Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Cinema Crítica: “Sem Hora Marcada”

O cartaz de Sem Hora Marcada (Out of Death) destaca dois dos anteriores filmes dos produtores: O Irlandês, filme de Martin Scorsese nomeado a 10 Oscars, e O Sobrevivente, filme de acção com Mark Wahlberg no principal papel e nomeado em duas categorias técnicas nos Oscars de 2014.

Mencionar estes dois títulos tem como objectivo transmitir confiança ao potencial espectador. Os “produtores” mencionados no cartaz são Randall Emmett e George Furla, que apesar de terem produzido os filmes indicados e outros com sucesso e interesse, também têm produzido cinema de qualidade duvidosa.

Contudo, o espectador que lê os trabalhos anteriores dos produtores já reparou no protagonista com o crachá de polícia: nada mais nada menos que Bruce Willis! Yippee ki-yay, é o cowboy solitário de Die Hard!!!


Bruce Willis tem participado em muitos filmes nos últimos anos, contudo os seus últimos trabalhos são de origem muito duvidosa!

O IMDb reporta nove produções de 2021 com a participação de Bruce Willis. E aceita-se que o leitor não se recorde de nenhum título!
Pois bem, dos nove títulos, estreou em Portugal Meia-Noite em Switchgrass e agora estreia Sem Hora Marcada. Pelo meio existe ainda uma produção com Gerard Butler, intitulada de Hair of the Dog, cuja estreia poderá acontecer algum dia.

Bruce Willis e Kelly Greyson

Sobre Sem Hora Marcada, Willis interpreta um polícia com 35 anos de carreira, deprimido pela morte da esposa e de visita à sua sobrinha.

No cartaz do filme destaque ainda para Jaime King, conhecida pelas participações nas adaptações cinematográficas de Frank Miller em Sin City: Cidade do Pecado ou The Spirit.
Agora, King interpreta uma fotojornalista que acaba de presenciar uma agente a assassinar um homem.
Se o espectador chegou até este momento do filme, já terá percebido que a fotografia desta produção terá tido algum problema com os filtros ou com a correcção de cor na edição, numa opção estética inconstante. Seja!
Contudo, esse é o menor dos problemas de um filme fraquíssimo, em que de nada vale ter 41 nomes (!!!) associados à produção!

Jaime King

Numa vila perdida nas montanhas, o futuro de um Sheriff corrupto, com pretensões de ser mayor, é colocado em risco quando Shannon faz uma caminhada de homenagem ao seu falecido pai. Ao testemunhar um homicídio, Shannon corre pela sua vida, mas é apanhada por dois agentes. Desesperada, grita por ajuda e é Jack, o antigo polícia interpretado por Bruce Willis, que se intromete e promete ajudá-la e levar à justiça o pretensioso Sheriff.

Bruce Willis, Lala Kent e Tyler Jon Olson

Ao longo de 95 minutos, cinco pessoas vagueiam pela natureza, ocasionalmente tentam matar ou fugir. O importante é fazer um garrote para estancar o sangue se a opção for sobreviver, ou soltar o mesmo se pretenderem matar. É útil ter uma arma para o caso de aparecer um urso na floresta; já  o telemóvel pode ficar em casa pois o objectivo de andar na natureza é espairecer a cabeça das perdas recentes.

É um claro filme de Série B, daqueles que os estúdios produzem com orçamentos reduzidos e filmados em poucos dias,;que o dinheiro é bem escasso por estes lados. A qualidade cinematográfica também!
Segundo o realizador Mike Burns, o Covid implicou que Sem Hora Marcada fosse filmado em apenas nove dias.
O plano inicial indicava que Bruce Willis filmava todas as suas cenas em apenas dois dias. Contudo, as obrigações impostas pela pandemia implicaram que toda a participação de Willis ficasse resumida a um dia de filmagem.
E o espectador mais atento consegue imaginar que a cena final foi filmada no início do dia de filmagens, depois Bruce Willis trocou de roupa e até ao início da noite terá completado toda a sua presença neste filme.

Preocupante quando as cenas do principal nome do cartaz foram filmadas num só dia… Mas mais preocupante, são, as péssimas interpretações do elenco; são eles os dois agentes (interpretados por Lala Kent e Tyler Jon Olson) que perseguem Shannon, e o Sheriff (interpretado por Michael Sirow).
Mas se o leitor nunca ouviu falar destes nomes, saiba que, em dois anos Lala Kent participou em quatro filmes (!!!) com Bruce Willis: 10 Minutos, Impacto Mortífero, Projecto 725 e este Sem Hora Marcada.
Com tantos filmes bons que não chegam às salas de cinema, é questionável como este filme estreia nos nossos cinemas. E para complicar ainda mais, os espectadores têm de fazer teste covid para assistir à projecção de Sem Hora Marcada. E o filme… não vale o preço do bilhete!
Talvez no dia em que encontrar Sem Hora Marcada em exibição na televisão portuguesa, o espectador pense “-Que giro, um filme com o Bruce Willis”… e dois minutos depois já esteja a divertir-se muito mais com uma edição do Preço Certo!
Muito Mau.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.