Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Mark Millar fala de “O Legado de Júpiter” e do que se segue de Millarworld

A Netflix estreou a série O Legado de Júpiter. Assim sendo,  convidou Mark Millar, o criador da banda desenhada que serve de inspiração, para falar sobre o que espectadores podem esperar de O Legado de Júpiter e das novidades do universo Millarworld.

O texto que se segue é na primeira pessoa, de Mark Millar.


Esta tem de ser a maior história de super-heróis de sempre.

Quando primeiro comecei a trabalhar em O Legado de Júpiter , em 2012, foi esta a primeira coisa que escrevi no meu bloco de notas. Uma fasquia bem alta antes de ter sequer escrito uma única linha de diálogo.

O LEGADO DE JÚPITER vol. 2: REVOLTA

Após uma década a escrever banda desenhada, sabia que queria trilhar o meu próprio caminho e contar uma história de super-heróis diferente. Quando comecei a trabalhar em O Legado de Júpiter, eu e a minha mulher tínhamos acabado de ter o nosso segundo filho, e histórias sobre família pareceram-me mais interessantes nesse momento. Não se veem tantas histórias quanto isso sobre super-heróis com filhos. «E se alguém tão fixe como o Super-Homem se casasse com alguém tão espetacular como a Mulher-Maravilha, e os dois tivessem filhos?», pensei eu. É uma dinâmica fascinante, e seria particularmente difícil para os filhos estarem à altura das expetativas e legados dos pais.

Fiquei inspirado e comecei a escrever cenas e notas post-it durante dois meses, criando todo um universo de personagens e de como estes se relacionavam uns com os outros. O meu escritório parecia uma cena saída do Zodiac, com diagramas por todo o lado e setas a apontarem para personagens que, ainda que aparecessem apenas em cenas breves, tinham 30 anos de historial com detalhes mais íntimos que aqueles que sei dos meus melhores amigos.

Quando eu e minha mulher vendemos o Millarworld à Netflix em 2017, a nossa primeira prioridade era O Legado de Júpiter. Já tínhamos fantasiado com a ideia de um filme, mas a Netflix permitiu-nos uma adaptação à escala necessária, e todos aqueles rabiscos e post-its puderam ser concretizados numa série que não teria de ser condensada num filme em três atos.

Embora já tenha perdido a conta às filmagens que vi, não me canso de ver o que este elenco e equipa de sonho conseguiram fazer. Espero que gostem tanto quanto eu.

À medida que me preparo para partilhar esta obra com o mundo, não queria deixar de falar do progresso dos outros projetos. Estamos a ser ponderados em tudo o que fazemos e levamos o tempo que for preciso para construir cada história de forma orgânica. A nossa seleção foi feita com vista a um leque variado de conteúdos, mas o ADN Millarworld será inconfundível em cada uma, em que a prioridade é sempre a visão artística e os fãs.

Comecemos então por umas notícias:

Estamos a trabalhar afincadamente numa série de espiões de seis episódios, a minha primeira desde Kingsman, mas com uma propriedade intelectual inteiramente diferente. É algo de que já sou fã há décadas, e foi o único criador que abordei. Tem o potencial de ser um dos maiores franchises que já criei. Estou muito entusiasmado e espero que vocês também fiquem!

É também com grande alegria que anuncio que estamos a desenvolver ativamente The Magic Order, após termos sido forçados a adiar tudo devido às incertezas do ano transato. O interregno serviu para regressarmos com toda uma nova perspetiva, e devemos voltar muito em breve às reuniões de argumentistas. Eu criei-a como série, mas, como os fãs de banda desenhada bem o sabem, livros também são uma das minhas paixões. The Magic Order volume 2 vai ser lançado em outubro, pela mão do lendário Stuart Immonen, e o volume 3 seguir-se-lhe-á pouco depois, com arte do sensacional artista italiano Gigi Cavenago. Podem ver todas as três capas aqui.

O desenvolvimento de American Jesus prossegue a bom ritmo nas mãos talentosas e mais que capazes de Everardo Gout (Marvel – Luke Cage, Sacred Lies) e Leopoldo Gout (Jogo da Alta-Roda, Instinct). Estou impressionado com as escolhas criativas que a Netflix nos permitiu fazer, sobretudo por ser uma série que terá diálogo em inglês e castelhano.

Estamos ansiosos por revelar ao mundo a adaptação em animé de Super Crooks ainda este ano. Esta série de animação superpoderosa sobre um assalto levado a cabo por oito supervilões está recheada de ação e terá 13 incríveis episódios de 30 minutos produzidos pela Bones Inc. (My Hero Academia, Mob Psycho 100, Godzilla: Singularidades). As primeiras imagens desta série tão aguardada serão reveladas no Festival Internacional de Cinema de Animação de Annecy, em junho.

Quanto aos filmes, o argumento de Reborn está neste momento a ser escrito por Bek Smith, que veio do Marvel Writing Program. Conseguimos o realizador Chris McKay (Lego Batman: O Filme), e a Sandra Bullock vai ser produtora, juntamente com a Vertigo Entertainment. EmpressHuck e Sharkey The Bounty Hunter também continuam a avançar, cada um na sua fase particular de desenvolvimento. E também incluímos Prodigy na seleção, com um argumento fenomenal de Matthew e Ryan Firpo (Eternos).

Estejam atentos, que vem aí mais!”

O Legado de Júpiter ficou disponível na Netflix a 8 de maio.

O Central Comics tem estado atento ao desenvolvimento de novidades do Millarworld.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *