BD: Análise – POTTER’S FIELD: O Cemitério dos Esquecidos

POTTER’S FIELD: O Cemitério dos Esquecidos foi um lançamento inesperado pela G.Floy, mas é realmente bom para ter honras de lançamento no nosso país?

Potter's Field Foi algo positivamente surpreendente quando recebi a noticia do lançamento de Potter’s Field pois não só é uma BD já com mais de 10 anos (pelo menos os três primeiros capítulos) como é algo que passa um pouco mais despercebido do que aquilo o que a G.Floy normalmente publica. Ah, e de salientar também que foi publicado originalmente por uma editora americana de menor dimensão que é a BOOM.

A história anda à volta de um homem conhecido como John Doe, numa tradução livre para português poderia ser “Zé Ninguém”, que com a ajuda de um grupo de indivíduos vão tentar descobrir as identidades e o passado do todos aqueles que foram assassinados e enterrados anonimamente no tal “Potter’s Fied” um cemitério onde se enterram os corpos de pessoas que não se sabem quem são.

Temos aqui um trabalho mais antigo de Azaceta cuja arte podemos seguir na mais recente série OUTCAST, (também pela G.Floy). E se em Outcast ele já tem um traço negro, aqui no Cemitério dos Esquecidos ainda mais negra é. A arte-final é mais grossa e as cores de Nick Filardi fazem um casamento perfeito para este policial noir com elementos de thriller.

Potter's FieldNa escrita temos Mark Waid que é um argumentista que nunca desaponta. O Homem é bom. Ponto. Deem-lhe uma sinopse qualquer para as mãos, nem que seja a história de um homem que calca uma poia de cão, que ele tem a capacidade de fazer algo interessante com isso. Mas aqui até a própria ideia e conceito é original e interessante. O único ponto negativo é ele não ter escrito mais histórias deste universo. Vá lá Waid, ressuscita o John Doe, nós queremos mais histórias!!

Temos aqui um grande livro e que recomendo a todos os fãs do género noir, thriller e mistério.

No entanto quero deixar aqui um ponto negativo: a escolha do papel!
É usado um papel mate e espesso que também foi usado, e bem, no livro A Leoa. Mas aqui não resultou.
Pelo formato do livro (A Leoa é quase tamanho Franco-Belga) e por termos margens muito curtas que o torna difícil de abrir, esta encadernação fica aquém do costume da G.Floy.

POTTER’S FIELD: O Cemitério dos Esquecidos
Formato comic (17 x 26), capa dura, 104 pgs. a cores.
G.Floy Studio Portugal
PVP: 12€

  Análise: "Greenland: O Último Refúgio" - Ser ou não ser humano, eis a questão

Hugo Jesus

Co-criador e administrador do Central Comics desde 2001. É também legendador e paginador de banda desenhada, e ocasionalmente argumentista.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *