Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Fantasporto: Um brevíssimo historial do festival

O Fantasporto – Festival Internacional de Cinema do Porto, vai chegar à 43ª edição em 2023, e por isso nada melhor do que recordar a sua história, pelas palavras do director Mário Dorminsky:

“O FANTASPORTO teve início em 1981 como mostra de cinema, algo que não se via até essa altura nas salas ditas comerciais. Devido à censura, existente até 1974, tornava-se atractivo para os cinéfilos, e não só, a descoberta de cinematografias desconhecidas como as dos Países do Leste Europeu ou da Ásia sendo esse o grande objectivo do festival, mostrar esse cinema concomitantemente com o realizado por grandes nomes do cinema Mundial, cujos filmes até aí também não tinham chegado às salas de cinema.

Foi entretanto criada com uma competição virada para o cinema do imaginário, ou fantástico, tendo o certame favorecido sempre o Cinema independente descobrindo os nomes emergentes do cinema, realizando retrospectivas de filmes clássicos. a maioria inéditos em Portugal, bem com o desconhecido cinema português, que sempre apoiou.

Criou desde a sua primeira edição diversos eventos paralelos, nomeadamente nas áreas das Artes Plásticas, Música, Teatro e outras vertentes da Cultura, transformando-se assim também como um festival para todas as vertentes da Cultura. Aos poucos foi sendo descoberto pelos média, também eles estrangeiros como exemplo de projecto de inovação e pioneirismo sendo aí também reconhecido pelas maiores revistas de cinema do Mundo como o “Variety” (que o colocou entre os 25 maiores do Mundo) ou o “International Film Guide”, entre muitos outros media.

Fantasporto 2023

INOVAÇÃO E PIONEIRISMO

Passados 10 anos foi o primeiro festival da área do Fantástico a introduzir uma segunda secção competitiva, esta generalista. Foi em 1991 – a chamada Semana dos Realizadores que já vai na para a 33ª edição. Entretanto esta iniciativa foi seguida pelo festival de Sitges que, com o Fantasporto, eram os dois mais importantes festivais de cinema deste tipo. Seis anos depois, foi o 1º festival europeu a criar uma secção competitiva só para o cinema asiático, primeiro denominada de Fantasia e posteriormente de Orient Express a qual vai na sua 23ª edição. Nessa secção nova do festival criou uma sub secção dedicada à anime, emergente da manga asiática (banda desenhada), algo extremamente popular na altura.

Tem como momentos altos na Europa e no Mundo:

– Realizou a 1ª Retrospectiva de Steven Spielberg na Europa , no ano de 1989 algo referenciado que no site do realizador, quer no IMDB.

– O Fantasporto organizou ainda em 1990 uma completa retrospectiva dedicada a Walt Disney – ÚNICA retrospectiva do realizador pelo menos na Europa até hoje, 2014, com autorização da companhia e com publicação de um livro.

– Organizou a primeira competição entre videoclips inéditos a nível mundial.

– Introduziu o cinema neo-zelandês na Europa.

– Introduziu o cinema sul-coreano na Europa .

– Foi o 1º festival português a editar filmes vencedores do certame em primeiro em VHS, depois em DVD. Também editou obras completas de cineastas exibidos no festival como Bill Plympton e Kornal Mundruzco e muitos outros

– Exibiu e lançou em cinema e VHS os primeiros 3 filmes de Peter Jackson, distribuiu filmes clássicos e recentes exibindo-os nos cinemas, no circuito comercial, editando-os em VHS e DVD, vendendo os seus direitos às televisões em canal aberto e depois às TV´s por Cabo, situação que se mantem ainda correntemente. Falamos de um total de mais 300 títulos editados relacionados com o festival, o que deu uma posição forte no Mercado e reforçou as suas relações com a Indústria.

– Foi o 1º festival a nível mundial a instituir um Programa Especial Temático de Cruzamento com as Artes correlativas desde 2009. Já foi seguido pelo festival de Sundance.

– Organizou o 1ª Encontro de Film Bloggers em 2010, o qual se continua a realizar

– Organizou o 1º Encontro Nacional de Escolas de Cinema em 2014, o qual também se continua a realizar

– Institui a Secção “Fantas Classics” em 2014 de exibição de filmes clássicos-chave da História do Cinema, normalmente em versões restauradas. Esta secção já vinha sendo esboçada desde há 4 anos com filmes como “Get Carter“, “La Planète Sauvage” e “Blade Runner”, “The Red Shoes”, “E Tudo o Vento Levou”, “The Wizard of Oz”, etc… Esta secção continua a realizar-se, sendo um dos “must” do festival.

– Institui as “Industry Screenings”, espaço ocupado por companhias produtoras e distribuidoras internacionais onde são exibidos e promovidos os seus filmes, sobretudo na área do fantastico.

DATAS MARCANTES

1981- 1ª edição do Fantasporto

1991- introdução da secção competitiva generalista “Semana dos Realizadores”

2004 – introdução da secção competitiva “Orient Express”

2009 – introdução do “Programa Especial” de Cruzamento do Cinema com as Artes

2012 – introdução do “Prémio de Cinema Português – Melhor Filme e Melhor Escola de Cinema”

2014 – Instituição das Secções “Fantas Classics” e “Industry Screenings”

2023 – 43ª edição do Festival realizado sob a direcção de dois dos fundadores do certame

NOMES IMPORTANTES QUE NOS VISITARAM

É responsável pela descoberta de novos cineastas, sobretudo com das suas primeiras obras, nomes que se revelaram já como ganhadores de inúmeros prémios no circuito internacional, inclusive Óscares, e hoje nomes incontornáveis da História do Cinema.

– Década de 80

David Cronenberg, Luc Besson, Neil Jordan, Pedro Almodovar, Sam Raimi, Wes Craven, David Lynch, Johnny To, Tsui Hark, Ring Lam, Lars von Trier, Joel and Ethan Coen, Michael Radford, Jean Jacques Beineix, Roland Emmerich, Vicente Aranda, Leos Carax, Renny Harlin, George Romero, John Carpenter, Paul Verhoeven, Abi Feijó,

– Década de 90

Tom Stoppard, Shynia Tsukamoto, Serguei Paradjanov ,Sharunas Barta, Peter Jackson, Guillermo del Toro, Danny Boyle, David Fincher, Wachowski Brothers agora Wachovski Sisters (as realizadoras do quarto MATRIX”), Nick Cassevetes, Tod Solondz, Alain Jessua, Bill Plympton, Vincenzo Natali, Anthony Minghella, Quentin Tarantino, Michael Haneke, Takashi Miike, Arnaud Selignac, Barry Sonenfeld, Peter Greenaway, Wong Kar-Wai , Jean Claude Carrière, Tim Robbins, Mario Martone, Baz Luhrman, André Delvaux, Alex de la Iglesia, Hayao Myazaki, Edgar Pêra, Leni Riefenstahl, Gaspar Noé, Alex Proyas, Manuel Mozoas, Fernando Vendrell, Margarida Gil, Solveig Nordlund, Philip Ridley.

– Década de 2000-2010

Alexandro Iñaturri, Kim-ki-Duk, Paul Greengrass, Juan Carlos Fresnadillo, Michael Cuesta, Kim Je-Woon, Anders Thomas Jensen, Chan Wook-Park, Kornel Mundruczo, Jaume Balagueró, Sabu, Olle Bornedal, Christopher Nolan, Filipe de Melo, Artur Ribeirto, Artur Serra Araújo, Tiago Guede, Frederico Serra, Filipe Rodrigues, Luís Diogo, Alexander Payne, Christophe van Rompaey, Im Sang-Soo, Steven Soderberg, Jean Pierre jeunet, Max caro, Guy Maddin, Richard Stanley, Steve McQueen.

– 2011-2022

Im Sang-Soo, Elbert van Strien, Tim Fehlbaum, Evan Glodell, Konstantin Bojinov, Andrès Muschietti, Karen Shaknazarov, Dominic Sena, Aharon Keshales, Navot Papushado, Pablo Trapero, Helene e Bruno Forzani, David Verbeek, Rhys Davis, Kike Mailo, Paolo Geneovese, Sebastian Borenzstein, Rosto, Giorgio Amato, Terence Davies, Sang-hoYeon, Shion Sono, Mark Bodzsar, Bastien Gunther, Brendon Muldoey, Memet Bahadir Er, Jonathan Teplitzky, Maryna Gorbach, Alexandra Gulea, Elina Psykou

Estes nomes pertencem a cineastas já premiados internacionalmente, antes ou depois de verem os seus filmes exibidos no Fantasporto. Destes realizadores , a maioria deles presentes no festival, apresentamos os seus primeiros filmes que foram premiados no Fantasporto, (Grande Prémio ou Prémio da Semana dos Realizadores), seguindo depois importantes carreiras internacionais.

OUTROS MOMENTOS E ALGUNS CONVIDADOS MAIS MEDIÁTICOS

Antestreamos na Europa ainda filmes charneira para a História do Cinema como “Blade Runner” de Ridley Scoot, “Dracula” de Francis Ford Coppola, “The Addams family” de Barry Sonnenfeld, ”Sleepy Hollow” de Tim Burton.

