Lançamento: Raízes – The Lisbon Studio Series 4

Já está disponível o álbum The Lisbon Studio Series Series 4, um lançamento A Seita. Uma antologia de BD com 136 pgs. de histórias curtas de um colectivo de autores que partilha um estúdio na zona de Santa Apolónia com vista para o Tejo.

Nomes como Filipe Andrade, Marta Teives e Pedro Vieira de Moura, Nuno Saraiva e muitos outros enchem as páginas deste volume, cujo tema remete os autores para as suas origens, para memórias e passado, em mais uma das viagens a que o The Lisbon Studio nos habituou.

Cada volume corresponde a um tema, e conta com uma equipa diferente. Neste volume, a editora destaca Marta Teives,

numa belíssima história a cores com argumento de Pedro Vieira de Moura, e que vem aqui confirmar a sua posição como uma das grandes criadores de BD do nosso país.

Raizes TLS

Onde estão as raízes de cada um? No passado, nas memórias? Num sítio? Numa família ou grupo?
Em que se enraízam as palavras e as imagens? Seis histórias que nos vão levar a percorrer todo o género de paisagens e imaginações, reais e metafóricas.

Raizes TLS Raizes TLS

“Para os artistas do The Lisbon Studio, histórias diversas nascem de apenas uma palavra como ponto de partida. Palavra que ocupa poucas linhas num qualquer volumoso dicionário, e aqui faz nascer um álbum inteiro, diverso, apaixonante. Palavra recontada num fluxo de textos e desenhos que se casam em uma só narrativa: afinal, estamos a falar da magia da linguagem da banda desenhada. A equipe do TLS fez isso. E pela quarta vez!”

– do prefácio de André Diniz

Raizes TLS

No derradeiro volume desta série neste formato, os autores do TLS decidiram voltar atrás, e mergulhar nas suas… raízes. O The Lisbon Studio Series foi uma experiência forte e vital da banda desenhada no nosso país, uma pequena colecção de volumes antológicos pelos autores de um estúdio de que podemos dizer sem exagero que é “a” casa da banda desenhada no nosso país. Nestes quatro anos ao longo do qual saíram estes quatro livros, todos eles temáticos – Cidades, Silêncio, Viagens e Raízes – o estúdio passou por muitas mudanças e alterações, saíram alguns artistas, outros ingressaram no estúdio, alguns estrearam-se na BD pela primeira vez, os três volumes anteriores receberam uma mão-cheia de nomeações para os Galardões do Comic-Con e os Prémios Nacionais de BD da Amadora, tendo vencido dois Galardões e um Prémio PNBD, e a colecção foi distinguida também com a edição de um volume antológico que recolhe histórias dos vários volumes, em modo best of, na Polónia (que se acompanhou de uma grande exposição retrospectiva e da presença de vários autores).

Acreditamos que fizemos alguma da história da BD em Portugal com estes 4 livros, e olhamos agora para o futuro e para outras experiências, contentes com este legado que deixamos e esperamos possa servir de inspiração e exemplo aos criadores do nosso país.

Raizes TLS Raizes TLS

O The Lisbon Studio é um colectivo de artistas que conta com mais de uma década de existência, e que partilha um espaço com vista para o Tejo, em Santa Apolónia. Autores de BD que trabalham para a Marvel, autores que representam alguns dos maiores best-sellers da BD portuguesa, autores que representam estilos e modos de criação muito variados, incluindo autores que trabalham em design, ilustração, web-design, e mais. No The Lisbon Studio apesar da constituição dos membros do TLS se ter alterado ao longo dos anos – não só se sente a herança dos seus fundadores, como a marca deixada por todos os que por aqui passaram.

  Ermal 4: Ómega e Alfa

Raizes TLS Raizes TLS

RAÍZES: The Lisbon Studio Series, vol. 4
Histórias de Ana Branco, Bárbara Lopes, Filipe Andrade, Marta Teives, Nuno Saraiva, Pedro Moura, Quico Nogueira e Ricardo Cabral. Prefácios de André Diniz e Patrícia Furtado.
Capa de Marta Teives.
Uma edição A Seita / colecção Comic Heart
Formato 17 x 24, capa dura, 136 pgs.
(16 a cores, 120 a p/b).
PVP: 12€
ISBN: 978-989-54574-5-8


Unboxing LIVE: Caixa Mistério de Comics

Ricardo Lopes

Começou a caminhar nos alicerces de uma sala de cinema, cresceu entre cartazes de filmes e película. E o trabalho no meio audiovisual aconteceu naturalmente, estando presente desde a pré-produção até à exibição.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *