Cinema: Crítica – Beautiful Boy (2018)

Steve Carell e Timothée Chalamet formam uma dupla emocionante no filme biográfico Beautiful Boy. Já nos cinemas.

Até onde vai um pai para resgatar um filho dos seus vícios toxicodependentes? A Beautiful Boy aborda as duas biografias do jornalista David Sheff (Steve Carell) e o seu filho, Nic Sheff (Timothée Chalamet). É essencialmente um filme sobre família e o modo como um vício pode atingir qualquer uma apesar das tentativas contínuas falhadas de reabilitação, formando uma narrativa que consegue escapar ao cliché do género e mostrar-nos a dificuldade psicológica que um indivíduo toxicodependente, neste caso jovem, possui perante a sua família e si mesmo.

O vício é demonstrado ao pormenor ao criar cenas gráficas com seringas ou colheres que variam entre cenários obscuros e nauseantes ou o simples quarto de um jovem com gostos culturais e literários característicos observados na decoração do mesmo. Todavia, este não é o único fio cativante do enredo. Os dois protagonistas, David e Nic, pai e filho respetivamente, são o que tornam este retrato emocionante. De um lado existe um pai responsável, culto, extremamente positivo e adaptável que tenta transmitir os melhores valores a um filho, chegando a ir ao limite para compreender este vício que mudou a vida de um jovem e indivíduos associados ao mesmo.

  O Central Comics foi à antestreia de Bumblebee. Vejam as reacções!

Por outro lado, Nic é um jovem bastante inteligente com motivação para inscrever-se na faculdade, mas que se sente moldado pelo seu pai e sociedade e infelizmente se deixou levar por este desejo incontrolável por drogas. O uso das mesmas sempre foi intenso, no entanto, intensifica-se quando começa a consumir estupefacientes, uma substância que prejudica física e psicologicamente a saúde do consumidor. O filme é capaz de captar tanto a dor como a euforia dos momentos de Nic, apresentando uma das melhores histórias com um jovem toxicodependente no qual a cultura, música, literatura e família são altamente valorizadas.

A relação comovente entre pai e filho tornam a narrativa fascinante na qual ambos possuem a sua importância e cria-se um desagrado por cada um que eventualmente é resolvido no seu decorrer. O debate pela superficialidade da vida é constante e proporciona um desenvolvimento incrível às personagens, seja em David e Nic, como na relação que o jovem possui com a sua mãe biológica e a adotiva.

  Cinema: Crítica - Roma (2018)

Beautiful Boy é um filme construído de modo a comover a audiência, mas realçar o grande problema raramente discutido acerca de jovens toxicodependentes.

  • Beautiful Boy estreia a 29 novembro 2018 nos cinemas.

8/10

Tiago Ferreira

Tiago Ferreira

Estudante de Cinema e Teatro, Crítico de Cinema, Fotógrafo novato e Cosplayer.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *