Cinema: Crítica – Seduz-me Se És Capaz (2019)

Comecemos com um facto curioso: Seduz-Me Se És Capaz é a primeira comédia romântica de Charlize Theron, e apenas com isso já está a fazer história no cinema. Jonathan Levine tem feito uma carreira em comédias numa inteligência emocional adaptada aos tempos modernos, onde o riso vem de situações empáticas, mesmo em contextos fantasiosos, como foi o caso de Sangue Quente.

SeduzMeSeEsCapaz_03

De volta à vida real, conhecemos Fred (Seth Rogen), um jornalista liberal que vê a sua vida dar uma reviravolta quando é despedido, após o jornal onde trabalhava ter sido comprado por um aglomerado de media, conhecido por criar campanhas de propaganda de fake news. Felizmente o universo tem destas coisas e Fred reencontra-se com a sua babysitter de quando era mais novo, Charlotte Field (Charlize Theron), que é agora uma das mulheres mais importantes dos Estados Unidos e prestes a concorrer à presidência e que oferece Fred a oportunidade de escrever os seus discursos.

Com o novo emprego, Fred acaba por passar muito tempo com Charlotte, trazendo ao de cima vários sentimentos que os levam a ter uma relação pouco improvável, onde pelos vistos, os opostos realmente se atraem quando revelam as suas verdadeiras intenções.

SeduzMeSeEsCapaz_02

Não é surpresa que as obras de Levine têm sido menos cómicas, algo relativamente surpreendente, já que foi o mesmo que realizou duas das melhores comédias dramáticas desta década, com 50/50 e Sangue Quente, ambos em lados opostos no que toca a temática. É por isso que o envolvimento de Seth Rogen, por mais que a sua comédia seja icónica, acabe por ser uma reciclagem de outros filmes ao qual teve um envolvimento criativo, como Isto é o Fim! e A Entrevista, reduzindo muito da premissa num conjunto de piadas políticas, sexuais e com fluídos corporais, atingindo um absurdo que é apenas comparável ao estado político norte-americano.

  Cinema: Crítica - Raparigas Rebeldes de Paradise Hills (2019)

Não se limitando pela sua capacidade de tomar um rumo do esperado, arrisca muito em mostrar que somos todos iguais, vulneráveis a necessidades básicas do ser humano, por baixo esconde-se uma crítica social de um mundo paralelo, onde a aceitação das nossas diferenças acabam por fazer um mundo melhor. Assim, acaba por ser mais interessante que esperado ver Theron noutro registo, mostrando a sua veia mais cómica, com um grande apoio de Rogen.

SeduzMeSeEsCapaz_01

Dito isto, Seduz-Me Se És Capaz é uma comédia romântica para os tempos de hoje, provando que a tolice do mundo real não difere assim tanto da ficção, reforçando que por mais estúpidas sejam as piadas, mais tarde ou mais cedo vamos acabar por nos rirmos.

Nota Final: 6/10

  • Seduz-me Se És Capaz estreou a 1 de maio nos cinemas

Ricardo du Toit

Ricardo Du Toit

Fã irrepreensível de cinema de todos os géneros, mas sobretudo terror. Também adora queimar borracha em jogos de carros.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *