O Dia Mais Curto

Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

CINEMA: CRÍTICA – SOMBRA (2021)

Depois de Carga (2018), o realizador e argumentista Bruno Gascon traz às salas portuguesas Sombra. Inspirado em histórias verídicas de desaparecimentos de crianças, esta é uma adaptação do caso do desaparecimento de Rui Pedro, um rapaz de 11 anos, em 1998.

“Em tempos de guerra os pais enterram os filhos. Em tempos de paz os filhos enterram os pais”. Proferida por Ana Moreira envolta num feixe de luz, esta é a frase que abre o filme. Dois cenários que pressupõe uma justificação, um conhecimento das causas que levaram à morte prematura ou não de um familiar. Infelizmente, nem todas as histórias acontecem assim. Infelizmente, são múltiplos os casos de familiares cujo paradeiro nunca é descoberto.

Várias são as reportagens, entrevistas e relatos que surgem ano após ano, e que nem por isso são suficientes para evitar que tamanhas tragédias aconteçam. Não é fácil encontrar palavras que descrevam o impacto e a dimensão do desaparecimento de Rui Pedro ao fim de 23 anos. Não é fácil encontrar palavras que descrevam o turbilhão de ideias e pensamentos que convergem ao saber como tudo acontece ou não acontece após um desaparecimento.

Sombra está dividido em quatro partes que decorrem entre 1998 e 2013. Quando começa já vemos uma equipa de buscas à procura de Pedro. Com uma sensibilidade notável, Bruno Gascon traduz a passagem do tempo e de cada estado de espírito de uma forma tão intensa que nos obriga a lembrarmo-nos de respirar. Está adjacente um sentimento de impotência.

Apresentada por uma beleza técnica que nos deixa de pés no chão, a história é inevitavelmente forte e dramática, evitando qualquer categorização melodramática. O tema é tratado com a seriedade necessária que lhe é devida.

O foco incide sobre aqueles que vivem com esta dor e, acima de tudo, deixa que a sua voz se propague. Da parte dos actores é notório o respeito permanente que potencia as suas interpretações marcantes. Sombra conta com nomes como Joana Ribeiro, Sara Sampaio, Lúcia Moniz, Ana Bustorff, Ana Christina de Oliveira, Raimundo Cosme, Sara Norte ou João Cabral. No entanto, é de destacar Vítor Norte no papel do avô António, Miguel Borges no papel do pai Mário e Tomás Alves no papel do inspector da judiciária.

Porque praticamente todo o filme assume a perspectiva da mãe e da sua família, Ana Moreira mostra uma força e brio tremendos. A actriz empurra a acção para a frente, transportando consigo o peso e a voz de todas as mães que tiveram a oportunidade de lhe falar a ela e ao realizador.

“Em tempos de guerra os pais enterram os filhos. Em tempos de paz os filhos enterram os pais”. Sombra fala de perda, mas acima de tudo é sobre esperança, luta e resiliência de uma mãe. Enquanto a verdade não vier ao de cima, nada está perdido; “uma mãe sabe”.

Já em 2021, Sombra passou pelo Barcelona-Sant Jordi International Film onde arrecadou o Prémio da Crítica e o prémio Filme-História que pretende distinguir filmes pelos seus valores históricos. Passou também pelo Ischic Film Festival e pelo Shanghai International Film Festival.

Esta semana foi anunciado como um dos seis pré-seleccionados a candidato de Portugal aos Oscars 2022 na categoria de Melhor Filme Internacional.

Sombra estreia hoje nas salas portuguesas.

Classificação final: 8,5

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *