Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Jogos – Antevisão: Capes

 

Neste jogo de estratégia por turnos, CAPES, mergulhamos numa distopia em que praticamente todos os super-heróis foram dizimados e uma obscura multinacional se apoderou do mundo, mantendo uma vigilância apertada para evitar que a resistência cause problemas. A nossa missão é formarmos uma equipa com os super-heróis sobreviventes e enfrentarmos a malvada corporação para conseguir liberdade para o mundo.

Capes está a ser desenvolvido pela Spitfire Interactive e deverá ser lançado pela Defiant Development em 2023.


No universo de Capes, lideramos uma equipa de super-heróis marginalizados para tentar derrubar uma megacorporação que domina o mundo com punho de ferro… Permitam-me que comece logo por afirmar que provavelmente não será pela originalidade que Capes se destacará!

História de Capes

Tratando-se de um título ainda em desenvolvimento, podemos sempre dar o desconto e não esperar muito da narrativa. Contudo, as fundações sobre as quais a história de Capes se vai erguer parecem-me, no mínimo, tremidas. Numa realidade alternativa em que Marvel, DC e outros milhentos franchises não existissem, talvez a história de Capes me conseguisse cativar, mas, neste nosso canto do multiverso, “bando de super-heróis desajustados tenta salvar mundo das garras de vilões” está para lá de gasto. Os personagens são também uma cópia a papel químico de outros já existentes. Talvez não seja tanto uma cópia exata, mas mais um cocktail em que enfiamos todas as características dos nossos super-heróis favoritos num shaker, chocalhamos, e despejamos em copos com formatos ligeiramente diferentes aos que estamos habituados. A equipa que está a desenvolver Capes tem pela frente a tarefa titânica de moldar a narrativa do jogo de modo a não se afundar numa categorização de pseudoplágio. Na altura em que experimentei o jogo, ainda não existiam legendas disponíveis para português.

Gráficos e som de Capes

Aqui, sim, Capes já se apresenta de cara lavada e pronto a enfrentar os supervilões da comunidade de gamers. Os gráficos prometem ao assumir um estilo de BD que remete para um nível superior de Freedom Force. Contudo, ainda há trabalho pela frente, sobretudo em duas vertentes: ainda existem alguns problemas de clipping e outras pequenas falhas nas cutscenes que poderão causar alguns transtornos visuais, especialmente a quem for mais suscetível a crises de epilepsia ou algo relacionado; e os modelos dos personagens precisam de trabalho a fundo nem me refiro à tal questão de quasi-imitação, mas sim ao próprio visual, que precisa de bem mais polimento.

Jogabilidade de Capes

Há potencial neste campo. Em toda a honestidade, não gostei da experiência de jogo e achei tudo muito preso, difícil de controlar e sem grande fluidez. Mas isso não me impede de reconhecer que o jogo tenta trilhar o seu próprio caminho ao criar uma mecânica um pouco diferente, se bem que apenas assente em leves alterações, como, por exemplo, a separação entre pontos de ação e pontos de movimento, criando assim uma divergência em estratégia que, conquanto já vista, não deixa de se distinguir.


+ + +

Os gráficos, o som e a jogabilidade de Capes estão a seguir um bom caminho. Ainda não estão no ponto e há muito a fazer, mas são um sinal positivo que o jogo me deu.

– – –

O próprio conceito do jogo deixa muito a desejar. Não direi que é impossível dar a volta a este aspeto até ao lançamento do jogo, mas será necessário um esforço mesmo muito grande para me fazer crer que estou a jogar no universo de Capes e não noutro qualquer. Enquanto gamer, talvez considere a imersão como o aspeto crucial de uma experiência de jogo, com raras exceções. Se estiver a jogar “de fora”, sem me apegar minimamente ao jogo em si, dificilmente jogarei mais que alguns minutos.


Considerações acerca de Capes

Estou um pouco hesitante em relação a este título. Se, por um lado, Capes me desiludiu completamente no seu conceito, por outro, a execução do jogo promete muito e transmite a ideia de que existe uma equipa de valor por detrás do jogo, se bem que ainda com muito trabalho pela frente. Se tivesse de atribuir uma nota nesta altura do campeonato, seria negativa, mas vamos esperar mais um pouco, já que também teremos de ver a que preço será vendido. Entretanto, podem experimentar a demo de Capes, disponível no Steam, para tirarem as vossas próprias conclusões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *