Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Jogos: Sonic Frontiers – Análise

O famoso ouriço azul regressa em Sonic Frontiers, cheio de inovações. Chegarão elas para agradar os fãs?

Sonic Frontiers  

Se formos sinceros, a verdade é que Sonic nos últimos anos, se excluirmos o fantástico Sonic Mania, tem tido uma história bastante triste em termos de videojogos. Por norma, quando ouvimos falar de Sonic pensamos em jogos maus, que não mostram nenhuma paixão pela franquia e que pouco vontade teremos de o jogar. Aliás, conseguiram até fazer isso com jogos anteriores da franquia, através da remasterização de Sonic Colors que é um jogo fantástico na sua plataforma original, a Wii, e quando remasterizado para as plataformas atuais, torna-se um dos maiores pesadelos dos jogadores.

Sonic Frontiers, porém, chega como uma nova forma de ver os jogos do ouriço oferecendo desde logo um formato completamente diferente. Continuamos a ter os níveis de alta velocidade a que estamos habituados, mas, ao mesmo tempo, também temos todo um jogo de mundo aberto para explorar, e se formos a analisar mais de perto, é aqui que jaz o que realmente importa neste jogo.

Sonic Frontiers

Quando ficamos presos, como Sonic, numa ilha deserta sem os nossos companheiros de viagem, não sabemos bem o que fazer, mas, aos poucos vamos descobrindo artefactos ao longo da ilha que nos podem ajudar para salvar os nossos parceiros e saber o que realmente se passa ali. Mal nos dão liberdade para correr e saltar, também podemos encontrar alguns inimigos que tornam o jogo mais interessante e, ao mesmo tempo, mostram uma das mecânicas novas que nos pode fazer coçar a cabeça: em Sonic Frontiers é possível entrar mesmo em modo de combate, com combos e toda uma panóplia de ataques. Por muito que inicialmente me tenha feito confusão quando visto em trailers, tal como à maioria dos jogadores, a verdade é que rapidamente tornou-se uma das minhas atividades preferidas e faz completo sentido no jogo.

Falando agora um pouco da jogabilidade, a verdade é que em certos pontos ainda estamos perante um jogo tradicional de Sonic. São níveis curtos e rápidos onde temos que tentar completar objetivos o mais rápido possível e no menor tempo. Nada a que não estejamos habituados, portanto. No entanto, se quisermos mesmo tirar a melhor pontuação possível em cada nível, preparem-se para ficarem frustrados e jogarem vezes e vezes sem conta o mesmo nível, pois por vezes é preciso uma precisão cirúrgica, ou, mesmo muita sorte para completar o nível com a melhor pontuação.

Sonic Frontiers

Devo porém dizer ao leitor que, caso pense que vamos ter as mesmas batalhas contra chefes a que estamos habituados, aquelas batalhas que por vezes são criativas, mas ao mesmo tempo, ao final da terceira ou quarta se tornam chatas, não poderia estar mais enganado. A maioria das batalhas contra chefes (sejam eles pequenos ou grandes) tem lugar nos locais de mundo aberto do jogo e, como tal, podem tornar-se uma valente dor de cabeça por muito divertidas que sejam. Preparem-se para ter que pensar em táticas diferentes, utilizando todos os poderes do Sonic que tenham disponíveis (poderes estes que funcionam como uma espécie de RPG) e vejam alguns resultados um pouco fora da caixa por parte da SEGA.

Em termos gráficos e sonoros também é um jogo bastante curioso. Finalmente conseguiram transmitir um mundo de Sonic que não pareça cartoon e com bastante realismo, principalmente na forma como as personagens se movimentam, parecendo o mais orgânico possível. Musicalmente, não há muito para dizer, principalmente porque Sonic sempre teve bandas sonoras incríveis e, o facto de terem adicionado a banda japonesa ONE OK ROCK, foi algo de fantástico, pois a música deles encaixam-se perfeitamente com a essência da personagem da SEGA.

Sonic Frontiers
Por fim, resta concluir que, Sonic Frontiers é uma lufada de ar fresco na série. Se, por um lado, Sonic Mania levou o prémio nostálgia e mostra que é no 2D que os jogos clássicos de Sonic se devem manter, por outro lado, Sonic Frontiers mostrou que é possível que os jogos 3D do ouriço azul sejam legitimamente bons. Importante destaque para o mundo aberto que torna o jogo ainda melhor e que, dependendo do sucesso do mesmo, deveria-se manter nas próximas entradas.

Nota Final: 8/10

Sonic Frontiers está disponível para PC, Nintendo Switch, PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series

Desenvolvedor: SONIC TEAM
Distribuidor: SEGA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *