Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Análise: Moonshadow (ed. brasileira Pipoca e Nanquim)

Moonshadow, a obra prima de J.M.DeMatteis e Jon J.Muth ainda com as participações de Kent Williams e George Pratt, elevou para outro patamar a banda desenhada direccionada para um público mais adulto, sendo provavelmente a história “coming of age” mais famosa do meio.

Moonshadow

Na história conhecemos e seguimos a vida de Moonshadow, que faz de narrador.

Ele é um jovem romântico e sonhador que nasceu de uma relação entre uma humana (a sua mãe hippie de nome Sunflower) e um ser alienígena com os poderes de um Deus que pertence a uma raça de esferas flutuantes enormes com um sorriso irónico e misterioso pois pouco se sabe sobre eles.
 
Por algum motivo andam pelo universo a abduzir as mais diferentes espécies intergalácticas para as prender num jardim zoológico espacial. As esferas aparecem e desaparecem conforme lhes apetece e são conhecidos como os Des-Mesu, um trocadilho bem executado das palavras “Sem Deus”, já que no original em inglês a tradução se dá por G’L – Doses derivando de Godless . 
 
Sendo um destes seres o pai do protagonista e sem nunca se saber a razão da união entre a humana que deu este fruto, a verdade é que ele decide libertar os dois do  zoológico onde estão, deixando-os conhecer o cosmos a bordo de uma nave espacial. 
 
Além da mãe e filho, juntam-se na nave, o fiel gato de estimação Frodo, e uma das personagens secundárias mais interessantes de sempre. Falo de Ira, o melhor amigo de Moonshadow, um alienigena que posso caracterizar como uma espécie de “chewbacca” no aspecto físico mas que é um degenerado, pervertido, egoísta, egocêntrico e um mal humorado crápula que só pensa em sexo e bebidas alcoólicas. 
 
Moonshadow
 
Moonshadow, que só foi adquirindo o seu conhecimento da humanidade através de uma gigantesca biblioteca fornecida pelo pai, vai descobrir que na realidade, tudo é muito diferente do que colheu nos seus livros .
 
Beneficiará muito da leitura quem tiver conhecimento prévio dos grandes clássicos da literatura mundial, pois são bem claras muitas influências  e paralelismos de DeMatteis com as obras de escritores como Tolkien, Charles Dickens, Dostoievski, Kurt Vonnegut, Lewis Carrol ou mesmo gostos musicais como os Beatles.
 
O argumento é bastante onírico, poético, intenso e muito sensível.. A história cresce com o protagonista e chega a um epílogo maravilhoso. 
 
Moonshadow faz a autodescoberta ao mesmo tempo que vai descobrindo e discutindo nas suas aventuras e viagens os diferentes temas como : politica, sexo, guerra, filosofia, religião, vida e morte.
 
A arte de Jon J. Muth é sublime e excepcional. Diria mesmo divinal, como se o próprio Des-Mesu o tivesse dotado de tais capacidades e atributos. Desde a organização das vinhetas, as esplendorosas “splash pages”, a coloração fantástica e o jogo de luzes estonteante ou a capa deste livro que para mim é um hino à ilustração.
 
Moonshadow
 

Esta leitura foi feita no português do Brasil, na segunda edição e reimpressão da editora brasileira Pipoca e Nanquim. 

Posso referir que a edição portuguesa esteve perto de acontecer pela editora G-Floy Estúdios Portugal, mas por motivos financeiros não achou viável fazer por cá a edição, pois infelizmente, acharam que o livro ficaria muito dispendioso e teria de ser vendido com um preço muito alto para o nosso mercado. 
 
Assim sendo , posso recomendar esta solução que se assemelha bastante à versão em inglês da Dark Horse. A editora Pipoca e Nanquim fez algumas alterações nesta reedição para manter o mesmo preço de venda ao público, pois também no Brasil se fez sentir, e muito, a subida de preços. Um esforço que é de louvar por parte da editora.
 
Manteve-se a capa dura com acabamento de luxo e verniz localizado, a lombada passou de redonda a quadrada com uma encadernação exemplar e miolo cosido categoricamente. Retirou-se a fita marcadora de páginas em tecido e o único pecado encontra-se no papel.
 
Ao papel brilhante  foi-lhe retirado bastante gramagem o que torna as páginas meio translúcidas , os desenhos por detrás das folhas tornam-se perceptíveis ao manusear o que é um grande defeito. 
 
Moonshadow
 
Tirando isso, a edição é excelente, além de compilar as 12 edições originais da minissérie, traz como extras um prefácio de DeMatteis, páginas originais do roteiro e ideias preliminares desta épica história de fantasia e ficção. A cereja no topo do bolo é ainda a inclusão do conto ilustrado “Adeus, Moonshadow” que os autores fizeram anos depois, e que se passa também anos após o término da saga com um Moonshadow mais velho. 
 

Um conto de fadas para adultos que deve imperativamente fazer parte da coleção de qualquer bedeteca ou biblioteca que se preze. 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Verified by MonsterInsights