Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

O gato do rabino Volume 6, de Joann Sfar

Nove anos depois, chega o novo álbum “Não terás outro Deus além de mim” da série de banda desenhada do Gato do Rabino, de Joann Sfar, agora numa nova “casa”, a Ala dos Livros.

O último lançamento desta série tinha sido em 2012, com o álbum duplo “O Paraíso Terrestre/Jerusalém de África” na colecção “Os Incontornáveis da BD”, da ASA com o jornal Público.

Com O GATO DO RABINO, Joann Sfar criou um dos seus personagens mais acarinhados pelo público, o qual regressa à companhia dos leitores portugueses com esta nova história cheia de ternura.

O gato está desesperado: a sua dona, Zlabya, está grávida… O que irá acontecer? Continuará a prestar-lhe atenção? Continuará a receber as suas carícias e a estar com ela quando lhe apetecer? Qual será agora o seu papel? Talvez tenha chegado a altura de procurar um outro lar…

O Gato do Rabino Vol. 6
Não terás outro Deus além de mim
Argumento e Desenho: Joann Sfar
Cor: Brigitte Findakly
Ala dos Livros
56 páginas. Cor
Cartonado. 220 x 295mm
Novembro de 2021. Ala dos Livros
PVP: 16,00 €
ISBN: 978-989-53039-7-7

Argumento e desenho: Joann Sfar

Joann SfarDesenhador e argumentista de banda desenhada, romancista, realizador, cronista, Joann Sfar é natural de Nice, França, tendo-se estreado na banda desenhada em 1994 com o álbum “Les aventures d´Ossour Hyrsidoux”, bem como com várias reportagens na revista “Lapin”, editada pela L´Association (que também publicará alguns álbuns de pequeno formato na colecção “Patte de Mouche”). Líder da geração que, nos anos 1990, renovou a banda desenhada de expressão francesa, Sfar tem no seu currículo mais de cem álbuns, desde “Petrus Barbygère” (o seu primeiro álbum a cores, que publica em 1996 na editora Delcourt), a “Amertume Apache”, que surge em 2020, assinado em parceria com Christophe Blain (Dargaud).

Entre as obras mais importantes da sua carreira de autor de banda desenhada contam-se “Donjon”, “Pascin”, “Klezmer”, “Chagall en Russie”, sem esquecer “Le Petit Vampire” ou “Aspirine”.  Mas será com a série “O Gato do Rabino”, uma homenagem às suas raízes judaicas, e que relata a história das relações entre o rabino e o seu gato, um animal capaz de falar e de raciocinar como os humanos, que Sfar obtém 3 prémios no Festival de Banda Desenhada de Angoulême em 2003, para além de outros galardões. Esta série, de que actualmente existem 10 títulos publicados no original, continua a ser a sua obra-prima, tendo já vendido mais de um milhão de exemplares em França, encontrando-se publicada em 21 línguas.

Em 2011, em colaboração com Antoine Delesvaux, Sfar adapta esta série de culto ao cinema de animação, tendo recebido um César. Essa mesma distinção tinha já sido obtida pela sua “Gainsbourg (vida heróica) “, biografia filmada do cantor.

Definindo-se a si próprio como um desenhador compulsivo que não passa um dia sem pegar no lápis, Sfar é também escritor. E porque este contador de histórias dá tanta importância às palavras quanto às imagens, sente-se tão à vontade diante das suas pranchas quanto à frente do ecrã do seu computador ou atrás de uma câmara.

Sfar publicou recentemente, com sucesso, vários romances: “Comment tu parles de ton père” (Albin Michel, 2016), “Le Niçois” (Michel Lafon, 2016), “Vous connaissez peut-être” (Albin Michel, 2017) ou encore “Modèle vivant” (Albin Michel, 2018)

Recentemente, Joann Sfar desenvolveu o universo do “Niçois” com um primeiro spin-off, “Fashion Week” (Dargaud, 2020), uma aventura hilariante e fictícia em torno de uma notícia que fez as manchetes dos jornais: o roubo das jóias de Kim Kardashian!

2 thoughts on “O gato do rabino Volume 6, de Joann Sfar

  1. Boa tarde,
    Alguém pode explicar a esta editora que uma serie começa com o nº 1?
    Não é porque os primeiros volumes já foram editados no passado, que é inútil reimprimir os volumes esgotados.
    Não é a primeira vez no caso da “ALA dos livros ” , é falta de respeito pelos novos leitores, é no meu ver é simplesmente estúpido.
    Não se queixam depois que compramos edições estrangeiras.
    Cordialmente.

  2. Caro Cláudio,
    Vamos por partes:
    – Nós não temos de nos queixar se os leitores compram ou não edições estrangeiras ou portuguesas. Defendemos que cada um compra o que acha que deve comprar.
    – Nós compramos direitos para publicar obras. É um investimento (que pode correr bem ou correr mal). E quando comprámos os direitos da série o Gato do Rabino os direitos dos tomos 1 a 5 pertenciam a outra editora portuguesa, que os tinha comprado no passado e que tinha livros no mercado.
    – Nós achamos que se um editor tem os direitos e tem livros para vender, deve continuar a vendê-los e rentabilizar ao máximo o dinheiro que investiu.

    Quanto às nossas opções, nós explicamos:
    – sempre que o entedermos, recomeçaremos uma série que achemos importante ser concluída em Portugal, independentemente dos direitos poderem ser adquiridos na totalidade ou parcialmente.
    – nunca exigeremos que um editor nosso colega (pequeno ou grande) retire livros do mercado só porque ficámos com alguns direitos de uma série. Também ele investiu. Também ele tem investimento a recuperar.
    Se isso acontecer, essa opção é sempre do detentor de direitos, por motivos que não têm a ver connosco.

    Caso queira adquirir tomos anteriores do Gato do Rabino em Português, pode encomendá-los através da Wook, onde estão disponíveis.
    Boas leituras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.