Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Como “Shazam!” fere a 1ª Lei de Newton?

De acordo com a ciência, em ‘Shazam!’ a física não se aplica na cena do autocarro. Já pensam nesse caso?

Este é um doozy (rapaz solitário). O super-herói como assunto geralmente exige que o público suspenda a descrença. Mas quanto mais fundamentados na realidade esses filmes se tornam, mais difícil é ignorar algumas das questões mais gritantes, como um completo desrespeito pelas leis da física. Claro, pode ser parte da natureza do Shazam desafiar essas leis, mas um autocarro comum simplesmente não pode.

Num ponto do filme, Shazam acidentalmente chama um relâmpago numa ponte, enviando um autocarro na direção da borda. Uma vez que Shazam chega de baixo da ponte, o autocarro está prestes a balançar sobre a borda. Um homem cai do para-brisa porque, bem, gravidade. O para-brisa começa a rachar com aquela queda. Em seguida, o autocarro cai sobre a borda.

Bom, eu não era um bom aluno em Física (rs). No entanto, não pude deixar de notar alguns problemas em Shazam!:

  • Primeiro, é o caso do para-brisa. Shazam segura o autocarro de frente para baixo pelo para-brisa. Então, o peso de um homem faz o para-brisa partir, mas o peso do autocarro inteiro caindo e parando abruptamente nas mãos de Shazam não?

 

  • Em segundo lugar, Shazam não voou no ar e agarrou o autocarro antes que ele ganhasse velocidade com a queda. Ele ainda estava no chão. A força do autocarro a cair e a parar nos objetos imóveis que são as mãos de Shazam em vez do chão a apenas dois metros abaixo ainda teria causado uma quantidade enorme de danos, ferimentos e prováveis ​​mortes.

 

1ª Lei de Newton

A lei em demérito aqui é a primeira lei de Newton – no caso, o Princípio da Inércia. Nas palavras de Newton: 

“Um objeto que está em movimento retilíneo uniforme não mudará a sua velocidade a não ser que uma força resultante não nula aja sobre ele.”.

Ou seja, isto significa que um objeto em repouso ou movimento retilíneo uniforme tende a permanecer nesse estado se a força resultante sobre ele é nula.

Segundo o Mnpef-UFABC (Programa Nacional de Mestrado Profissional em Ensino de Física, da Universidade Federal do ABC), o princípio da inércia pode ser observado em várias situações como:

  • No movimento de um autocarro. Quando o autocarro “arranca” a partir do repouso, os passageiros tendem a deslocar-se para trás. Da mesma forma, quando o autocarro já em movimento trava, os passageiros deslocam-se para a frente, tendendo a continuar com a velocidade que possuíam;
  • Um passageiro pode ser arremessado para fora do carro, pois ele tende a continuar em movimento, já que a força externa aplicada pelo muro age sobre o carro e não sobre ele;
  • O corpo tende a permanecer em repouso.

Em resumo, o Mnpef-UFABC explica que a primeira lei é primordial para se estabelecer um referencial inercial, sistemas de referências em que corpos livres não tem o seu estado de movimento alterado, ou seja, corpos livres não sofrem acelerações quando não há forças sendo exercidas, pois as leis de Newton são válidas apenas para referenciais inerciais.

Acho que Henry Gayden e Darren Lemke (argumentista do filme) faltaram em algumas aulas de Física.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *