Jogos: Análise – eSports Legend

O fenómeno dos esports já está presente nas nossas vidas há alguns anos e, especialmente com a cena competitiva de League of Legends e Counter-Strike, começou a ganhar um destaque ainda mais comercial. Como natural, teriam que começar a surgir ao longo do tempo vários jogos em que se simula tal fenómeno e onde se controla a gestão de uma equipa. A proposta para a Nintendo Switch é o jogo eSports Legend, mas, será esta uma boa proposta?

Neste jogo, tal como seria de esperar, temos que criar a nossa própria equipa de eSports e começamos a nossa história desde amadores até conseguirmos alcançar os torneios mundiais. E o que a nossa equipa joga? Um MOBA que à primeira vista parece bastante similar com alguns dos jogos conhecidos do gênero. Aliás, a primeira vez que vi o jogo fiquei a pensar de onde conhecia aquele visual de jogo (sendo bastante óbvia a resposta). Durante o jogo temos que ir contratando jogadores e despedindo outros, de forma a crescer como equipa e alcançar voos mais alto.

No entanto, o mais espantoso foi a fieldade do jogo que utilizam como “jogo competitivo”. O facto de podermos ver vários heróis que vão surgindo ao longo do tempo (enquanto avançamos por várias semanas de jogo) é algo que torna o jogo bastante realista, comparativamente às suas contrapartes da vida real e, devido a utilizarem as mesmas regras a nível competitivo torna-o ainda mais fiel. Por exemplo, aquele momento típico para a escolha do herói que vamos jogar e de banir heróis que não podem ser utilizados naquela partida é realmente perfeita. Podemos até dizer que parece um minijogo.

Mas, um jogo de gestão não vive apenas dos jogadores e aí, eSports Legend saca um brilharete com as questões que nos deixa abordar. É necessário aumentar as habilidades dos jogadores? É possível. É necessário contratar treinadores e secretárias? Também é possível! Porém, o mais interessante é mesmo o facto de podermos melhorar a nossa base (onde os jogadores treinam, dormem ou fazem outras atividades) e o controlo que temos nas relações públicas e patrocínios. Existem vários nomes que vamos encontrar similares às contrapartes da vida real que estão dispostos a patrocinar a nossa equipa, além de que iremos poder ver os nossos jogadores mais famosos a aderir a plataformas de streaming para aumentarem a sua popularidade ainda mais.

  Jogos: OkunoKA Madness (Análise)

Porém, como é habitual há pontos maus nos jogos e, neste caso, a verdade é que os jogos competitivos são a parte mais fraca do jogo. Isto porque depois de selecionarmos os heróis que os nossos jogadores vão utilizar, não existem muitas estratégias que podemos usar para alterar a forma como a partida vai-se desenrolar e as que existem, não fazem grande efeito, ou seja, seria interessante existirem táticas realmente importantes. Isto e o facto de não podermos parar uma partida. Por outro lado, o jogo também se repete imensas vezes. Quer queiramos, quer não o jogo vai desenrolar-se sempre da mesma maneira quantas vezes o reiniciarmos.

Resta concluir que, eSports Legend é um jogo com uma temática interessante, mas que, das duas uma, ou somos grandes fãs deste tipo de jogos ou temos um conhecimento imenso na temática dos eSports para este ser o jogo ideal para nós. Fora isso, torna-se entediante ao final de duas ou três horas.Nota Final: 5/10

eSports Legend está disponível para Nintendo Switch(versão testada), PC e iOS

Agradecemos à Coconut Island Games

António Moura

Um pequeno ser com grande apetite para cinema, séries e videojogos. Fanboy compulsivo de séries clássicas da Nintendo.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *