Curtas de Vila do Conde

Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Hollywood enfrenta greve dos argumentistas

Os sindicatos que representam milhares de argumentistas de cinema e televisão entraram em greve na semana passada, interrompendo grande parte da produção. É a primeira greve de Hollywood desde 2007. O que é isto significa?
A cada três anos, as filiais leste e oeste do Writers Guild of America representam 11 500 escritores de televisão e cinema para negociar um novo contrato com os principais estúdios de Hollywood. Esperava-se que as negociações desta vez fossem tivesses resultados do interesse dos argumentistas.

Writers Guild of America

O crescimento da produção de televisão na última década, nomeadamente a expansão dos serviços de streaming, está na origem da discórdia.
Os escritores criticam que a remuneração estagnou. Os argumentistas reivindicam por melhores salários, condições dignas de trabalho e compensação compatível na era do streaming. Isto porque, o streaming recusa-se a fornecer o número de quantas pessoas assistem e quantos assinantes. Não existe como quantificar a audiência para encontrar um valor justo para honorar o trabalho do argumentista.
O Writers Guild of America propõe propostas para resolver esta questão, para pagar pelo tempo dedicado à produção e pela criação dele mesmo, em si.

Ora, o contrato de remuneração dos argumentistas de televisão foi elaborado num período em que tinham, em média, cinco emissoras nos Estados Unidose e as séries eram feitas com aproximadamente 20 ou 25 episódios. A realidade actual é bem diferente, com o streaming, é comum uma série ter seis, oito ou dez episódios.
Os escritores estão a lutar por um melhor salário residual – um tipo de royalties para reposições e outras transmissões – que eles dizem ser uma fonte crucial de rendimento para o escritor de classe média que foi prejudicado pelo streaming. Conclusão, o argumentista precisa de procurar outros trabalhos para pagar as suas obrigações.
Outra das reivindicações, é a exigência de que o uso da inteligência artificial seja regulamentado e não haja recurso a qualquer tecnologia semelhante para criar argumentos usando produções já existentes dos argumentistas.

Writers Guild of America
Christopher Nolan, também ele argumentista, juntou-se à greve

A greve começou um dia depois do término do contrato trabalhista com os maiores estúdios de Hollywood. De acordo com o WGA, foram seis semanas de negociação com a Netflix, Amazon, Apple, Disney, Wagner Bros. Discovery, NBC Universal, Paramount+ e Sony, sem sucesso.
Programas nocturnos, incluindo “Saturday Night Live” e séries como “The Tonight Show Starring Jimmy Fallon”, “The Late Show With Stephen Colbert”, “Jimmy Kimmel Live!” e “Late Night With Seth Meyers” sofrem de imediato com a greve dos argumentistas. Basta recordar, que durante a greve de 2007, os programas nocturnos foram suspensos durante dois meses.

Se a greve for prolongada, os telespectadores começarão a notar uma redução na oferta de novas séries de televisão, embora essa situação não seja visível até ao final do ano. Os reality shows, bem como os programas internacionais, começarão a ser transmitidos em substituição.
As novelas norte-americanas, um gênero em extinção, ficarão sem novos episódios após um mês de greve.



Na indústria cinematográfica, será necessária uma longa greve para que o cinema seja afectado, devido aos longos tperíodos de produção. Os estúdios de cinema trabalham com cerca de um ano de antecedência e a grande maioria dos filmes com estreia prevista para este ano já foram filmados.

A produção da quinta e última temporada de Stranger Things já foi adiada devido à greve. A produção da segunda temporada de The Last of Us estava no bom caminho, até ser suspensa no início da semana. E muitas outras séries podem começar a sofrer adiamentos.

The Last of Us



Uma paralisação prolongada da produção pode prejudicar os trabalhadores que trabalham directamente e inderectamente com as produções audiovisuais, como motoristas, carpinteiros, costureiras, cenografistas, entre outras actividades. Na greve de 2007, que durou 100 dias, a economia de Los Angeles sofreu um impacto estimado de 2 mil milhões de dólares.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Verified by MonsterInsights