Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Crítica: Wolverine Arma X vol. 2 – Demente

“Demente” é o segundo livro da curta colecção de três volumes de Wolverine Arma X, que a G. Floy Studio está a lançar em Portugal.

Aqui, Logan encontra-se em Dunwich Sanatorium, onde as únicas pessoas mais estranhas do que os pacientes são os médicos responsáveis. Wolverine, que é tratado por “Paciente X”, acorda confuso e não se lembra de quem é ou como foi ali parar. As únicas recordações vagas são da sua vivência com Glutões, viajar até à Lua, e matar muitas e muitas pessoas. O seu director, Dr. Rottwell, parece o mais insano de todos, e as suas intenções muito perturbadoras.

Este é um álbum atípico de Wolverine, cujo género deixa de ser a clássica acção de super-heróis, para algo muito próximo de uma história de terror. E foi por isso que adorei este livro. Para já, porque pode ler-se sem se ter em conta o primeiro volume, ou seja, o enredo é independente o suficiente para se aguentar como stand-alone. E depois, porque é sádico, misterioso e muito, muito violento. E não, o argumentista não é Garth Ennis, mas sim Jason Aaron – mas podia muito bem ter sido o criador de Preacher, pois o estilo encaixa-se que nem uma luva.

Yanick Pacquette (nos desenhos) e Michel Lacombe (na arte-final) completam com uma arte fantástica. Conseguem captar excepcionalmente as mais variadas expressões faciais, sem nunca desleixar os layouts e a arte sequencial. Só as cores, de Natham Fairbairn, é que considerei um pouco deslavadas. Os tons pastel utilizados não ligam muito bem a frieza do local e a crueza do argumento. Mas não é nada que estrague a obra final.

O livro termina com um capítulo separado, onde Logan conversa com mulheres do Universo Marvel, pedindo-lhes conselhos sobre relacionamentos. Um final muito abaixo da história principal, tanto no argumento, como na arte, de C. P. Smith, completamente despropositado e desinteressante.

Argumento: Jason Aaron
Arte: Yanick Pacquette, Michel Lacombe, Natham Fairbairn e C. P. Smith
Editor: G. Floy Studio
Argumento: 9
Arte: 8,5
Legendagem: 8
Encadernação: 9
Veredito Final: 8,5


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *