Cinema: Crítica – Vingadores: Endgame (SEM SPOILERS)

Custe o que custar!

Thanos venceu, o mundo jamais será o mesmo, mas enquanto o Titã controlar as Pedras do Infinito a batalha está longe de acabar.
Cabe agora aos heróis sobreviventes unir forças, não conseguiram salvar o universo, mas vão certamente vingá-lo!

Os irmãos Russo trazem-nos o final desta épica saga que Jon Favreu começou há 11 anos, com um dos maiores e mais premiados elencos de sempre, e expectativas inigualáveis.

Entrei na sala com o trabalho de casa feito, as BDs em dia, os 20 e poucos filmes revisitados (seja com mais um visionamento ou, na maioria dos casos, com uma recapitulação de histórias e personagens), e a vontade que tenho de entrar em “e depois X fez Y e foi espetacular” é bastante.

Esta vontade fez-me perceber algo, o Universo Cinemático Marvel vive do investimento dos fãs nos personagens, a dedicação e paixão com a qual entramos e saímos das salas, nesse aspeto não seria justo proclamar este filme como suprassumo nem terrível. Esta crítica nasce de um fã de banda-desenhada que acompanhou o MCU religiosamente nos cinemas desde “Iron Man”(2008), que, dos 22 filmes, só não viu nos cinemas o primeiro “Thor”(2011). Um fã que enche o quarto de posters destes filmes e, antes deles existirem, o enchia das BDs destes heróis.

O grande problema para alguns vai nascer das rasteiras que o filme ainda nos prega, subversão de espectativas que pode causar dissabores a alguns, mas que abrem portas para novas possibilidades e mostram um contínuo interesse em explorar este universo e o seu respetivo panteão de heróis.

  Pennywise continua a liderar as bilheteiras

Com isto assente tenho de começar por louvar o trabalho de desenvolvimento dos personagens, os 6 originais, todos os que vieram desde então, até alguns vilões. A grande maioria dos personagens são abordados e desconstruídos em sequências e falas brilhantes e, no entanto, tão simples e naturais.

Endgame marca o final do primeiro capítulo do MCU, e acaba por terminar a história de alguns dos seus heróis, pelo menos por agora. Como tal o filme é extremamente satisfatório, fechando umas portas e abrindo outras, estabelecendo as regras e apresentando as possibilidades para o que nascerá daqui.
Não há muito que falar sobre os aspetos técnicos, são o standard da Marvel no seu expoente máximo, 1001 momentos de efeitos soberbos, mas poucas instâncias de “wow que visuais espetaculares”, nem todos os filmes podem ter a fotografia de “Doctor Strange”(2016).

O público a quem recomendaria o filme já tem bilhetes comprados ou ideias de os comprar, só vos posso desejar uma experiência tão magnífica quanto a nossa no visionamento de imprensa.

Todas as histórias têm um final, todos os finais são novos começos. Obrigado Marvel, até já.

9/10

-Henrique V.Correia

Henrique Correia

Jovem dos 7 ofícios com uma paixão enorme por tudo o que lhe ocupe tempo. Jedi aos fins-de-semana!

You may also like...

1 Response

  1. Frederico Daniel diz:

    Vingadores: Endgame: 5*

    O enredo e argumento deste filme são fantásticos, vão ver ao cinema.

    Cumprimentos, Frederico Daniel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *