MOTELX 2020: O terror regressa a Lisboa, mas em segurança

O terror volta a Lisboa em Setembro, mas de uma forma muito diferente daquele que vivemos no nosso dia-a-dia, com o MOTELX a adicionar dois dias extra na sua programação, para que os visitantes possam desfrutar do cinema em segurança, com sessões mais espaçadas e de lotação reduzida.

Foi assim anunciado ontem, durante a conferência de imprensa, da 14ª edição do MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa, que irá decorrer no Cinema São Jorge, de 7 a 14 de Setembro.

Os primeiros filmes anunciados destacam a nova vaga do cinema de terror feminino, com estreias como Saint Maud, de Rose Glass, sobre uma enfermeira devota que se torna perigosamente obcecada em salvar a alma de seu paciente que está a morrer, contando com o selo da A24; Relic, de Natalie Erika James, sobre uma família a lidar com as consequências de uma manifestação da demência; e The Trouble with Being Born, de Sandra Woliner, que aborda uma nova visão do clássico Pinóquio numa era moderna e que causou controvérsia no último Festival de Berlim.

Na secção Serviço de Quarto ainda podemos contar com filmes como Butt Boy (Tyler Cornack), La Llorona (Jayro Bustamante), The Intruder – El Prófugo (Natalia Meta,  Sanzaru (Xia Magnus). O antecipado regresso de Takashi Miike também irá estar no MOTELX deste ano, na forma de First Love, no que é 104ª longa-metragem do prolífico realizador japonês.

Enquanto isso, Darkness (Buio), de Emanuela Rossi é, de momento, o único filme anunciado para a competição do Prémio Melhor Longa de Terror Europeia / Méliès d’argent.

No DocTerror, para já, podemos ver Scream, Queen! My Nightmare on Elm Street, um documentário marcante sobre Mark Patton e o seu papel como o primeiro Scream Queen masculino, em Pesadelo em Elm Street II, considerado hoje como um clássico do cinema LGBT.

Em Pesadelo Americano: O Racismo e o Cinema de Terror, foram selecionadas para esta Retrospectiva sete obras precursores do movimento Black Lives Matter, cujo olhar crítico propõe um acerto de contas com a história. São eles: The Intruder (Roger Corman, 1962), ), Ganja & Hess (Bill Gunn, 1973), O Cão Branco (Samuel Fuller, 1982), Os Prisioneiros da Cave (Wes Craven, 1991), O Assassino em Série (Bernard Rose, 1992), Tales from the Hood (Rusty Cundieff, 1995) e Foge (Jordan Peele, 2017).

  Cinema: Crítica - Sputnik (2020)

A secção Quarto Perdido deste ano, intitulada Pedro Costa – Filmar a Trevas, irá trazer o realizador português até ao festival onde abordará em conversa a sua declarada afinidade com o universo do terror e do fantástico e serão exibidos os filmes Ne Change Rien (2009) e Cavalo Dinheiro (2014).

Finalmente, o MOTELX em 2020 aposta num novo programa, dedicado às Curtas Experimentais, onde iremos ver narrativas alternativas que usam técnicas revolucionárias para criar novas linguagens e pesadelos transcendentais. Também serão vinte as Curtas Internacionais em exibição.

Em falta estão os nomeados para o Prémio MOTELX – Melhor Curta de Terror Portuguesa / Méliès d’Argent, que serão anunciados no próximo mês, que devido à disrupção causada pela pandemia, o prazo de inscrição na competição foi prolongado até ao dia 2 de Agosto. A restante programação também será anunciada em breve.

Como sempre, o Warm-Up MOTELX irá aterrorizar Lisboa já no dia 3 de Setembro, onde o Convento de São Pedro de Alcântara irá acolher A Mulher-Sem-Cabeça, uma performance/concerto a partir de um texto de Gonçalo M. Tavares com ilustrações ao vivo de António Jorge Gonçalves e voz do MC Papillon.

Na noite seguinte, o Espaço Brotéria é palco de um jantar encenado a partir de um texto de Fernando Pessoa praticamente desconhecido do grande público: Um Jantar Muito Original (do semi-heterónimo Alexander Search). Um projecto que recria o lado mais negro de Pessoa e que conta com supervisão artística de Albano Jerónimo e a estreia em encenação de duas estudantes de teatro e cinema, Matilde Carvalho e Rita Poças.

Por fim, dia 5 traz a muito aguardada sessão de cinema ao ar livre no Largo Trindade Coelho, com filme a anunciar brevemente.

Ricardo Du Toit

Fã irrepreensível de cinema de todos os géneros, mas sobretudo terror. Também adora queimar borracha em jogos de carros.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *