Estórias da História – Volume 1

Com “Estórias da História”, a Ala dos Livros desvia-se do universo da BD para publicar um livro de contos com textos da autoria de Jorge Magalhães e ilustrações de Augusto Trigo. Trata-se do início da Colecção JM, a primeira colecção criada pela editora.

Estórias da História volume 1

Guerreiros, generais, almirantes, navegadores, exploradores, até corsários com sede de riquezas e aventureiros de destino inverosímil, desfilam nas páginas deste livro, convidando o leitor a acompanhá-los numa viagem aos bastidores da História, aquela que não aparece na maioria dos livros e dos filmes, mas é tão viva e apaixonante como a que as instituições e as crónicas oficiais registam. Se o nome de uns é bem conhecido, o de outros raramente vem nos compêndios de História. O leitor conhece, certamente, a lenda de Ulisses e da conquista de Tróia, que o cinema já abordou várias vezes, e não ignora figuras menos míticas como James Cook, Daniel Defoe, Sitting Bull, Patton ou Marco Polo. Mas sabe quem foram Coriolano, Leif Erikson, Caramuru, La Valette, Barents, Osceola, Gordon, Caius Marius,

Rostopchine, Nicolau de Mesquita, Rooke, Langsdorf, Mac Auliffe e Von Spee?

Esperamos que este livro tenha o dom de cumprir essa função, proporcionando a quem o ler, seja qual for a sua idade, uma aliciante viagem, com a ajuda da imaginação, aos meandros do tempo onde vivem ainda todas as personagens históricas, reais ou lendárias, evocadas nas suas páginas.

estorias da historia

ESTÓRIAS DA HISTÓRIA – Volume 1
Textos de Jorge Magalhães
Ilustrações de Augusto Trigo
Livro de contos
144 páginas
Brochado. 149 x 210 mm
Junho de 2020. Ala dos Livros
PVP: 13,90 €
ISBN: 978-989-54171-7-9

SOBRE OS AUTORES:

Argumento:

Jorge Magalhães – 1938-2018

Jorge Arnaldo Sacadura Cabral de Magalhães nasceu no Porto em Março de 1938, tendo frequentado o curso de Letras, de que desistiu pouco antes da sua partida para Angola.

Mostrou desde cedo uma imaginação fértil e uma certa inclinação para a escrita, tendo no Liceu Gil Vicente “alinhavado umas letras que o meu colega de liceu, o Baptista Mendes, rabiscava”.

Mas foi entre 1959 e 1961 que iniciou transitoriamente a sua carreira na Banda Desenhada (uma paixão de infância), no “Mundo de Aventuras” e em ”O Mosquito” (2ª série), com contos ilustrados por José Baptista, José Garcês e José Ruy.

Viveu em Angola de 1961 a 1973. Entre Luanda, Novo Redondo e Porto Amboim, e a par da sua actividade de funcionário público (desempenhou funções no antigo Instituto de Café de Angola), foi locutor de rádio (colaborou entre 1963 e 1966 no Rádio Clube do Cuanza Sul – Novo Redondo), escreveu e participou em peças de Teatro, dinamizou o Clube de Cinema de Porto Amboim e colaborou em vários jornais e revistas, como “A Província de Angola”, “Trópico”,  “ABC” ou “O Comércio de Luanda” (onde coordenou o suplemento juvenil “Águia”). A partir de Angola, publicou ainda artigos no jornal “República”, e um conto (1970) no último número da revista “Pisca-Pisca”, para além de outras publicações.

Em Maio de 1974, concretiza um sonho de juventude ao ingressar nos quadros da Agência Portuguesa de Revistas, onde assumiu a coordenação do Mundo de Aventuras (2ª série), MA Especial e Selecções do MA, entre outros títulos de menor importância.

E foi no Mundo de Aventuras, em 1976, que se estreou como argumentista com a história “A Lenda de Gaia”, desenhada por Baptista Mendes, tendo posteriormente assinado numerosos argumentos para revistas e álbuns (individuais e colectivos), ilustrados por alguns dos principais desenhadores portugueses de então, como Augusto Trigo, Carlos Alberto,

Carlos Roque, Catherine Labey, Eugénio Silva, Fernando Bento, João Amaral, José Abrantes, José Carlos Fernandes, José Garcês, José Pires, José Ruy, Pedro Massano, Rui Lacas, Vítor Péon e outros. Colaborou também com jovens desenhadores que trocaram a BD por outras carreiras, como Irene Trigo, João Mendonça, José Projecto, Ricardo Cabrita e Zenetto.

Foi fundador e membro directivo do Clube Português de Banda Desenhada, criado em 1976, e coordenou outras revistas de BD como “TV Júnior”, “Intrépido”, “Aventureiro”, “Heróis da Marvel”, “O Mosquito (5ª série)”, “Almanaque O Mosquito”, “Heróis Inesquecíveis”, etc. Também editou e dirigiu fanzines como os “Cadernos de Banda Desenhada” (com três séries) e a “Colecção Audácia”. Traduziu inúmeras histórias de BD, escreveu artigos de investigação e análise crítica para vários livros, revistas, catálogos, fanzines e suplementos de jornais, e dirigiu colecções da Editorial Futura como a “Antologia da BD Portuguesa”, “Antologia da BD Clássica”, “Colecção Aventura”, “Tarzan”, “Torpedo”, etc.

  Análise: Big Nate "Na Maior" e "Alto e Bom Som"

Juntamente com Augusto Trigo (um dos desenhadores com quem mais trabalhou nos anos 80 e com quem já tinha assinado “Luz do Oriente”, “Kumalo”, “Excalibur” ou “Wakantanka”), foi autor do álbum “A Moura Cassima” (Lendas de Portugal em BD, Edições Asa), distinguido em 1992 com o prémio de melhor álbum português, criado nesse mesmo ano pelo Festival Internacional da Amadora. Voltou a colaborar com Augusto Trigo e Catherine Labey no álbum colectivo “Lenda da Moura Salúquia”, publicado no Salão Moura BD em 2009.

Foi galardoado cinco vezes com o Troféu O Mosquito do Clube Português de Banda Desenhada para melhor argumentista, entre 1981 e 1993. Em 1999, recebeu o Troféu de Honra do Festival da  Amadora e em 2002 o Troféu Balanito Especial, atribuído pelo Salão Moura BD. A Câmara Municipal de Moura publicou estudos seus sobre vários temas: “Carros e Motos na BD” (2001); “BD e Ficção Científica – As Madrugadas do Futuro” (2005); “O Western na BD portuguesa” (2007); “Vítor Péon e o Western” (2010); “Franco Caprioli – No Centenário do Desenhador Poeta” (2012).

Criou em 2013 o seu primeiro blogue, O Gato Alfarrabista, coordenando, com assistência de Catherine Labey, cinco blogues que abordam temáticas desde a banda desenhada, o “western” e a aventura histórica à literatura popular e ao cinema.

No campo editorial, coordenou ainda livros como “O Mosquito – 60º Aniversário” (1996) e “Vasco Granja – Uma Vida, 1000 Imagens” (2003) e colaborou em jornais como “Tintin”, “Jornal da BD” e “Jornal do Exército”, além de ter sido chefe de redacção da revista

Selecções BD” (2ª série), entre 1998 e 2001. Escreveu um livro com o título “O Príncipe Olaf”, publicado em 1975 na colecção juvenil Galo de Ouro (Portugal Press), e estava, à data da sua morte, a 1 de Dezembro de 2018,  a compilar várias dos seus trabalhos tendo em vista a sua edição e/ou reedição pela então recém-criada Ala dos Livros, da qual era mentor.

“Estórias da História”, era uma dessas obras.

Desenho:

Augusto Trigo (1938 –   )

Augusto Fausto Rodrigues Trigo nasceu em Bolama, na Guiné Bissau, em Outubro de 1938 e estudou na Casa Pia de Lisboa para onde veio aos 7 anos de idade. Tendo evidenciado, desde cedo, grande habilidade para trabalhos manuais, viria a cursar escultura e talha sob orientação do escultor Martins Correia.

De regresso à Guiné em 1958, viria a trabalhar como desenhador de Cartografia, dedicando-se, nos tempos livres, à pintura, tendo realizado várias exposições.

Em 1979, aquando do seu regresso definitivo a Lisboa, Augusto Trigo visitou as instalações da Agência Portuguesa de Revistas para apresentar os seus trabalhos e foi nessa altura que conheceu Jorge Magalhães, então coordenador da revista Mundo de Aventuras (V série). A sua primeira BD, “O Visitante Maldito”, baseada num conto de João Maria Bravo, seria publicada naquela revista. em 1980.

Jorge Magalhães e Augusto Trigo desenvolveram a partir dessa altura uma profunda amizade, vindo a formar uma das duplas mais profícuas da BD portuguesa, assinando em conjunto obras como “A Luz do Oriente” (1980-81),  “Wakantanka: O Bisonte Negro” (1981-82),  “Excalibur: O Anel Mágico” (1982),  “Ranger: A Vingança do Elefante” (1984-85),  “Wakantanka: O Povo Serpente”, ou a coleção “Lendas de Portugal em Banda Desenhada”, que viria a ser editada em 1988 pelas Edições ASA. Seguiram-se “A Lenda de Gaia” (Edições ASA, 1989), “A Dama Pé de Cabra” (Edições ASA, 1989), e “A Moura Cassima”, publicada em álbum em 1991 também nas Edições ASA.

Hugo Jesus

Co-criador e administrador do Central Comics desde 2001. É também legendador e paginador de banda desenhada, e ocasionalmente argumentista.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *