenas uma linha a servir de cauda. Não tenho nada contra os balões rectangulares, mas não aprecio a transparência, que, em conjunto com uma fonte muito mal escolhida (que na versão portuguesa é a mesma da versão original), motiva uma leitura confusa e com momentos bem complicados de ler.

  Comanche - Obra Completa de Greg e Hermann, Volume 3

O Pacto da Letargia é a primeira parte da Trilogia do Tríscelo, e saiu em Portugal pela Ala dos Livros, em simultâneo com a edição francesa, e antes das edições em galego e castelhano.

Este álbum é tudo o que ansiava deste regresso do autor da Corunha mais conhecido em Portugal. Um mimo para os olhos e que nos faz desejar que o tempo ande mais depressa para podermos ter nas nossas mãos os próximos dois álbuns!

Argumento e Arte: Miguelanxo Prado
Editor: Ala dos Livros
Argumento: 8
Arte: 9
Legendagem: 5
Encadernação: 9
Veredito Final: 8

Hugo Jesus

Co-criador e administrador do Central Comics desde 2001. É também legendador e paginador de banda desenhada, e ocasionalmente argumentista.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *