Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Jogos: Análise – Forgive Me Father, Omen of Sorrow e outros

Hoje trazemos-vos análises de alguns dos jogos que temos jogados, entre eles Forgive Me FatherOmen of SorrowLucid CycleSilver Chains.

Forgive Me Father

A 1C Entertainment e a Byte Barrel juntaram forças para lançar Forgive Me Father em regime de Early Access.

Com cerca de 4 horas de jogo, 12 níveis e 2 bosses para combater, este retro-FPS inspirado pelas obras de H.P. Lovecraft é muito impressionante, a começar pelo estilo de arte escolhido para ilustrar a violência e o medo.

Utilizando as mecânicas familiares do género, Forgive Me Father ganha com o poder do seu arsenal de armas e os elementos RPG, que permitem que tenhamos uma experiência única, mais desenvolvida para o nosso próprio estilo e preferências.

Os ditos monstros também têm eles as suas forças e fraquezas, não se limitando a serem meros alvos para andarmos aos tiros, forçando-nos a ter frequentemente uma noção táctica em como abordar pelos caminhos dos níveis. Pelo meio, há a possibilidade de descobrir locais secretos.

No fim, ficamos com muita curiosidade em ver como será a versão final do jogo, demonstrando desde já muito potencial.

Nota Final: 9/10

Forgive Me Father está disponível para PC (Steam) (Epic Games) (GOG)

Silver Chains

Desenvolvido pela Cracked Heads Games, Silver Chains é um jogo de terror que se esforça para nos assustar. Depois de um grave acidente, acordamos numa mansão abandonada, sem saber como lá chegamos. Ao explorarmos a casa, rapidamente nos deparamos com sons estranhos, vozes e monstros a perseguir-nos.

É com os elementos de puzzle inseridos no jogo, muitos deles revelados ao interagirmos com eles, é que vamos percebendo mais ou menos o que pode ter acontecido a nós e aquilo que invade aquela casa.

Silver Chains, no entanto, não é para todos os jogadores. É um jogo cuja tensão perdura a maioria parte do jogo, sem que hajam momentos de acção ou alívio, deixando-nos com o coração na boca sem parar. A inexistência de instruções claras, oferecendo em troca alguma liberdade, é só por si uma opção assustadora de origem.

Assim, Silver Chains é uma demonstração de boas ideias num jogo relativamente curto, imersivo e tenso, mas a sua especificidade poderá afastar alguns jogadores que procuram experiências mais animadas.

Nota Final: 6/10

Silver Chains está disponível para PC, Xbox Series X|S, PlayStation 4 e Nintendo Switch

Lucid Cycle

Se um jogo pudesse mostrar de forma real o que acontece ao nosso subconsciente durante os sonhos, Lucid Cycle seria uma boa forma de descobrir.

Desenvolvido por Tonguç Bodur, o jogo põe-nos à prova com uma série de puzzles em diversos cenários, repletos de cor e luz, com objectivos tão diferentes e distantes que não temos bem certeza qual o grande fim deste jogo.

É decerto dos jogos mais intrigantes que já se jogou por aqui, sendo das experiências mais relaxantes até hoje. A estranheza que causa, a dada altura, passa a fazer sentido com algum contexto, mas é nas suas surpresas inesperadas que Lucid Cycle nos mantém cativados para ver o que vem a seguir.

A lógica dos seus puzzles, juntamente com uma banda sonora emocionante, faz com que Lucid Cycle seja dos jogos mais interessantes do ano.

Nota Final: 8/10

Lucid Cycle está disponível para Xbox Series X|S, Xbox One, PlayStation 4, PlayStation 5, PC e Nintendo Switch

Omen of Sorrow

Se o sonho era juntar alguns dos monstros mais famosos do terror do cinema, da literatura e da mitologia num beat ’em up ao bom estilo do género, então Omen of Sorrow deu um passo em frente para nos introduzir a uma história um bocadinho mal contada, que junta estas personagens todas.

A acção repetitiva do jogo põe-nos a combater oponentes como Imhotep (conhecido por ser a Múmia), Gabriel (como o anjo), entre outros, sob uma narrativa algo quebrada. Ainda que seja um jogo para durar algumas horas, a possibilidade de escolher diferentes rumos e isso afectar os diferentes cenários e inimigos que vamos lutar, faz com que haja valor de repetir as jogadabilidade e prosseguir por novos caminhos.

As mecânicas tradicionais dos beat ’em up encontradas aqui são bastante sólidas, com um grafismo aceitável e uma música de fundo que não chateia de todo. Adicionalmente, o modo arcada permite experimentar as forças e as fraquezas de todas as personagens ao nosso gosto, sem pressões.

Omen of Sorrow é uma boa ideia, cuja ambição de fazer um jogo ao estilo de Injustice, com outro elenco, podia ser melhor. Felizmente, as suas falhas são compensadas por uma jogabilidade bem desenvolvida, capaz de divertir por tempo suficiente os fãs do género.

Nota Final: 7.5/10

Omen of Sorrow está disponível para PC, PlayStation 4 e Xbox One

O Central Comics agradeces às respectivas distribuidoras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.