Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Lançamento: Super-Homem – Pelo Amanhã 1 (Colecção Super-Heróis DC Comics)

Esta quinta-feira – 25 de Julho de 2013 – sai o terceiro volume da colecção Super-Heróis DC Comics, com o jornal Público. O Central Comics apresenta aqui a sinopse e as primeiras 6 páginas, capa e contra-capa em antevisão exclusiva.[fbshare]

 N.E.: Mais uma vez e por excesso de trabalhos em outros projectos prioritários, não conseguimos fazer as prometidas antevisões/lançamentos dos dois primeiros volumes desta colecção. Mas esperamos começarmos aqui, com o volume 3, a publicar estes artigos que tanto sucesso teve aquando da colecção Heróis Marvel.

Capa e contra-capa
(clica nas imagens para ampliar)
Super-Homem Pelo Amanha 1 capa

Um cataclismo abateu-se sobre a Terra e um milhão de pessoas desapareceu sem deixar rasto, incluindo a pessoa mais importante na vida do Super-Homem. Como lidará o Homem de Aço com uma ameaça que põe em causa a sua própria relação com o mundo que o acolheu?
Passado e futuro misturam-se com traição, esperança, culpa e amizade, numa das mais bem-sucedidas histórias da carreira da personagem.
Brian Azzarello, um dos mais aclamados nomes da actualidade dos comics, é o argumentista desta aventura cheia de acção, mas também de reflexões e revelações surpreendentes, que conta com a mestria do traço do lendário Jim Lee para nos mostrar um Super-Homem mais humano que os humanos.

As primeiras 6 páginas
(clica nas imagens para ampliar)

Super-Homem Pelo Amanha 1 página 1Super-Homem Pelo Amanha 1 página 2Super-Homem Pelo Amanha 1 página 3Super-Homem Pelo Amanha 1 página 4Super-Homem Pelo Amanha 1 página 5Super-Homem Pelo Amanha 1 página 6

Super-Homem Pelo Amanhã Parte 1
Colecção Super-Heróis DC Comics vol. 3
cor, capa dura
Levoir/Público
PVP: 8.90€ + Público
Nas bancas a partir de 25 de Julho 2013

Conteúdo:

Superman #204-209
Brian Azzarello e Jim Lee

[ad#cabecalho]

23 thoughts on “Lançamento: Super-Homem – Pelo Amanhã 1 (Colecção Super-Heróis DC Comics)

  1. Evolução do número de páginas destas publicações da Levoir/Público:

    “Nick Fury, Agente da SHIELD”, Marvel – 224 páginas;
    “Terra Dois”, DC – 176 páginas;
    “Herança Maldita”, DC – 168 páginas;
    “Pelo Amanhã 1”, DC – 158 páginas!

    Já se sabia que, devido aos direitos, a isto e àquilo, o número de páginas da colecção da DC iria diminuir, mas… fosga-se!
    Podem dizer o que disserem mas, para mim, até agora, a colecção da Marvel foi muito superior; mais páginas são mais histórias, mais desenhos e mais diversão por pouco dinheiro! Digam o que disserem sobre o “equilíbrio da colecção” ou sobre “o grafismo das capas” (que por acaso continua horrendo)mas, para mim, a vantagem que havia em apoiar estas iniciativas, assim, começa a perder-se. Ou muito me engano ou esta colecção da DC vai ser um fiasco de vendas, e não apenas pela crise e pela “falta de popularidade DC em relação á Marvel), mas acima de tudo por chico-espertice editorial.

  2. Ok, quiseste comparar com o livro da Marvel com mais páginas. O do Hulk tem 176 páginas, mas preferiste o Nick Fury…

    E era ou diminuir o número de páginas ou aumentar o preço de capa, e a Levoir e o Público optaram pelo primeiro. Não foi chico-espertice, foi uma opção válida.

  3. Agora é o suponha-se…

    Se pagasse mais 1€ quantas mais páginas teríamos? Talvez um comic mais, não?

    Podia-se pensar em optar pela capa mole, e/ou por papel mais fraco, mas quem comprou a coleção da Marvel provavelmente iria queixar-se da baixa de qualidade duma coleção face à anterior.

    Enfim, nada é perfeito e nunca se consegue agradar a todos.

  4. Pelo que entendo, os pvp são difíceis de mexer por causa de cenas contratuais com o jornal. Suponho que a LEvoir tenha de rondar a questão para manter o preço de capa igual e ao mesmo tempo editar um produto que seja tão perto quanto possível do que o publico espera. Até agora não me perderam. O papel é mais fino mas aceita-se, e prefiro boas adaptações menos extensas do que comics extra só para encher. Mesmo nestes termos, continuava a comprar se continuarem com mais séries( espero que continuem, porque a B.d. portuguesa precisa!)
    A única coisa que me aborreceu neste Pelo Amanhã 1 é uma página de esboço na qual não há o esboço. Foi só na minha cópia ou erro de impressão geral?

  5. Hugo Jesus:

    Mea Culpa. Admito que fui completamente faccioso na minha escolha do “Nick Furry”; a razão tem a ver com o facto de ter sido o último volume que li dessa colecção (adquiri-o juntamente com o Terra 2).
    De qualquer das formas, e já que estamos numa de rectidão, o volume do Hulk não apresentava as 176 págians que falas, mas antes 192. Sempre são mais 16 páginas que o Terra 2 (o volume com mais páginas desta nova colecção, até agora).

    Quer sejam 16, quer sejam 64 (diferencial entre o Nick Fury e este volume do Super-homem), a realidade é que é bastante espaço. Não concordo com o argumento do “Comics para encher”, porque há sempre alguma coisa que se pode pôr, há sempre uma entrevista, um qualquer comic recôndito com referências ou comparações pertinentes… há sempre qualquer coisa e esse “qualquer coisa” é apenas e só aquilo que poderá diferenciar esta publicação Portuguesa das suas homónimas americanas, ou do reference material; senão veja-se, com excepção dos preços, das capas e dos belos textos do HArtvig de Freitas, não há nada que verdadeiramente diferencie estas edições de outras. O mesmo não se passou com a da marvel, na qual a escolha de 1st issues, coisas mais recônditas e mesmo chouriços em tudo era e tinha muito mais PERSONALIDADE.

    Independentemente disto tudo, irei continuar a fazer a colecção, acho que é de apoiar; desabafei porque foi, na minha opinião, um grande step-back em relação à do ano passado.

  6. Concluo esta aragumentação fazendo referência ao volume “Iron Man – Extremis” da colecção do ano passado.

    Para além de incluir o arco que dá título ao volume, apresenta ainda uma pertinente escolha de 4 comics, dois deles do Plati e do Filipe Andrade. Como bónus somos ainda presenteados com uma pequena galeria de esboços do Filipe Andrade e uma pequena enretvista, tudo perfazendo um total de 216 páginas. São estes pormenores que fazem deste volume do Iron Man algo com alguma relevância para o mercado nacional: teria sido completamente diferente se tivessem incluído apenas e só o arco extremis.

  7. Seja como for, o argumento é o mesmo. Pelas razões do Dário e pelo facto da DC vender muito menos em Portugal que a Marvel, ou aumentava-se o preços de capa ou diminuía-se o número de páginas. A solução da redução das páginas pareceu-me mais lógica. Mesmo assim, edições de capa dura com 160 páginas por 8,90€ parece-me uma excelente oportunidade.

    Quanto aos detalhes técnicos não vou debater aqui. Apenas digo que a dificuldade de fazer esta colecção é muuuuito maior do que a da Marvel. A DC é feita de raíz e temos muita dificuldade em ter os materiais. A da Marvel foi adaptada de outra colecção que saiu em Itália e Espanha (tirando a nossa versão Extremis) onde foi muito mais acessível ter o material de trabalho.

  8. “Ou muito me engano ou esta colecção da DC vai ser um fiasco de vendas, e não apenas pela crise e pela “falta de popularidade DC em relação á Marvel), mas acima de tudo por chico-espertice editorial.”

    Muitas bancas ainda tem o 2 volume 2 e ate o espoem nas montras,com a marvel não se via.

  9. Toda a gente tem preferências sobre que histórias publicar ou não. Por isso é sempre complicado discutir de quais as histórias a incluir ou não; algumas que tinhamos escolhido não estavam disponíveis porque não existiam em formato digital, só em fotolitos, outras não podiam ser feitas por complicações editoriais com a Panini que tem os direitos da DC para a língua portuguesa (esta colecção foi feita via acordo com a Panini), etc…

    Quanto ao formato: ao contrário do que alguém disse, o papel é o mesmo que na Marvel. A ÚNICA diferença é mesmo o número de páginas. Em média, ou seja, olhando para a colecção como um todo, há menos c. 30pgs por livro. Foi uma solução possível para compensar royalties mais caros, materiais mais caros, e potencialmente, vendas menos fortes. Para que conste, nunca se pensou mudar o formato (ie. mudar para capa mole) ou o PVP. São imposições do Público, que quer manter um formato único para este tipo de colecção.

    E já agora: chico-espertice é escolher logo o livro da Marvel que tinha mais páginas como termo de comparação. Eu podia escolher o volume 2 da Crise das Terras Infinitas e dizer, NÃO! a colecção tem 200pgs!

    Quanto à colecção da Marvel, e com excepção do volume Filhos do Átomo, não existe nenhuma outra 1st issue! Nem é esse o propósito da colecção, que nos foi pedida como: uma colecção de histórias que apresentem as personagens a leitores portugueses que talvez não os conheçam bem, em histórias razoavelmente auto-conclusivas, que possam ser lidas por pessoas que não acompanham a continuidade. Esta não é, claramente, uma colecção para entendidos. Embora haja de certeza livros que valham a pena aos entendidos comprar.

    Agradeço o simpático elogio aos meus textos. Vão ver que os do João Miguel Lameiras e do Filipe Faria não ficam atrás (podem ler o primeiro do Filipe neste volume do Super-Homem).

  10. “Para além de incluir o arco que dá título ao volume, apresenta ainda uma pertinente escolha de 4 comics, dois deles do Plati e do Filipe Andrade. Como bónus somos ainda presenteados com uma pequena galeria de esboços do Filipe Andrade e uma pequena enretvista, tudo perfazendo um total de 216 páginas. São estes pormenores que fazem deste volume do Iron Man algo com alguma relevância para o mercado nacional: teria sido completamente diferente se tivessem incluído apenas e só o arco extremis.”

    Ai discordo esse é para mim um extra que não acrescentou nada ao contrario de Judgment Day em Surfista Prateado:Parabola,o 2 faço tençoes de reler já o 1 nunca relerei mesmo que relenha Extremis.Quanto as capas ainda vão a tempo de alterar quase todas tirando a do Batman filho do demonio que adoro.

  11. Reconheço a infelicidade desse primeiro comentário que postei, quer na impulsividade das palavras escolhidas, quer nos argumentos sofríveis e, triste sina, destaque enquanto “primeiro comentário a este post”. Posso apenas justificá-lo enquanto reacção emocional imediata a algo de menos bom… acredito, infelizmente, que não tenha sido a única pessoa a ter sentido algo semelhante. Apesar de tudo gostava de sublinhar que não era, de todo, minha intenção ofender editores a quem é justo e merecido todo o valor, e por isso peço desculpa: comentários há muitos.

    Só tenho de agradecer os esclarecimentos das pessoas envolvidas no projecto e desejar tudo de bom.

    PS: Tenho acompanhado os textos integrais (não censurados) no blog http://porumpunhadodeimagens.blogspot.pt/

  12. Eu estou grato pla editora(e seus parceiros) por ouvirem os leitores e fazerem esta colecção DC Comics!

    Ainda agora começou e já queria ver uma segunda colecção..se isso acontecer, gostava de ver o Batman:Hush(sei que já foi publicado por cá, mas já foi á algum tempo e encontrar essas edições é uma verdadeira caça ao tesouro,lol,merece uma nova edição co este acabamento)e o Superman:Secret Origin!!

  13. “Batman:Hush(sei que já foi publicado por cá, mas já foi á algum tempo e encontrar essas edições é uma verdadeira caça ao tesouro,lol,”

    não queiras ler isso,tenta Batman ano 1.

  14. Maunel..Sim, eu sei.

    É claro que o Batman:Ano Um é muito melhor(se não a melhor historia do bats de sempre,imo),mas se não me engano, este comic já teve edição em capa dura plas nossas bandas e o Hush é uma historia razoável(melhor que o For Tomorrow do Super)mas chama pessoal novo pa comprar comics.

    ..conheço alguns novos leitores de comics que gostariam de ter o Hush em pt e se pudesse ser em HC, melhor.

  15. O Ano 1 nunca saiu em HC em Portugal, só em SC assim como o Batman Silêncio. Eu já disse que sobre estas coleções, quero material inédito. Já basta esta coleção ser abrangida por 3 livros compostos de material do qual já tenho, por ter saído cá nas bancas em comic pela Panini. Mas aqui aceito o caso, pois muita gente não compra, porque não encontra ou não quer mesmo, material da Panini. Ou como já basta a reedição do Killing Joke.

    Àqueles que querem reedições de livros já lançados em Portugal digo: não têm? procurem em alfarrabistas ou no olx e outros. Também já comprei muito material assim.

    Se as editoras forem sempre a republicar material só porque fulano ou cicrano quer, nunca iriam lançar material novo / inédito.

  16. Se ainda existem numeros atrasados nas bancas, deve-se a péssime distrubuição desses livros pelas livrarias. há sítios que têm livros a abarotar e outros que apesar dos pedidos só começaram a receber agora o nº 4. Na madeira ainda não chegou um únici livro da série Dc, estranho pois não aconteceu com a série I e II da Marvel. felizmente estou no continente, já consegui arranjar um local para reservar os livros e só me falta arranjar o nº 1.
    Apesar da diminuição dos número de páginas, é sempre bom termos BD compilada por arcos e com capa dura. Espero que faça sucesso e que venha mais uma 2ªsérie onde estejam wonder woman de George Perês, histórias escritas pelo Geof Johns (green lantern, superman…) e outros títulos bons e inéditos em PT

  17. oh Reign, tu queres material inedito e fazes bem..mas eu tambem “quero” ver estes comics que mencionei no outro post editado em pt, se puder ser, principalmente o Superman: Secret origin.
    Não falei que queria ver todo o catalgo da Devir reeditado em HC, é apenas o Hush, que nunca foi editado em TPB só naquele formato de revistas com capa cartonada.

    Já o Killing Koke não é o mesmo que saiu pla Devir, é o totalmente repintado plo Bolland, soooo, é indeito:D

  18. Acrescento que, além de recolorida, houve melhoramentos na tradução e a legendagem foi toda nova e feita de raiz. A versão da Devir teve uma legendagem sofrível pois foi trabalhado em fotolitos e em co-edição com outros países.
    Se colocarem as duas versões lado a lado, vão notar diferenças para melhor! 😉

  19. Só um reparo, agora que falaram na tradução e legendagem…
    Ainda durante a primeira parte do livro lê-se algo do género: “ouvi 4 palavras: Super-Homem, ajuda-me”, ou algo parecido…
    O que queria dizer é que escapou o 4 palavras, quando deveria ser 3, não sei dizer precisamente quais foram, mas sim que me ficou na memória essa gralha.
    Não é uma crítica negativa, só uma chamada de atenção a uma coisa que escapou…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Verified by MonsterInsights