Tivemos ainda no festival, de entre mais de um milhar de realizadores, personalidades como

Ben Kingsley, Max Von Sydow, John Hurt, Paul Schrader, Peter Fleischman, Andrezj Zulawski, Dario Argento, Karen Black, Rossana Arquette, Wim Wenders, Danny Elfman, Samuel Hadida, Julien Temple, Guillermo del Toro, Alex Cox, Dough Bradley, Carlos Saura, Brian Yuzna, Shynia Tsukamoto, Anthony Minguella, Danny Boyle, Luc Besson só para referirmos algumas, quase todos vencedores de Óscares de Holywood.

CINEMA PORTUGUÊS

Recebemos ainda personalidades portuguesas como Manoel de Oliveira (celebrando os seus 105 anos), Maria de Medeiros, Ruy de Carvalho, Fernando Lopes, José Fonseca e Costa, Luís Galvão Teles, Paulo Trancoso, Paulo Branco, António Pedro de Vasconcelos, Lauro António, António de Macedo, Henrique Espírito Santo, todos homenageados com o Prémio de Carreira do Fantasporto desde 2006.

O Cinema Português está presente todos os anos desde a 1ª edição do Fantasporto e tem já revelado nomes importantes assim como dado lugar às novas gerações. Há sempre uma ou duas personalidades homenageadas e com retrospectiva em cada edição. A defesa do cinema português culminou com a instituição do Prémio de Cinema Português em 2012 que premeia o Melhor filme, mas também a Melhor Escola de Cinema.

UM FANTASPORTO CONSOLIDADO

O Fantasporto encontra-se consolidado internacionalmente ao fim de 42 edições, estando em plena maturidade como os maiores festivais europeus: San Sebastian, Karlovy-Vary, Sitges, Bruxelas, Berlin ou Cannes. Sempre crescendo de ano para ano, com inovação e pioneirismo (ver acima), o festival tem acompanhado as tendências mais recentes do cinema mundial.

Infelizmente, a nível nacional, e por razões alheias ao festival e aos seus organizadores, desde 2009 (com a grande crise financeira em Portugal e a entrada da troica no país) que tem sofrido regressões graves no seu financiamento quer público, quer privado, o que se veio a agravar nos ainda nos últimos anos. No entanto, sobrevivendo à crise, apresentou sempre alto nível de participação, quer de profissionais quer de público. Em 2014 foi obrigado a lutar contra mais restrições económicas devido a vários factores, sobretudo à nova crise financeira vivida no país, sendo ainda mais difícil encontrar patrocinadores privados, mantendo os apoios do Estado e da Câmara do Porto, mas registou ainda assim, percentualmente um pequeno aumento no número de espectadores com bilhete pago, tendo em conta o número de sessões, que foi reduzido (menos 72 sessões gratuitas da secção Fantas in Shorts realizadas em 2013) e nos dias de realização do festival (10 dias em vez de 15, o que na altura já seria um exagero devido à concorrência muito forte das televisão com os seus canais de cinema e os canais de streaming como a HBO, Amazon ou Netflix), que aliás fizeram reduzir antes do inicio do período da infecção COVID o número de espectadores nas salas de cinema em Portugal em 90%!!!

O FESTIVAL AGUENTA A CRISE ECONÓMICA E MANTEM-SE FORTE

Há uma participação cada vez mais elevada de países – desde 2020 realizadores, produtores ou empresas representando cerca de 65 países submeteram filmes ao festival (anualmente cerca de mil) o que demonstra um significativo prestígio internacional do festival.

Ultrapassamos com sorte o período da pandemia, realizando assim os festivais de 2021 e 22…E assim chegamos a 2023, num ano em que vamos mudar de sala. Depois do Carlos Alberto e posteriormente do Teatro Rivoli, chegaremos ao BATALHA, espaço icónico renovado pela CMP para Centro de Cinema, o qual acolherá o FESTIVAL.

PARA DESCOBRIR O QUE TEM SIDO TODO O FANTAS FIZEMOS O LIVRO FANTASPORTO 40 ANOS- UMA HISTÓRIA DE CINEMA E O DOCUMENTÁRIO DE LONGA METRAGEM, realizado por Isabel Pina, FILME COM O MESMO NOME

O Fantasporto ano a ano, os convidados, os visitantes, os prémios, os programas especiais, as caras e os factos, as curiosidades, centenas de fotos e muito mais. Uma antologia e um filme sobre os 40 anos de um festival de cinema que se impôs no mundo. “

 

One thought on “Fantasporto: Um brevíssimo historial do festival

  1. Sou super fã do Fantasporto. Reconheço que já teve melhores dias, e que poderia ser bem melhor organizado. Mas nunca falto, desde que comecei a ir.
    E mal posso esperar por assistir ao Fantas no Batalha!
    E se conseguir um passe, melhor ainda 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *